A cultura realmente impacta nos resultados de uma organização?

A cultura realmente impacta nos resultados de uma organização?

Artigo discute até que ponto a cultura organizacional impacta no desempenho de uma empresa, em comparação com os comportamentos e ações

Muito se fala sobre a importância da cultura que predomina em uma organização. Há estudos, teses e conteúdos com opiniões diversas nas mídias impressas e digitais e em diferentes formatos. Dentro do possível, tenho procurado ler sobre isso, independentemente de o autor ser um especialista renomado globalmente ou “by Brasil”. Confesso que quanto mais leio e busco estudar o tema, mais dúvidas vão surgindo. A mais predominante é que “cultura é uma variável interna”.

Eu tenho como princípio gostar das coisas simples e diretas. Talvez eu seja demasiadamente objetivo nas minhas colocações, mas gosto do simples. Em qualquer nível que esteja, tenho a convicção que as pessoas gostam do mais simples. Afinal, desse modo é mais fácil ser compreendido e atingir o maior número de pessoas. Como diz o mestre Mário Sérgio Cortella: “Conhecimento foi feito para encantar as pessoas e não para humilhá-las”. Enfim, meu raciocínio é lógico e em formato PDCA (sigla em inglês para PLAN – DO –CHECK – ACT, método interativo de gestão de quatro passos, utilizado para o controle e melhoria contínua de processos e produtos).

O mundo em que vivemos é muito competitivo e todos querem de uma forma ou outra estar à frente de seus concorrentes, disputa que tira um pouco do clima harmonioso das organizações e também o sono de muitos executivos. Falando em clima, eis aí um tema relacionado à cultura organizacional.

Da década de 80 até os dias atuais, os estudos organizacionais desenvolveram-se sendo a CULTURA vista como produto e processo continuamente gerado por pessoas em processos de interação.

Com abrangência profissional, os estudos que surgiram na mesma época nos Estados Unidos direcionavam o entendimento da CULTURA ligado ao desempenho das organizações, ou seja, desempenho das organizações sob uma visão CULTURAL direcionada. Uma vez gerenciando a CULTURA, isso traria resultados excepcionais para o negócio.

Particularmente, minha reflexão sobre cultura organizacional se dá na relação entre as pessoas. Entendo que cultura é criação de significados e geração de sentidos na interação. Dessa forma, os comportamentos fazem sentido para as ações e possibilitam a negociação e a criação de significados. Complexo? Também concordo, assim como creio que em virtude da complexidade, o mercado de “soluções mágicas” e de gurus compactuados com a atmosfera lunar tenta nos convencer que uma CULTURA alinhada com a estratégia e o desejo dos principais executivos seja predominante, gerando resultados surpreendentes. Eureca! Vamos sair do buraco, superar nossos concorrentes e aumentar nosso market share! Cuidado… para entender a CULTURA é preciso observar o contexto, implícito e emergente na sua organização.

A cultura se constrói no dia a dia, por meio dos diferentes grupos. Observe a diversidade, não existe uma única CULTURA, mas diferentes culturas que convivem e se respeitam, e fazem sentido para o determinado grupo de pessoas. A CULTURA reflete a essência das pessoas, podendo ser interpretada pelos seus comportamentos nos processos, sistemas, normas, procedimentos e políticas. Daí a importância das organizações terem tudo isso claramente definido e comunicado em uma linguagem que seja compreendida por todos. Entendo que a CULTURA em uma organização é um fenômeno interativo, a partir do momento em que os grupos observam e interagem com o mundo e as pessoas ao seu redor. Dessa forma, as pessoas podem simbolizar e atribuir significados a eventos e objetos.

Passemos para o lado prático do contexto cultural das organizações. Atualmente, em virtude da crise econômica e da insegurança geral que toma conta do nosso País, nunca se falou tanto na importância das pessoas para as organizações e nunca na história desse País se destacou tanto a ausência das pessoas comprometidas e engajadas – novo modismo: Employer Branding.

Em minhas andanças, o que mais tenho percebido nas organizações é uma CULTURA fragmentada, ou seja, ambiguidade organizacional, mudanças constantes, relações complexas que recaem nas relações de interesse e consensos transitórios, entendimento e a prática de cada uma destas perspectivas não dá voz para as pessoas, gerando existência de um nível de frustração que acaba impactando o clima organizacional.

Já que temos uma prática, qual seria uma provável solução? Tenha em mente que nós próprios damos sentido ao ambiente em que vivemos e para cada sentido atribuímos um significado para as experiências. A renovação é um processo de conscientização para a necessidade de mudar, ou seja, aquela atitude não faz mais sentido na organização, não tem mais significado, não mobiliza as pessoas para um novo estágio de vida e, a partir daí, há a consciência natural para a necessidade de mudar.

O tema é longo e realmente complexo. Minha contribuição aqui é apenas fomentar uma reflexão e fazer uma provocação se é a CULTURA que faz com que os resultados de uma organização sejam satisfatórios. Gostaria muito de saber sua opinião, se preferir me envie um e-mail, ou vamos tomar um café e discutir sobre o tema.  


Fonte: Artigos Administradores / A cultura realmente impacta nos resultados de uma organização?

Os comentários estão fechados.