"A corrupção não se restringe somente ao poder público", diz Sergio Moro

“A corrupção não se restringe somente ao poder público”, diz Sergio Moro

Responsável pela Operação Lava Jato, o magistrado é um estudioso da Operação Mãos Limpas, uma das maiores investigações ocorridas na Itália na década de 90

Considerado um dos maiores especialistas em crimes financeiros, o juiz federal Sergio Moro falou a uma plateia de 586 empresários, autoridades e líderes participantes do Almoço-Debate promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais. O evento aconteceu nesta quinta-feira (24), no Hotel Grand Hyatt, na capital paulista.

“A corrupção é um problema muito sério e não se restringe somente ao Poder Público (…). Nesse caso que estou atuando há diversos indícios de que a corrupção chegou a um nível sistêmico”, afirmou Moro. O juiz citou algumas ações julgadas de pagamentos de propina a agentes públicos. Uma das explicações recorrentes dos julgados era que “essas eram as regras do jogo”. “Nesses casos, não houve extorsão, e sim prática natural de pagamento de propina – o que é realmente assustador”, disse.

Responsável pela Operação Lava Jato, o magistrado é um estudioso da Operação Mãos Limpas, uma das maiores investigações ocorridas na Itália na década de 90. Moro salientou que, dos 4.520 investigados, foram feitas 800 prisões e cerca de 40% dos crimes da Operação Mãos Limpas acabaram sem julgamento – o que o juiz não espera com relação à Lava Jato. “Vejo a Lava Jato não como uma mudança, mas como uma oportunidade. Não acredito que o País vá mudar se não houver transformações no âmbito da iniciativa privada e dos setores públicos, inclusive no sistema criminal. A iniciativa privada deve dizer não à propina e denunciar”.

O juiz ressaltou que, há alguns anos, foro privilegiado era sinônimo de impunidade. “Hoje não é mais. Porém, gera uma série de problemas processuais e dificuldades. Às vezes se perde uma oportunidade de aprofundar as investigações. Esses privilégios legais não são muito consistentes e eu, particularmente, sou contra”, disse Moro.

Durante o debate, o juiz também afirmou que não desamina perante esses desafios. Comparado ao ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa, que teria antecipado a aposentadoria devido a pressões, Moro diz estar preparado para suportar intimidações semelhantes: “A despeito de todas as pressões, sigo em frente”.


Fonte: Notícias Administradores / “A corrupção não se restringe somente ao poder público”, diz Sergio Moro

Os comentários estão fechados.