A importância da holding nas fusões e aquisições

A importância da holding nas fusões e aquisições

A utilização de uma empresa majoritária traz diversos benefícios: é muito mais eficaz abrir o capital de uma empresa controladora no qual os acionistas irão decidir de maneira segmentada as operações de expansão de negócios da empresa

Nessa semana ocorreu uma das aquisições mais importantes do ano no mercado brasileiro, mais especificamente no setor de distribuição de combustíveis. A Ipiranga Produtos de Petróleo S/A adquiriu outra gigante do mesmo ramo: a AleSat Combustíveis S/A, detentora da rede Ale de distribuição.

Importante salientar que, fora os significativos recursos que foram aportados na aquisição, a eficiência da operação se dá também pela estruturação societária da compradora que favorece a injeção de capital e aquisição das concorrentes no mercado. A própria Ipiranga é subsidiária de uma sociedade de participações, o Grupo Ultrapar.

A Ultrapar é uma holding cujo capital está aberto na bolsa de valores, e, por isso, além de deter diversas empresas operacionais (como a Ipiranga e, agora, a Ale) recebeu financiamento por meio de investidores que compraram participação no seu capital. E com toda certeza esse investimento recebido é importantíssimo para todas as operações realizadas pelo grupo desde a sua abertura, incluindo a aquisição dessa semana.

A utilização de uma empresa majoritária, nesse caso, traz diversos benefícios: é muito mais eficaz abrir o capital de uma empresa controladora no qual os acionistas irão decidir de maneira segmentada as operações de expansão de negócios da empresa, a que, por exemplo, o Grupo Ultrapar abrir o capital das empresas operacionais, como a Ipiranga, no qual ocorre a operação de fato no setor de atuação da atividade econômica. Dessa forma, as empresas operacionais ficam preservadas no seu objeto, enquanto a holding é o ambiente que se discute e se materializa as questões e decisões de posicionamento e crescimento.

Além disso, é visível a facilidade e flexibilidade fornecida pela ferramenta mencionada, para que, a partir de uma holding, se controle suas subsidiárias e, desse modo, concentrar e centralizar no bojo de uma única sociedade as decisões  e orientações em relação às empresas controladas.


Fonte: Artigos Administradores / A importância da holding nas fusões e aquisições

Os comentários estão fechados.