A saúde mental é o ponto de equilíbrio para um negócio de sucesso

A saúde mental é o ponto de equilíbrio para um negócio de sucesso

Desde pequeno tive os mesmos sonhos que muitas crianças têm – ser jogador de futebol, músico, médico, e um forte desejo de influenciar a vida das pessoas de forma positiva. Acho que foi isto foi o maior estímulo para cursar direito. Porém, me recordo quando me perguntaram aos dez anos de idade: “o que você quer ser quando crescer? ”. Eu nem fazia ideia, mas minha resposta foi “executivo! ”.

Olá! Apresento a vocês um rapaz natural da cidade de Cruz Alta, interior do Rio Grande do Sul, com 29 anos de idade, formado em direito, atual residente de Passo Fundo, região norte do estado gaúcho e empresário por amor. Quê? Isto mesmo!

Desde pequeno, tive os mesmos sonhos que muitas crianças têm – ser jogador de futebol, músico, médico, e um forte desejo de influenciar a vida das pessoas de forma positiva. Acho que foi isto foi o maior estímulo para cursar direito. Porém, me recordo quando me perguntaram aos dez anos de idade: “o que você quer ser quando crescer? ”. Eu nem fazia ideia, mas minha resposta foi “executivo! ”.

Um moleque de dez anos não sabe o que faz um executivo (muito marmanjo também não), contudo, me admirava ao ver aquelas pessoas na televisão, tomando inúmeras decisões que mudam a vida de outras pessoas, mesmo não sabendo o que eles conversam e decidem. É isto que move meu empreendedorismo: carrego tanto para mim quanto para quem está envolvido de forma direta e indireta no meu trabalho, decisões que mudam a vida das pessoas.

Bom, vamos ao que interessa, né? Estou aqui para dizer o quanto é fácil ter boa saúde mental para se chegar ao sucesso. Brincadeira, esquece, não é nada fácil, mas você pode tornar menos doloroso porque é uma questão de escolha. Logo quando me formei, tentei três vezes a prova da OAB, no último exame prestado faltou só um ponto para ser aprovado. Confesso: errei uma questão que me acompanhou até o último momento antes de iniciar a prova. Quando marquei a opção no cartão de respostas, o impulso me veio e marquei a resposta errada! Coloquei de imediato a mão na testa e disse para mim mesmo, em silêncio: “não passei, errei a questão que sabia e esta será a questão que me faltará para aprovação…” – dito e feito! Frisando: era a última questão da prova, muita coincidência. Intrigante, não?

O que eu fiz? Depois de dias pensando sobre isto, senti que era um sinal da vida dizendo: “você não quer fazer isto, este é o motivo de sua reprovação, fioti”. Mesmo com os olhos entristecidos aceitei, aceitei o que a vida me disse e acatei. Meses mais tarde pedi ajuda financeira ao meu pai com o intuito de ter meu negócio próprio. Ninguém na minha família tinha sido empreendedor até então, imagina o tempo de conversa para convencer a me darem o auxílio necessário, somado à toda aquela aflição familiar pela incerteza do futuro.

Passado este episódio, fundei o Sonkey Sushi, convidei outras pessoas que hoje não estão mais juntas, foi feito o projeto, e deu tudo errado porque no papel é uma situação e na realidade é outra. Não sabia administrar, não entendia nada do setor de alimentação, só sei que ligando os pontos eu sempre curti fazer comida desde pequeno, nunca foi algo que me fascinava, ser formado em gastronomia, mas sempre tive curiosidade.

Acontece que depois de um tempo me vi sozinho no Sonkey, sem saber fazer nada e com uma série de complicações financeiras que tornou minha vida muito conturbada. Tinha a pressão familiar, a pressão feita por mim mesmo, a pressão dos fornecedores e, para completar, a minha visão infantil do mundo – eu não era tão maduro quanto pensava.

Como passei por isto? Não sei dar uma receita, mas posso dizer, tem muito amor envolvido! Naquele momento, a única coisa que eu não poderia pensar era no financeiro, só tinha que pensar em salvar meu sonho! Se liga que agora vem a parte massa, camaradas! Primeira dica, fuja do formalismo e sorria.

Passei meses recebendo ligações, a maioria delas era o seguinte: “tem título atrasado, você não sabe nada, você vai quebrar logo porque não tem experiência, não vou te entregar a mercadoria”. Que loucura, eu ia abrir para o público e não tinha os produtos para vender! Confesso, hoje dou risada da situação, mas era osso, haha.

Qual foi a consequência? Foi apanhando que amadureci, cada tapa na cara eu encarava, cada minuto e cada dia era um 7 a 1 diferente. Notei que, de maneira natural, fui evoluindo em uma transformação mental, consegui passar os maiores obstáculos. Confere aí que vou mandar alguns itens do que mudou em minha vida, tanto pessoal, quanto profissional:

2- Aprendi a não sofrer por antecipação;

3- Descobri que a sinceridade é a maior aliada para o sucesso, e abri toda as minhas contas, situações financeiras para os fornecedores e cansei de pedir para as pessoas não pagarem, mesmo precisando de dinheiro, porque a experiência não tinha sido positiva. Cara, eu me fiava na esperança de que, passado uns dias, estas mesmas pessoas (loucas) voltassem, acreditando que ia ser melhor;

4- Aprendi a agradecer – quando a noite chegava eu agradecia porque sabia que no outro dia ia ser mais osso ainda. Com certeza também já acordava agradecendo;

5- O envolvimento amoroso com meu trabalho fez uma diferença grande, em menos de um mês já tinha aprendido muita coisa. O maior sufoco era fazer sushi, o segundo maior sufoco era atender todos os setores: cliente, financeiro, marketing; o terceiro era saber que tinha a hora certa de tomar decisões. Tenha amor pelo o que você faz e tudo isto vai fluir, inclusive aprender na marra como se enrola sushi;

6 – Aprendi a tomar a decisão na hora certa;

7- Me afastei de pessoas e fornecedores negativos;

8 – Aprendi que liderança não é somente para os outros, é muito para nós mesmos, nos tornamos espelho de quem está a nossa volta;

9 – Não trabalhe por dinheiro, trabalhe mesmo por amor (não estou sendo repetitivo não, tem que reforçar mesmo!);

10- Ouça sua intuição! Às vezes, ou melhor, na maioria das vezes, é seu anjinho da guarda te encorajando para o desconhecido;

11- Não julgue nenhuma situação sem conhecer a essência e delegue funções no momento certo. Para delegar direito, se desapegue;

12 – Se permita errar;

13 – Seja justo, grato e humilde, porém, tome decisões com punho firme, não é um mar de rosas, mas faça isso com verdade e sinceridade, sem papo furado;

14 – Não negligencie seu momento de lazer e de se desligar de tudo;

Seguindo isto, você notará um avanço no seu trabalho, empresa, e vida pessoal. Perceberá que a saúde mental e comportamental é um dos pontos de equilíbrio para o sucesso.

Um morador de rua é um dos principais responsáveis por eu estar escrevendo isto para vocês lerem. Como? Um dia a mercadoria estava para não ser entregue, eu estava quase desistindo, daí ele passou por mim, em frente à loja, me chamou e perguntou: “Você é o dono aí? ”, respondi que sim e ele “Parabéns isto vai dar muito certo! ”. Eu com o mundo nas mãos e ainda reclamando de muita pressão… segui em frente e me permiti a transformação mental e comportamental. Acho que o aperto de mão e meu sorriso foi pouco como retribuição, mas sempre peço a Deus para proteger este visionário! Querido, muito obrigado por tudo, #TamoJunto.

Ampliei, corri riscos, aprendi, errei, acertei, tive que aprender a voltar atrás, sem papo furado e total sinceridade sempre. O Sonkey virou referência além das fronteiras do nosso estado, as pessoas que trabalham aqui dizem que amam estar aqui dentro e que o Sonkey é mais que um trabalho, é uma transformação para todo mundo.

Liberte-se, desapegue – não construímos nada sozinho, devemos construir com pessoas que compartilham a mesma visão, que tenham coração e não usem papo furado para crescerem. Resumindo: pessoas de verdade.

Sorria ao final desta última frase e transforma-se.


Fonte: Artigos Administradores / A saúde mental é o ponto de equilíbrio para um negócio de sucesso

Os comentários estão fechados.