A inclusão começa em cada um de nós

A inclusão começa em cada um de nós

Não adianta criar lei que obriga as empresas a fazerem algo que não tem conhecimento, o correto seria tanto conscientizar como também capacitá-las

No dia 24 de julho de 1991 entrou em vigor nacionalmente a Lei 8.213 que é bastante conhecida como Lei de Cotas. Essa lei obriga as empresas ter no seu quadro de colaboradores 2% pessoas com deficiência quando o número for de 100 empregados, 3% de 201 a 500, 4% de 501 a 1000 e a partir daí 5%. Se essa lei não for comprida a empresa será multada em R$ 1.105,00 para cada funcionário não contratado.  

As empresas estão sendo obrigadas a admitir os deficientes e isso por um lado é ruim, por que a inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças e começa em cada um de nós.

Analisando o mercado de uma forma geral muitas não estão aptas nem para fazer uma sucinta entrevista e muito menos recebê-los. Um dos fatores que mais prejudica no caso dos deficientes auditivos é a falta de conhecimento da Libras na gestão da empresa. Isso gera uma grande barreira na comunicação entre ouvintes e surdos, é um problema muito comum hoje em dia. Porém, muito ruim. As pessoas são o ativo da empresa e uma boa comunicação em qualquer ramo de atividade empresarial ou na vida pessoal é fundamental para ter um bom relacionamento.

Não adianta criar lei que obriga as empresas a fazerem algo que não tem conhecimento, o correto seria conscientizar como também capacitá-las. Portanto a melhor solução para resolver esse simples problema seria apresentar um curso básico de Libras para os colaboradores que realmente tivesse interesse em aprender, posteriormente um intermediário e avançado.

Isso iria melhorar os resultados, costumo sempre dizer que quando a pessoa conhece a Libras ela conhece um novo mundo sem sair do seu próprio mundo, esteja sempre aberto para conhecer novos horizontes e expandir sua mente, aprenda e garanto que não vai se arrepender.


Fonte: Artigos Administradores / A inclusão começa em cada um de nós

Os comentários estão fechados.