9 características de um líder tipicamente servidor

9 características de um líder tipicamente servidor

Aprenda as habilidades e os talentos de um mentor contemporâneo para poder se destacar no mercado e alcançar a excelência

Você sabe o que é um paradigma? É simplesmente uma reunião de fatores psicológicos, costumes padronizados e normas de conduta que usamos para traçar constantemente nossos caminhos. Infelizmente, assim como quase tudo em nossa existência, essa questão representa um elo positivo e um elo negativo. O lado bom de se ter um paradigma reside no fato de termos um trajeto prudente e sensato a ser seguido (um alvo claro) e o lado ruim consiste em adotarmos essas insígnias como sendo princípios imutáveis e absolutos, de modo que passamos a nos fechar completamente para tudo que esteja fora dele (resistência a mudanças).

Então, é como um belo pão francês dividido cuidadosamente em duas fatias: o lado esquerdo simboliza as nossas convicções (que nem sempre estão corretas) e o lado direito simboliza aquilo que ainda não percorremos (criatividade e versatilidade). Se escolhermos a primeira, nos sentiremos seguros, já que conhecemos profundamente o espaço e jamais iríamos nos perder, mas se optarmos pela segunda, poderemos desafiar nossos medos e perspectivas arquetípicas, fazendo com que adentremos um universo verdadeiramente novo recheado de novidades, oportunidades e progressos.

O grande barato é que criamos esses estigmas sem ao menos nos darmos conta disso, dado que eles acontecem naturalmente, de maneira involuntária e instintiva. Mas porque motivo, razão ou circunstância geramos essas nuvens negras sob as nossas angustiadas cabeças? Certamente porque buscamos enxergar o mundo sob a nossa ótica, pois somos piamente individualistas e egoístas. Você duvida dessa inexorável verdade? Pois bem, então pense em qualquer tipo de mudança que você teve ou terá que realizar no curso de sua vida e reflita como ela o obrigará a sair de sua zona de conforto para trilhar um vale desconfortável e de natureza extremamente árdua. Repare como isso lhe custará um preço alto, haja vista que o forçará a mudar de posição, a alterar drasticamente seus comportamentos e a enfrentar seus maiores pesadelos em uma infindável busca por uma evolução contínua e plena.

Ora, não se engane: crescer e se desenvolver dói demais e é exatamente por isso que pouquíssimas pessoas aceitam serem lapidadas e regeneradas em suas profissões. O que nós não podemos esquecer é que no mercado hodierno é absolutamente impossível sobreviver sem se adaptar as regulares mudanças que surgem, tendo em conta que a globalização e o planeta unificado exigem exacerbadamente que as pessoas sejam dinâmicas, voláteis e ágeis para responderem aos cenários transformadores e incógnitos que aparecem continuamente.

Como administrador, sei que na época de Ford, Taylor e Fayol as coisas eram mais previsíveis e ficava perfeitamente possível se antecipar aos tabuleiros institucionais. Hoje, o jogo mudou radicalmente e tudo o que temos é uma grande e estrambólica interrogação, daí a importância e a necessidade de nos tornarmos cada vez mais competentes, eficientes e rápidos frente às ameaças e recompensas que o mercado nos traz.

E se todas essas coisas mudaram, a forma de lidar com gente também mudou e os gestores precisam assimilar essa variável para que possam gerir suas organizações com sagácia e argúcia. Não foi por acaso que Peter Drucker crucialmente disse: “O conhecimento e a informação são os recursos estratégicos para o desenvolvimento de qualquer país. Os portadores desses recursos são as pessoas.”

Isto posto, separei 9 atributos de um comandante que sabe reconhecer o valor de seus soldados, de sorte que saibamos captar a essência de servir e ser servido pelos outros, veja:

1 – Têm uma comunicação inteligente: um bom líder deve saber se comportar diante dos outros. Por isso, sempre costumo dizer que se uma pessoa é impaciente ou possui dificuldades para equilibrar-se emocionalmente ela simplesmente não pode liderar. Em outras palavras, é fundamental que essa criatura tenha um autocontrole sólido para responsabilizar as pessoas sem ofendê-las, ridicularizá-las e desmotiva-las.

Ora, se o ofício mor de um mentor é fazer seus seguidores renderem o máximo de suas forças, o primeiro passo a ser desenvolvido é a confiança entre tais entidades (e não o contrário). Em uma organização onde a disciplina é rígida e muito centralizadora, a tendência é que os funcionários tenham repulsa pelos seus comandantes, realizando suas obras com puro desdém, indolência e ineficácia.

Sendo assim, saiba ser paciente e sábio para expor as adversidades de maneira clara e levar o time a concretizar os objetivos com grande disposição, deleitamento e alegria. E não se esqueça: numerosas atitudes dos seus colaboradores são reflexos exatos dos feedbacks que eles receberam, de modo que alimentar essas mentes de forma sadia e virtuosa é a única e melhor maneira de colher frutos saborosos e piamente transformadores.

2 – Possui pensamentos leves e assertivos: todas as nossas ações são geradas por produções da nossa mente, ou seja, o que define se uma pessoa será bem humorada ou carrancuda, paciente ou impaciente, temperada ou desequilibrada é tão somente sua nobre consciência, de modo que essa esfera intelectual é a sede de todas as produções executadas pela natureza humana e interfere drasticamente em todas as interações sociais do homem. Assim, procuro dizer aos meus amigos mais próximos que um profissional esplêndido é aquele que melhor domina suas múltiplas reflexões, procurando ostentar ideias positivas e maduras no decorrer de suas atividades cotidianas.

Por conseguinte, crie hábitos mentais eficientes que lhe permitam ter meditações e juízos sensatos, fazendo sua psique herdar apenas atmosferas serenas e tipicamente otimistas.

3 –Somente faz promessas que pode cumprir: um profissional honrado e digno nunca firma compromissos de fachada, porquanto sabe que depende de sua imagem e conceito para convencer e influenciar os outros. Infelizmente, vemos que muitos chefes amadores quebram suas alianças e atiram seus compromissos na lata de lixo sem nenhum pundonor ou decoro, mas essa decisão torpe e apequenada dura muito pouco, dado que as pessoas refletem rapidamente aquilo que receberam e essas negativações tendem a voltar ao seu estado de origem (efeito bumerangue) para possuírem o seu reles criador, como um fétido demônio que se instala em um recipiente sujo até sugar todas as suas energias e fluxos ominosos.

À vista disso, corresponda às expectativas alheias: dê as pessoas tudo aquilo que foi estipulado para que as mesmas se sintam prestigiadas e reconhecidas pela sua organização. E não se preocupe se algumas não derem o devido valor, já que o que importa é tão somente fazer a coisa certa (idoneidade).

4 –É exemplo de conduta para todos: um líder verdadeiramente grande pratica tudo o que prega, executando atitudes intimamente alinhadas as suas propagações cotidianas para que todos percebam sua seriedade e coesão. Além disso, ele sabe inspirar as pessoas através dessas ações, fazendo com que elas se sintam interessadas, motivadas e entusiasmadas a realizarem os objetivos e as metas elencadas por ele.

Certamente, é necessário que o líder saiba fomentar um elo forte com os seus subordinados para que o trabalho em equipe seja mais do que meras palavras, concebendo um espírito conjunto que faça as pessoas superarem (drasticamente) as suas maiores expectativas. Sem dúvida alguma, para gerar essa extraordinária qualidade, é fundamental que o mentor saiba ter empatia pelas criaturas e zelo pela diversidade rara de cada um, elaborando formas diferenciadas e singulares para cada agente em questão.

Desta forma, transforme-se concretamente naquilo que os seus lábios constroem para que os seres a sua volta vejam e compreendam que a sua fé é inabalavelmente destruidora e irá impactá-los definitivamente.  E não se esqueça das palavras sábias do grande mestre Confúcio: “Não são as ervas más que afogam a boa semente, e sim a negligência do lavrador.”

5 – Aprendeu a conquistar as pessoas através do seu caráter: dentro de uma grande organização existem inúmeros poderes e eles são constituídos de patentes que são determinadas pelas escalas hierárquicas, ou seja, quanto maior o cargo, mais uma pessoa pode exercer autoridade e predomínio sobre as outras. A grande questão é: se essas pessoas não ostentassem essas elevadas posições, elas seriam ouvidas e respeitadas da mesma maneira? Ou melhor, elas teriam suas ideias acatadas e suas metas abraçadas pela equipe? Pois bem, depois de vivenciar numerosas situações e conflitos, posso afirmar categoricamente que a maioria dos gerentes que usam seus cargos para determinarem suas posições perderiam o comando imediatamente se perdessem suas destacadas classes, pois eles detém esse controle porque as pessoas sentem medo de perder aquilo que é importante para elas, ficando acuadas pelas consequentes retaliações e perseguições que sofreriam se optassem por seguir uma estrada contrária.

Então, é interessante merecer a admiração das pessoas, quer dizer, é fundamentalmente impreterível que os liderados estimem o gestor pelo que ele é (fibra) e não pelo que ele possui (poder).

Destarte, edifique seu castelo por meio de uma personalidade caridosa, recheada de uma índole firme e caracterizada com uma grande e indubitável natureza proba para que o time goste verdadeiramente de você, sem precisar de fingimentos, heresias e cenários demagógicos.

6 – Apoia a trupe em momentos turbulentos: as pessoas precisam de apoio nas horas ruins, onde normalmente estão frágeis, revoltadas e angustiadas. O grande problema é que os gestores dificilmente aceitam abrir mão de algo, pois são egocêntricos, materialistas, soberbos e somente usam as pessoas para enriquecerem e alcançarem prosperidade. Em outros termos, eles tratam as criaturas humanas como meras peças de reposição e quando essas engrenagens apresentam qualquer defeito são rapidamente substituídas por “itens novos”, como meras máquinas e seus inexoráveis almoxarifados paralelos.

Oh raios, liderança é uma via de mão dupla onde ambas as partes se doam em prol de um singular plano. Contudo, se um dos envolvidos rompe esse imaculado laço ele quebra toda a magia da magnificente relação, fazendo a desconfiança e o temor serem os principais ingredientes dessa venenosa sopa mortal.

Portanto, saiba dar apoio sob furacões e tempestades para que o grupo compreenda que possui um líder comprometido com a causa mor da organização, autorizando as pessoas serem tratadas com dignidade e proeminência mesmo em momentos adversos e piamente intempestivos.

7 – Constrói resultados por meio de relacionamentos saudáveis: a grande sacada de um bom gestor é fazer com que a busca pelos alvos organizacionais sejam constituídos por intermédio de relações harmoniosas e gratificantes. Não duvide: sem uma convivência inteligente, é absolutamente impossível arquitetar planos e resultados maximizados, dado que as pessoas prezam por um bom convívio com seus gestores e parceiros de trabalho.

Seguramente, a capacidade técnica e tática do líder é fundamental para a consecução das tarefas empresariais, mas não possuem valor algum se não forem acompanhadas de um clima corporativo democrático e demasiadamente agradável. Pense comigo: você conhece alguma instituição, agremiação ou clube de sucesso que existe e se sustente através de relações distantes e individualistas? Decerto que não, porquanto o que mantém essas plataformas em estado de júbilo é exatamente a união das pessoas em torno delas (abnegação).

Deste modo, saiba compreender e absorver as carências alheias: realizando atitudes servidoras para que os resultados andem junto com as comunicações, transformando os diálogos internos em lindos campos unificados, sinérgicos e intimamente conectados.

8 – Desafia regularmente o grupo: fazer as pessoas se sentirem importantes. Essa é uma das principais regras de uma liderança bem sucedida, visto que qualquer profissional deseja ver seus trabalhos sendo usados e reconhecidos pelos mentores em curso.

Receber elogios por tarefas bem executadas, ser elevado a posições mais expressivas de acordo com o egrégio pilar da meritocracia e ter autonomia para expor pensamentos e reflexões são fatores imprescindíveis para os cooperadores amarem a instituição e consequentemente renderem o melhor de suas forças.

Dessarte, seja um genuíno provocador: incite seus pupilos a vencerem seus pontos fracos e à otimizarem seus pontos fortes na busca desenfreada e perpétua pela excelência.

9 – Ouve com os ouvidos e escuta com o coração: muitos líderes não atingem seus desígnios simplesmente por não ostentarem uma escuta apurada, isto é, por não compreenderem os sentimentos de outrem. Em uma empresa (peculiarmente a longo prazo) isso é totalmente fatal, uma vez que as pessoas precisam de atenção, incentivo e companheirismo para equacionarem suas emoções e solidificarem seus temperamentos.

Lamentavelmente, a empatia é uma faculdade que demora para ser gerada, porém, aqueles que a detém conseguem entender melhor as múltiplas personalidades que permeiam o seu núcleo. Olhe a sua volta: você deve conhecer alguém com essas características e deve perceber o quanto esse individuo se destaca dos demais por saber como criar uma sintonia ímpar com os seus pares. Logo, aprenda com esse mago e trabalhe suas habilidades de escuta para dar as pessoas a oportunidade delas terem suas ideias incorporadas verdadeiramente, fazendo tudo convergir para a valorização do capital intelectual de cada um e de suas lúdicas e divergentes explanações.

Estar à frente de um grande grupo de pessoas dá status, reconhecimento e fama, contudo o trabalho é extremamente complexo e laborioso. Com a economia oscilante e variável do mundo, a tarefa de comandar obriga os gestores a otimizarem suas qualidades constantemente na infinita busca por soluções imediatas e eficientes.

Como nos ensinou magistralmente Peter Drucker, a criatividade é o pilar áureo a ser percorrido e mantido para concretizarmos as metas organizacionais com destreza e glória. Por isso, seja sempre prudente, inovador e valente para materializar esses planos com excelência e pura competência.


Fonte: Artigos Administradores / 9 características de um líder tipicamente servidor

Os comentários estão fechados.