Apesar dos novos tempos, a cigarra insiste em sabotar o formigueiro

Apesar dos novos tempos, a cigarra insiste em sabotar o formigueiro

Já passou da hora de Temer e seus aliados mostrarem à sociedade brasileira que representam, de fato, o fim da crise econômica, política e moral deixada pelo lulopetismo e o início de uma nova era, livre de doutrinações, patrulhas ideológicas e ofensas à democracia e ao Estado democrático de Direito.

Mais uma segunda-feira se passou, e mais um Ministro do governo Michel Temer renuncia.

 

Sem entrar no mérito do que levou à renúncia de Jucá na semana passada e de Fabiano nesta semana, precisamos olhar a realidade também segundo a ótica do copo meio cheio: seguindo a diretriz que Temer estabeleceu para seu Ministério, relacionada à não tolerância com situações que possam manchar, expor e inviabilizar o governo, dois de seus Ministros que “caíram” no alçapão neolulopetista (Sérgio Machado + Renan Calheiros) entregaram seus cargos.

 

Se fosse na era lulopetista, a realidade, certamente, seria outra. Quantas vezes Ministros de Lula e Dilma se envolveram em polêmicas e não tiveram qualquer dignidade em renunciar? Pelo contrário: não só contaram com a “bênção” de seus superiores, mas também houve casos, como o do “Bessias do Messias”, em que o Presidente da República buscou proteger seus apaniguados com o instituto da prerrogativa de foro que um cargo de Ministro oferece. Afinal de contas, a máquina pública significa para os lulopetistas um “direito atribuído por Deus” (um alqueire de terra dos outros equivale a vinte alqueires nossos, já escreveu Sun Tzu), razão pela qual os lulopetistas se apegam às suas “boquinhas” até a última gota.

 

Pois bem. Como descrito por este que lhes escreve em outras ocasiões, o lulopetismo não se cala, tampouco retrocede: ele só dá um passo para trás para ganhar impulsão e atacar seus adversários novamente. Foi assim com a saga do impeachment, em que as instituições de Estado foram desqualificadas pelos lulopetistas dentro e fora do Brasil, foi assim com o episódio do Ministério da Cultura e tem sido assim com os ataques ferozes contra Temer e seus aliados.

 

Em vista disso, ficam algumas reflexões para Sua Excelência o Presidente da República e para quem de direito acerca da tentativa de sabotagem que a cigarra faz com o formigueiro:

 

  1. Onde estavam os movimentos que ocupam escolas, MinC e assemelhados na época em que as empresas estatais, os fundos de pensão dessas estatais e o erário estavam servindo aos interesses do lulopetismo?
  2. Onde estavam os que criticam alguns Ministros de Temer quando foram divulgadas gravações de conversas em que Ministros de Dilma ofereciam “auxílio” para envolvidos na Lava Jato?
  3. Onde estavam os que criticam o “Presidencialismo de coalizão” de Michel Temer quando Lula e Dilma entregaram milhares de cargos em estatais, Ministérios, fundos setoriais, agências reguladoras, dentre outros, para partidos políticos, em troca de apoio ao projeto de perpetuação de poder do lulopetismo?
  4. Quantos dos milhares de cargos comissionados ocupados por lulopetistas, simpatizantes e aliados do lulopetismo já foram extintos ou tiveram seus titulares exonerados?
  5. O que falta para o Messias do lulopetismo ser investigado, denunciado, processado e julgado pela “República de Curitiba”?
  6. O que falta para o governo Temer expurgar, de uma vez por todas, o câncer lulopetista, que suga os recursos públicos, oprime, persegue e reprime quem se opõe ou não se submete a essa ideologia e compromete a ordem e o progresso de nosso país?

 

Já passou da hora de Temer e seus aliados mostrarem à sociedade brasileira que representam, de fato, o fim da crise econômica, política e moral deixada pelo lulopetismo e o início de uma nova era, livre de doutrinações, patrulhas ideológicas e ofensas à democracia e ao Estado democrático de Direito.

 

Um forte abraço a todos, sabedoria para Michel Temer lidar com as cigarras e fiquem com Deus!


Fonte: Artigos Administradores / Apesar dos novos tempos, a cigarra insiste em sabotar o formigueiro

Os comentários estão fechados.