A marca pessoal do empreendedor

A marca pessoal do empreendedor

A concorrência aumentou e é preciso mais do que estratégia de diferenciação nos negócios

O número de empreendedores está crescendo intensamente, os momentos de mudanças na economia e de estabilidade no mercado, são agentes impulsionadores para muitas pessoas recorrem ao empreendedorismo para garantir sua renda. Mas, como garantir um destaque em meio aos tão diversos concorrentes?

Um empreendedor sempre está preocupado em destacar a marca da sua empresa, mas muitas vezes não leva em consideração que há um aspecto muito importante que também precisa ser trabalhado. A sua própria marca!

Em 2015, 34 em cada 100 brasileiros adultos (maiores de 18 e com menos de 64 anos) caracterizavam-se empreendedores, já possuindo uma atividade empresária registrada ou em status de desenvolvimento de um negócio próprio (fonte: Global Entrepreneurship Monitor). Neste contexto de concorrência e baixas barreiras de mercado para novos entrantes, o que fazer para deter a diferenciação dos concorrentes e aumentar o seu marketshare?

 A MINHA PRÓPRIA MARCA PESSOAL PODE DESTACAR A MINHA EMPRESA?

Com certeza! Um empreendedor com uma marca pessoal forte faz toda diferença para o destaque da sua empresa e negócios. Um nome bem colocado no mercado, transmite confiabilidade, confiança e torna-se uma referência, um benchmark.  Ouvir falar sobre empreendedores sempre nos remete aos casos de sucesso.

SILVIO SANTOS: UMA MARCA DE COMUNICAÇÃO TELEVISA.

Senor Abravanel, conhecido como Silvio Santos é um destaque do empreendedorismo. Dono do grupo Silvio Santos, este ícone possui uma marca pessoal de suma relevância, quando se trata do mercado de comunicação, marca esta trabalhada em paralelo à sua empresa referência, o SBT. Quem não conhece o nome Silvio Santos e não associa diretamente ao ramo televisivo? Um empreendedor que possui uma marca pessoal tão relevante quanto a marca dos seus negócios. Fiel ao seu posicionamento, para quem conhece sua jornada, sabe que ele fundou o SBT porque o “concorrente não o quis contratar” para seu ofício que é o de ser ‘animador de plateia’, então fundou sua própria empresa onde pode exercer sua missão e sempre fiel ao seu propósito, tendo clareza quanto ao seu público-alvo e seu discurso, conquistou seu espaço e construiu seu legado.

LUIZA HELENA TRAJANO: UMA EMPREENDEDORA NATA.

Reconhecida como uma das mais influentes empreendedoras do momento, Luiza é sempre ligada a uma marca de uma empreendedora audaciosa, inovadora e com visão de mercado. Essas características refletem em seus empreendimentos, trazendo a Magazine Luiza como uma marca competitiva no varejo e que entrou no mercado para competir com marcas poderosas. Mas ela, a Luíza é além do ícone da marca corporativa, ela é a líder que inspira, que empresa reputação e credibilidade pessoal ao seu negócio. Difícil falar do magazine Luiza sem falar da Luiza Trajano. E quanto a você, como seus colaboradores falam de você em sua empresa e [principalmente fora dela]?

 JORGE GERDAU JOHANNPETER: A MARCA DE UM LÍDER.

Apontado como um Líder de Destaque pela Pesquisa MERCO (Monitor Empresarial de Reputação Corporativa), Gerdau possui uma marca pessoal tão sólida quanto os empreendimentos que levam seu nome. Refletindo no mercado uma marca pessoal de um líder que vai além das expectativas e um empreendedor arrojado nos negócios.

Em síntese, o que eles têm de semelhante? Marcas pessoais poderosas, que os tornam referência nos segmentos de mercado onde atuam, os colocando como símbolos de mercado, e de sucesso.

“Uma marca pessoal forte abre portas para parcerias, expande network, e atrai a atenção dos clientes, investidores e colaboradores – pessoas querendo trabalhar com você são indicadores de sucesso, são aspectos vitais para o crescimento de uma organização, pois transmitem a confiabilidade para os players em fechar negócios com um empreendedor reconhecido no que faz”.

EU POSSO SER UM EMPREENDEDOR DETENTOR DE UMA MARCA PESSOAL SÓLIDA?

Não só pode, como deve! É de suma relevância para um empreendedor que busca destacar-se no mercado saber fazer um bom gerenciamento da sua marca pessoal é aí que entra o PERSONAL BRANIDNG, prática ainda tão nova no Brasil. Além de ser bem visto no mercado, o empreendedor que investe em desenvolver sua marca pessoal, está realizando um investimento que agrega valor em um bem que não deprecia – a sua própria imagem

QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DA MINHA MARCA PESSOAL SER BEM GERENCIADA?

Inúmeros, para você e principalmente para sua empresa. Com uma marca pessoal bem posicionada, e então, saber usar estrategicamente ações de marketing pessoal você será um nome presente no mercado, o que levará a sua empresa para um patamar acima. Empreendedores com um alto grau de relações dentro do seu ramo trazem oportunidades de desenvolvimento para suas organizações. O mercado é feito de relações entre pessoas e empresas, e estas relações são intermediadas pelos aspectos que são transmitidos pelas partes, o que gera os mutuais interesses em construir parcerias de negócios.  

A pluralidade de concorrentes é uma realidade nos mercados dos mais diversos ramos, mas o destaque dos empreendimentos, principalmente nos emergentes, pode ser maximizado com o bom desenvolvimento da face inicial da empresa: A do empreendedor. Então, invista em sua marca, e evolua a sua empresa diretamente, tornando-se um verdadeiro empreendedor do seu melhor negócio, você!

É fato que você pode diversificar seus investimentos, não é mesmo? Pode ter empresas e negócios em diferentes segmentos e como posicionar-se no meio de dois ou três segmentos de mercado distintos sendo influenciador, trabalhando sua reputação e obtendo o melhor de cada um destes mercados? A resposta é através do Personal Branding.

 E COMO EU FAÇO A GESTÃO DA MINHA MARCA PESSOAL?

Pedro era um empreendedor que herdou a empresa de seu pai e fez o negócio crescer, de 4 funcionários, hoje possui mais de 200 e fez tudo isso antes desta era chamada “digital”. Porém hoje Pedro percebe que os desafios são outros, muitos jovens da Geração Y e até da Z passaram a ingressar em sua empresa, que teve que se modernizar e adequar suas práticas para se manter competitiva no mercado.

Antes o “pedido” era feito pelos “vendedores” e muitos orçamentos enviados por fax. Hoje Pedro tem uma equipe de Atendimento e Relacionamento com Cliente e uma área de CRM – Customer Relationship Management para cuidar de todo o ciclo de vida do cliente. Mas e quanto a Pedro? Bem, ele teve que aprender a falar com a imprensa, a ter um perfil no Linkedin (pois os concorrentes de Pedro estavam lá, os futuros colaboradores de Pedro também), Pedro percebeu que não bastava cuidar da reputação dos negócios ele precisava gerenciar a sua própria reputação, pois certa vez, Pedro deslizou em algo em sua vida pessoal que foi parar em seu ambiente corporativo e dela funcionários compartilharam com clientes e pelo ‘buzz’ gerado, a imagem de Pedro ficou comprometida.

Bem, este foi apenas um caso dentro outros que Pedro possui em sua jornada de vitórias e desafios no empreendedorismo no Brasil e que lhe abriu a visão sobre sua marca pessoal, fazendo-o perceber que todo ponto de contato com ele tratava-se de uma experiência e que era rebatida para seus negócios, então a partir deste entendimento, Pedro procurou pelo Personal Branding, para conhecer um pouco mais e saber como organizar suas estratégias para que possa atender seus objetivos na vida, carreira e negócios e Pedro se deparou com este artigo.

Posicionar a sua própria marca pessoal requer alguns aspectos que você precisa considerar, para que este perfil desejado esteja alinhado com a sua real intenção. Para isso, separamos 10 questões que você deve considerar na hora de desenvolver e gerenciar essa marca chamada você!

  1. Quem é você em seu ramo, e como quer ser visto e o que torna você único?

 Pelo que você é conhecido em seu mercado de atuação? O que seus stakeholders dizem sobre você? E como você gostaria de ser visto? É importante tem bem desenhado o perfil que você quer, qual marca você quer transparecer e quais aspectos você pretende estar relacionado. O alinhamento entre identidade, Imagem e reputação, seus pontos de paridade e de diferenciação e não para por aí.                                                      

  1. Qual é o seu principal propósito, sua motivação empreendedora?

Em que você é bom? Qual é o seu corebusiness pessoal? Já mapeou sua missão pessoal e visão? 

  1. Qual é a sua principal meta?

 Não basta apenas a sua organização deter seus objetivos e metas. Você precisa ter a(s) sua(s), e saber quem quer ser, e onde quer estar e em quanto tempo pretende chegar lá. 

  1. Quais são os valores que você está atrelado?

Quais os princípios são de suma relevância para você, e que refletem na sua organização? Quais os valores que guiam suas atitudes/comportamentos e que refletem em quem você é e na imagem que formam a seu respeito. 

  1. Qual legado você pretende deixar?

O que você pretende imortalizar? O que você quer fazer para ser lembrado? Para quem? Porque isso é importante para você? Muitos se concentram no COMO, mas é no PORQUE que encontramos muitas respostas. 

  1. benchmarks pessoais?

Todos nós temos os nossos heróis: Quem são seus exemplos? Tanto de sucesso quanto de fracasso, quem inspira você ou mesmo, quem muito te ensinou a como “não fazer”?

 7. Qual é o seu know-How? Quais são suas habilidades, conhecimentos e ideias que podem lhe destacar? Tanto no aspecto comportamental quanto técnico, já as mapeou?

 8. Qual é seu principal espaço(s) de atuação? Em que mercado deseja se posicionar. Já procurou pelo seu “Oceano Azul”?

 9. Personal Branding – Primeiro: ter uma marca pessoal forte (ser antes de aparecer), depois: saber como usar estrategicamente o marketing pessoal (nem de mais, nem de menos), e por fim, tudo isso só dará resultado se houver gestão. Tente não fazer a gestão da sua empresa para ver o que acontece, agora pense em sua marca pessoal – isso mesmo, é a mesma coisa!

_____________

Bem, Pedro, este texto foi desenvolvido pensando em seus desafios como empreendedor e para que você possa usar sua expertise de negócio também para posicionar e fortalecer sua marca pessoal, mas se o João, o Thiago e a Beatriz tiverem lendo e forem profissionais liberais ou empresários, saibam que as dicas também valem para vocês: Personal Branding é gestão e sem gestão não há resultados, gerencie seu maior ativo, sua marca pessoal e você verá o quanto poderá aumentar seu valor no mercado.


Fonte: Artigos Administradores / A marca pessoal do empreendedor

Os comentários estão fechados.