A psicologia na escola nos dias atuais

A psicologia na escola nos dias atuais

O verdadeiro valor de ser professor no mundo contemporâneo: uma reflexão

Refletindo com Rubem Alves em que diz: a escola não é lugar de silêncio. Desconfie dela quando o professor tiver que gritar com seus alunos e pedir que se faça silêncio. Escola é lugar de se ensinar e aprender, pois é ensinando que se aprende e aprendendo que se ensina.

Começo minha reflexão com um dos autores que admiro muito: Paulo Freire que nos remete a pensar que: o verdadeiro professor é aquele que vai além dos muros da escola, que conhece seus alunos, seu fazer, sua história de vida e que acima de tudo respeita seu conhecimento de mundo e a partir dele, elabora a melhor metodologia para que o processo ensino aprendizagem aconteça no universo escolar. Pois ensinar, é um ato de doação, de amor, respeito á vida, a liberdade e as vontades do universo do educando, pois sem esses sujeitos da educação a escola não existiria. Portanto gestores, coordenadores, educadores e todos os profissionais da educação devem ser um agente transmissor de saberes à essas crianças que vem para o espaço escolar em busca não só de sistematizar seus conhecimentos, mas também transformar esse espaço em um ambiente prazeroso onde esses pequenos aprendizes sintam vontade de fazer parte dele como peça importante que são nesse universo heterogêneo, de saberes diversos, complexos e ao mesmo tempo singular e único.

A escola não é um espaço neutro cercado pelos muros; reafirmo que para se obter sucesso no processo de se ensinar é preciso conhecer o lugar que estamos inseridos, ou seja,a nossa comunidade escolar; nossos vizinhos; até porque a escola tem um papel  social a cumprir e um deles é transformar as crianças de hoje em cidadãos críticos, que sabem se posicionar diante de situações conflituosas ou não;cidadãos de bem que representa a Pátria a que pertence. Assim como não existe escola neutra, também não pode existir educador neutro, fora do processo ensino aprendizagem, pois somos formadores de opiniões e os alunos se espelham em nossas atitudes, julgando-nos a todo momento durante esse processo na arte de ensinar.

Enquanto educadores que somos ou seremos, devemos compreender que a escola é um ambiente não só de sistematizar conhecimentos, mas também um ambiente de humanização do ser que ali está,como por exemplo demonstrar e tratar a todos com  afetividade, amor, carinho, respeito, solidariedade. Não aprendi ainda a ensinar sem dar meus próprios exemplos é o mesmo que costurar sem linha. Só se aprende o que de fato faz sentido para a vida de cada ser já dizia Paulo Freire.

Uma das preocupações da escola é o que ensinar e não como ensinar e se esses conteúdos farão algum sentido na vida dessas crianças, jovens, adultos. Acredito que primeiramente deveríamos fazer um estudo de caso, uma pesquisa, “perder tempo”, escutar as vozes desses sujeitos da educação, ouvi-los para depois fazermos nosso tão exigido planejamento escolar que deverá ser flexível e não engessado; mesmo assim, não atende os anseios desses educandos.

Um dos questionamentos na arte de ensinar é como fazer com que a criança assimile o conhecimento?Como chegar até ela? Qual metodologia utilizar? Como medir essa aprendizagem? Como despertar seu interesse? Nesse momento falo com Rubem Alves quando diz que: Devemos despertar a curiosidade da criança, porque conteúdos estão todos postos na internet, basta dar um clic e se passeia virtualmente para todos os lugares manuseando o mouse;mas devemos sim,fazer com que as crianças sintam curiosidade por determinada temática, que questionem,  e que a partir daí nasça um pesquisador nato. Pra isso, aconselho que sejamos um pouco de tudo: acrobatas, psicólogos, educadores, palhaços, contorcionistas, pesquisadores, aguçadores do saber tudo pela arte maravilhosa de ensinar.

 


Fonte: Artigos Administradores / A psicologia na escola nos dias atuais

Os comentários estão fechados.