3 dicas para identificar se o perigo mora ao lado

3 dicas para identificar se o perigo mora ao lado

A dicas a seguir ajudam a identificar ao longo de nossas vidas profissionais casos de pessoas que jogam para a torcida, e não para a equipe.

No mundo corporativo, infelizmente, é comum nos depararmos com pessoas que se voltam mais para os seus interesses do que para os interesses da instituição. Quando há tal conflito de interesses entre a identidade institucional e o que o profissional busca atingir por meio de seu trabalho na organização, surge o risco de o clima organizacional se deteriorar e o desempenho institucional perder sustentabilidade.

 

Um caso concreto das constatações acima estamos acompanhando pela mídia: o Petrolão. Na medida em que um grupo de colaboradores da empresa-alvo desse escândalo de corrupção se juntou a partes relacionadas para lograr vantagens pessoais em detrimento do todo, surgiram perturbações sistêmicas que afundaram diversos indicadores de desempenho da empresa, comprometeram o bom funcionamento de uma indústria que responde por cerca de 10% do PIB brasileiro e contribuíram para o cenário de crise político-econômica que põe a credibilidade do país em xeque perante investidores internacionais e agências de risco.

 

Dessa forma, e com o propósito de nos resguardarmos em relação a situações de mesma natureza que venham a encontrar na ganância do carreirista a centelha que acende uma crise, seguem algumas dicas que permitem identificar indícios de que o perigo pode sentar-se na mesa ao lado:

 

1. O carreirista é execessivamente curioso -> não confundamos curiosidade excessiva com vontade de aprender. O profissional que tem vontade de aprender procura conhecer mais para se tornar uma pessoa melhor e, assim, contribuir para a construção de resultados sólidos e duradouros de que as organizações necessitam. Por sua vez, o excessivamente curioso procurar saber o que se passa na vida das pessoas, nos departamentos e nas organizações, com o propósito tão somente de tirar proveito da situação.

2. O carreirista é dissimulado -> o carreirista procura não manifestar o que pensa e o que sente. Com essa postura, ele pretende evitar transparecer às demais pessoas quem ele realmente é e o que almeja de fato. Tal comportamento se assemelha ao da pessoa tímida, com a diferença de que o dissimulado possui introspecção seletiva combinada com um quê de hipocrisia e de insegurança.

3. O carreirista é emocionalmente instável -> devido à insegurança que guarda dentro de si, o carreirista se frustra demais quando suas expectativas não se concretizam. Com isso, surge um desequilíbrio emocional que faz com que o carreirista, muitas vezes, tenha pensamentos e atitudes agressivas e alterações fisiológicas que comprometem a sua saúde e o seu bem-estar. É nesse momento que o carreirista deixa transparecer com maior facilidade que existe um conflito entre o que ele busca e o que a instituição almeja.

 

Ficam as dicas. Cabe a cada um de nós termos sabedoria e diligência e fazermos bom uso delas.

 

Um forte abraço a todos e fiquem com Deus!


Fonte: Artigos Administradores / 3 dicas para identificar se o perigo mora ao lado

Os comentários estão fechados.