10 dicas para afinar suas despesas mensais ao seu salário

10 dicas para afinar suas despesas mensais ao seu salário

A sensação de insuficiência em relação a todas as obrigações mensais parece ser ainda maior nos atuais tempos de crise

Luz, telefone, supermercado, aluguel, faturas, conta bancária. As contas mensais parecem não ter fim. Renda diminuindo, custos e preços em alta, a crescente pressão inflacionária e uma série de ajustes fiscais (leia-se: aumento de impostos) batendo à porta de todas as nossas receitas e despesas. A sensação de insuficiência em relação a todas as obrigações mensais parece ser ainda maior nos atuais tempos de crise.

Nesse momento é que surge a sensação de estarmos sendo afogados pelo contexto econômico, trazendo consigo a responsabilidade de nos debatermos até que possamos novamente respirar com segurança. Precisamos transformar nossas contas mensais em um processo de gestão administrativa eficiente, e suficiente para superarmos e afinarmos nossas despesas de acordo com nossas receitas. 

Para tanto, elaboramos de dez dicas que podem aliviar a pressão financeira das obrigações mensais sobre nossa renda:

1-     Distribua a renda entre suas diversas necessidades mensais, e trace um plano ideal. Evite permitir que os custos fixos de sua casa ultrapassem os 60% de sua renda. Entende-se como custos fixos da casa, as despesas intrínsecas à sua existência, como luz, água, internet, aluguel, condomínio, supermercado. Lembre-se que mesmo com receitas muito limitadas, estas não devem ser ultrapassadas pelas despesas.

2-    Descubra os vilões do seu orçamento. O próximo passo é fazer um levantamento real de seus gastos. Para saber onde é possível diminuir algum custo, primeiro é preciso saber exatamente onde está indo seu dinheiro. Nesse passo se cumprirá o princípio de Paretto, onde descobrirá que 20% de suas obrigações correspondem a 80% de suas despesas. Logo, uma atenção especial a esses 20% de obrigações permitem um relevante resultado na redução de despesas. Lembre-se que em finanças, o que os olhos não veem, o bolso paga da mesma forma. Não dá para fazer de conta que simplesmente uma conta não existe.

3-    Evite pagar juros. Depois das duas primeiras dicas você já está preparado para reconhecer que parte de sua renda pode estar sendo engolida pelo monstro dos juros. Esforce-se e elimine o juro de sua lista de despesas. Dentre todos os seus gastos, o pagamento de juros é o mais dolorido, uma vez que sem piedade alguma, ele simplesmente chega e leva parte de sua renda líquida. Lembre-se que em finanças “2 + 2 pode ser 5.” E isso é um problema.

4-    Pare de fazer dívidas. Constatou-se endividado? Primeiro passo para sair de dívidas é parar de fazer dívidas. Cumpra com os compromissos assumidos, e comprometa-se consigo mesmo, de não contrair novas dívidas. Lembre-se: dinheiro custa dinheiro.

5-    Cartão de crédito é na verdade um “cartão de dívidas”. De fato, a partir do momento que você utiliza o cartão de crédito, você contrai uma dívida. Atualmente, o cartão de crédito se traduz na forma mais prática de se gastar sem ter dinheiro. Apenas utilize o cartão quando você já tiver prevista uma entrada de rendimentos. Pagar apenas o mínimo do cartão, nunca! A taxa de juros cobrada pelas operadoras é a maior do mercado. Uma sugestão: elimine-o. Em pesquisa (CNC, agosto, 2015) 77,7% dos consumidores inadimplentes afirmam estarem endividados por usar descontroladamente o cartão de crédito.

6-    Negocie constantemente taxas e planos pagos. Negocie sempre que tiver a chance suas taxas pagas em bancos, na manutenção de sua conta, por exemplo. Taxas de boletos, anuidades de cartão de crédito, pacotes de telefonia e TV, etc. Acredite, a maioria das instituições que cobram taxas fazem algum tipo de negociação quando solicitado.

7-    Reuse, recicle, repense. Mais do que utilizar ao máximo os produtos adquiridos, bem como reutilizá-los e reciclá-los, é preciso repensar o consumo como manutenção da vida. Nossos recursos são limitados, e sabemos que quanto mais escasso um recurso, mais difícil será o acesso a ele e maior será seu custo. Ter zelo pelo consumo consciente e buscar pela melhor utilização dos mesmos, trará inúmeros benefícios coletivos, e certamente pesará favoravelmente em seu bolso.

8-    Analise seu poder financeiro. Eu necessito? Eu quero? Eu posso? São perguntas que você deve fazer a cada momento novo de consumo. De encontro com a dica anterior, aqui, não falamos da melhor utilização de recursos produtivos, mas sim, da melhor utilização do seu dinheiro. Aquilo que você deseja comprar hoje realmente é necessário? De fato, é o que você quer? Para terminar as perguntas: você pode consumir tal produto hoje sem que este venha lhe provocar problemas financeiros (custar mais caro) num futuro próximo? Se a resposta for “eu preciso!” é necessário viabilizar a aquisição imediatamente. Se a resposta for “eu quero”, trata-se de um desejo, e para realiza-lo você deve economizar e planejar a aquisição para o momento oportuno.

9-    Procure novas alternativas para o lazer.  Sempre existe uma alternativa bacana para substituir o restaurante, a pizzaria, o cinema ou a choperia. Trace com sua família ou seus amigos novas formas de encontro e diversão, mais baratas, mas não menos divertidas. Acredite, não sair de casa, receber pessoas, assistir um filme da locadora também pode ser um belo programa de final de semana.

10-   Planeje o uso do seu dinheiro. Para planejar o uso de seu dinheiro, primeiro é preciso ter ele nas mãos. As dicas acima servem para que o seu dinheiro esteja em seu poder e passe a lhe servir de acordo com suas necessidades e desejos. É preciso compreender que não podemos realizar um desejo sobrepujando necessidades. Quando isso ocorre, vivemos uma tortura. No entanto, quando suprimos nossas necessidades e planejamos a realização de um desejo, este nos traz grande satisfação. Vale o esforço de nos concentrarmos por algum tempo nas necessidades, para no futuro, já como protagonistas, realizar grandes sonhos. Pense nisso.


Fonte: Artigos Administradores / 10 dicas para afinar suas despesas mensais ao seu salário

Os comentários estão fechados.