Afinal, o que é Programação Neurolinguística (PNL)?

Afinal, o que é Programação Neurolinguística (PNL)?

O foco da PNL envolve analisar e estudar características, habilidades, crenças, comportamentos, atitudes mentais e fisiologia de pessoas que tiveram (ou possuem) desempenhos extraordinários. É uma poderosa ferramenta junto com as técnicas de coaching

A programação neurolinguística, também conhecida como PNL, tem sido cada vez mais aplicada na educação, em treinamentos, na comunicação, em terapias, em relacionamentos diversos, em sessões de Coaching, enfim, suas aplicações são úteis nos mais diversos contextos, seja nas relações diversas com os outros (interpessoal), seja na relação consigo (intrapessoal). Seu foco envolve analisar e estudar características, habilidades, crenças, comportamentos, atitudes mentais e fisiologia de pessoas que tiveram (ou possuem) desempenhos extraordinários em qualquer campo: pessoal, profissional, esportivo, entre outros.

Joseph O’Connor e John Seymour pesquisaram e estudaram durante anos sobre a PNL, tendo contato inclusive com os fundadores da mesma, tornando-se assim referências no tema. Oficialmente, o conceito de PNL para eles é:

“A arte e a ciência da excelência, ou seja, das qualidades pessoais. É arte porque cada pessoa imprime sua personalidade e estilo àquilo que faz, algo que jamais pode ser aprendido através de palavras ou técnicas. E é ciência porque utiliza um método e um processo para determinar os padrões que as pessoas usam para obter resultados excepcionais naquilo que fazem. Este processo chama-se modelagem.” (O´Connor; John Seymour, 1995, p. 19).

Os padrões mentais adotados por nós, construídos pelas interações sociais e culturais ao longo da nossa história pessoal, moldam as nossas percepções dos fatos da vida e determinam nossas crenças, logo, nossas atitudes e comportamentos. Por exemplo: se você tem um padrão mental de que todas as pessoas que possuem dinheiro obtiveram de forma ilícita ou que foi puramente sorte, isto tenderá a refletir de forma negativa na maneira como você lida com o seu próprio dinheiro, na importância que você dá para a sua remuneração financeira e o vislumbre de futuro que você dá ao trabalho. Outro exemplo comum que vejo nas sessões de Coaching que realizo, são os modelos mentais adotados por alguns casais que só levam consigo a desconfiança, insegurança e ciúmes excessivos do outro. Já no ambiente empresarial, há aqueles funcionários gabaritados que não se sentem seguros para almejarem oportunidades maiores e mais compatíveis com suas potencialidades.

Nesse contexto todo de PNL, dois conceitos são fundamentais para entendermos melhor como nós processamos as informações e como agimos com base nelas. Tais conceitos são: filtros de percepção (ou crenças) e modelagem. No artigo “Programação Neurolinguística (PNL): crenças e modelagem para o sucesso” falaremos melhor sobre eles de forma mais adequada. Até breve! 

Gostou? Compartilhe!

REFERÊNCIAS

O´CONNOR, Joseph; SEYMOUR, John. Introdução à programação neurolinguística: como entender e influenciar pessoas.5 Ed. Trad: Heloísa Martins-Costa. São Paulo: Summus, 1995.

O´CONNOR, Joseph; PRIOR, Robin. Sucesso em vendas com a PNL: recursos de programação neurolinguística para profissionais de vendas. 3 Ed. Trad: Denise Maria Bolanho. São Paulo: Summus, 1997.

MATTA, Villela da; VICTORIA, Flora. Personal & Professional Coaching: livro de metodologia. São Paulo: SBCoaching Editora, 2014.

PhD WEISINGER, Hendrie. Inteligência emocional no trabalho. Trad: Eliana Sabino. Rio de janeiro: Objetiva, 1997


Fonte: Artigos Administradores / Afinal, o que é Programação Neurolinguística (PNL)?

Os comentários estão fechados.