A coragem de ser imperfeito

A coragem de ser imperfeito

A aceitação do que somos contribui para o desenvolvimento da comunicação e nos afasta do perfeccionismo exagerado.

Buscar aprimoramento é ótimo. O que passa do ponto é o comportamento do perfeccionismo exagerado. Um certo incômodo de ser imperfeito. É, todos nós somos imperfeitos, isso é uma característica do ser humano. É importante que saibamos que não existe a perfeição e é valioso demais quando temos a coragem de sermos imperfeitos. Esse aliás é o título do livro, de Brenné Brown, uma pesquisadora do tema vergonha. E você: do que você sente vergonha?

A maioria de nós tem medo ou vergonha de não ser bom o suficiente, de não ser competente o suficiente, de não ser bonito, magro, inteligente ou admirável o suficiente. A defesa que instalamos ao redor de nós para que ninguém perceba que não somos o que acham que somos nos arma tanto que não nos permite evoluir o quanto poderíamos. E passamos a nos afastar das oportunidades de visibilidade por medo de nos apresentarmos como realmente somos. É uma eterna fuga.

Segundo a autora do livro, e eu compartilho demais dessa ideia, a medida em que reconhecemos o nosso real valor, somos gratos por sermos como somos e nos aceitamos, aí sim estamos preparados para enfrentar o medo da visibilidade, estamos prontos para assumir os riscos e aproveitar os benefícios de posições em que somos vistos porque merecemos ser vistos e admirados.

A desinibição de um comunicador não passa pelo aprendizado de técnicas de apresentação e sim pelo investimento que ele faz em se conhecer, reconhecer seus pontos frágeis e principalmente os pontos positivos. Saber que merece o que tem, e que é responsável pelas situações que vive. Abandonar a posição de vítima é o primeiro passo para se desenvolver enquanto comunicador. No mínimo você se torna mais tolerante, consegue perceber mais as pessoas, entende o seu espaço e o do outro e pode se desafiar. Enquanto achamos que somos vítimas das situações e das pessoas, não saímos do lugar. É a zona de conforto tão desconfortável que não nos deixa avançar, crescer, amadurecer.

É interessante refletir sobre o quanto somos responsáveis pela nossa comunicação. Mesmo que o outro seja agressivo, arrogante, desmedido, eu sou eu e posso escolher se entro na vibração dele ou se opto por ser melhor do que fui ontem.

Enquanto estivermos aqui, a vida nos dará sempre novas oportunidades de sermos melhores, menos perfeccionistas ao extremo, com o poder maior de aceitar o que somos e como somos – sem, no entanto deixar de nos desenvolver – para podermos oferecer o melhor de nós para os outros.

Seja a melhor versão de você. Todo dia…..

 


Fonte: Artigos Administradores / A coragem de ser imperfeito

Os comentários estão fechados.