A contradição do empresário

A contradição do empresário

Se a crise está colocando à prova profissionais extremamente bem preparados, imagina o que o pessoal do arco e flecha não está passando!

No consultório do meu dentista tinha uma frase de marketing sensacional, daquelas difíceis de superar: “cuide somente dos dentes que você quer preservar”.

 Nunca consegui, apesar de ter feito o exercício dezenas de vezes com sócios e funcionários, criar uma frase tão interessante para mostrar ao empresário a importância do treinamento para a preservação do negócio dele.

 “Se você acredita que treinar é importante para a sua empresa crescer, a melhor oportunidade é essa”. Essa é uma que me lembro de cabeça, mas anos luz da frase do dentista e bem fraquinha olhando retrospectivamente.

 Continuo sem achar a frase perfeita para tentar “enfiar” na cabeça do empresário que é impossível competir sem estar preparado. Treinar, aprender, acompanhar as mudanças do seu tempo, são a única maneira de preservar a empresa. Ainda mais se levarmos em conta que o que aprendemos há quatro ou cinco anos atrás vale muito pouco nos dias de hoje.

 Não é à toa que o Sebrae constatou que 72% das pequenas empresas quebram por inexperiência dos seus sócios, e que apenas 17,64% dos empreendedores têm formação na área de negócios.

 Ou seja, o sujeito é amador e quer disputar contra profissionais. Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar são muito experientes, muito mais talentosos do que a quase totalidade dos empresários, e treinam todos os dias.

 Parece que empreendedores, gestores e colaboradores acreditam que o talento para tocar a empresa é inato, um dom que nasce com a pessoa. Um grande engano que a ignorância (no sentido literal de ignorar) não deixa enxergar além.

 A imagem que sempre me vem à cabeça é que muitos empresários estão na guerra de arco e flecha, mas não se veem assim.

 Warren Buffett tem uma frase que retrata bem a falta de preparo na gestão de uma empresa: “é quando a maré baixa que vemos quem estava nadando nú”.

 Se a crise está colocando à prova profissionais extremamente bem preparados, imagina o que o pessoal do arco e flecha não está passando!

 Sem preparo fica difícil gerar combinações relevantes de estratégia, modelos de estrutura, alternativas de canais de vendas, posicionamento da marca, análise dos nichos disponíveis ou gestão de custos, por exemplo, que façam sentido. O que sai dessas combinações tem que fazer mais sentido do que as combinações dos concorrentes.

 Por isso que a competição é menos entre empresas e mais entre gestores. Os melhores levam as suas empresas para frente. Os piores quebram. A escolha do time em que vai jogar depende de cada um. Jogar no time que tem mais chances exige o esforço de se preparar dos grandes atletas ou dos grandes aventureiros, como Amir Klink ou Amundsen, dois sujeitos que levaram ao extremo a preparação para o desafio.

Uma contradição quando pensamos no nível de preparo de grande parte das pessoas. Leem pouco, estudam menos ainda, fazem quase ou nenhum curso, assistem palestras muito raramente, e querem ser empresários.

Não vai funcionar.

De qualquer forma, antes tarde do que nunca. Prepare-se mais e boa sorte.

 Quem tiver ideia da frase perfeita do início do texto, mande. Ainda estou à procura dela.


Fonte: Artigos Administradores / A contradição do empresário

Os comentários estão fechados.