Big Data: evolução ou re-evolução?

Big Data: evolução ou re-evolução?

Essa é uma boa oportunidade para as marcas ficarem por dentro do seu consumidor. A briga pela personalização e entrega de produtos e/ou serviços exclusivos só está começando. E o que uma marca mais deseja, é jamais ficar em segunda opção

Essa é uma boa oportunidade para as marcas ficarem por dentro do seu consumidor. A briga pela personalização e entrega de produtos e/ou serviços exclusivos só está começando. E o que uma marca mais deseja, é jamais ficar em segunda opção.
 
Ficar para trás num mercado tão competitivo e cada vez mais dinâmico é sem dúvida nenhuma desperdiçar a chance de fidelizar, gerar novos negócios e acima de tudo de se relacionar com os seus clientes com conhecimento profundo das suas necessidade ou desejos, mesmo que momentâneos.

 
A palavra de ordem do mundo atual é: relacionamento. Se antes isso era importante e algumas marcas pregavam como fundamental – isso mesmo eu escrevi algumas – hoje em dia é um detalhe mais que essencial para continuar fazendo parte da vida dos consumidores e ainda, presente na lista de preferências e escolhas desse consumidor moderno.
 
Se por um lado temos pessoas que se utilizam da tecnologia para se aproximar das marcas, para elogiar e até mesmo criticar e espalhar um evento negativo, por outro lado cada vez mais as marcas estão preparadas para controlar e surpreender os consumidores desavisados ou antenados com conteúdo, promoções, serviços/produtos personalizados e feitos para compor a vida de cada um de forma exclusiva e especial.
 
Mas como isso?
 
Pois é caro leitor, bem-vindo ao Big Data. Estamos vivendo na era das grandes informações. Das informações importantes e relevantes analisadas para uma decisão em tempo real e o melhor, em todas as áreas de negócios: seja no mapeamento de trânsito das metrôpoles ou até mesmo para as pequenas, médias e grandes empresas. Some a isso a possibilidade de analisar dados de redes sociais (tuítes, facebook, vídeos, gráficos, comportamentos) e veja a grande oportunidade de negócio que se abre a nossa frente. É uma nova evolução que estamos vivendo.
 
Para um melhor entendimento, Big Data representa volume de informação versus velocidade de análise e tratamento do resultado. A vantagem é que agora abre-se uma possibilidade das decisões corporativas e de mercado serem baseadas em fatos e não em intuição. E sabendo disso, o cenário poderá ser manipulado de forma muito mais eficiente pelos gestores das empresas, seja para lançamento de um produto/marca/serviço ou até mesmo para uma correção de rumo e estratégia.
 
Daqui em diante iremos viver, ler e ouvir muito sobre isso e já existem muitas empresas que se utilizam desse novo sistema de banco de dados.
 
Para muitas corporações, é a possibilidade de analisar um volume inédito de dados digitais. Mas a grande vantagem que vejo, é a oportunidade das empresas entregarem cada vez mais produtos e serviços exclusivos e alinhados com as preferências, seja ela de momento ou não. E ainda posicionarem seus produtos e serviços com auxílio de dados reais e instântaneos que muitas vezes são ofertados pelo próprio consumidor nas redes sociais.
 
Acredito que agora, mais do que nunca, muitas empresas perceberam o quanto é importante e fundamental conhecer de perto seus consumidores e que relacionamento, a aproximação e a personalização nunca foram tão importantes para o sucesso de um produto/marca/serviço.
 
Bem-vindos à mais nova evolução dos tempos: a re-evolução da análise dos dados de uma forma muito mais real, dinâmica e veloz.


Fonte: Artigos Administradores / Big Data: evolução ou re-evolução?

Os comentários estão fechados.