A justiça não é para todos

A justiça não é para todos

A burocracia e o formalismo nem sempre fazem a justiça ser para todos

O Juizado Especial Cível foi criado para julgar causas de baixa complexidade e que não ultrapassem 40 salários mínimos. Se o valor for inferior a 20 salários mínimos não é obrigatório a presença de um advogado.

A abertura de casos é relativamente simples, mediante preenchimento de um formulário e apresentação de documentos. É possível acompanhar o processo pelo site, visualizando todos os passos, porém, são utilizados termos específicos do mundo jurídico, que dificultam, se não impedem, a compreensão de muitas pessoas.

Não estou sugerindo a mudança dos ritos e da tradição do direito, mas há diversas maneiras de se dizer a mesma coisa, e se a justiça é para todos, uma questão de redação está afastando-a de todos.

A burocracia e o desnecessário formalismo afastam o cidadão da justiça pois poucos conseguem proceder sozinhos com um caso, sem auxílio de um terceiro (advogado). Justiça mesmo seria se todos tivessem acesso, de maneira clara, as informações e pudesse apresentar seus próprios argumentos de acusação e defesa.

Concluo que a justiça não é para todos, uma vez que é preciso haver um representante, que será mais ou menos capaz, mais ou menos qualificado, de acordo com o que cada um pode pagar.


Fonte: Artigos Administradores / A justiça não é para todos

Os comentários estão fechados.