Calibre seu step

Calibre seu step

Quando o pneu furar, de quê você vai precisar?

Entre 2002 e 2008 tive a satisfação de atuar como docente na maior escola de educação profissional da américa latina. Aprendi valiosas lições, porém, uma nunca saiu da minha cabeça: Ninguém é insubstituível, nem você!

De fato, verdade. Os ciclos encerram nos dando oportunidade para a “manutenção das coisas”. O ponto da discussão não é a substituição das peças, mas: o que será instalado no lugar, que assegure o status quo?

Meu filho mais velho, Heitor, tinha um triciclo infantil, destes fabricados em plástico, que aprendeu a pilotar antes de andar. Quando completou quatro anos, o presenteamos com uma bela bicicleta, com motivo de heróis, aro estrela, enfim, um modelo muito além do esperado – pelo menos para mim, que sempre almejei tal presente na infância.

Montamos a bicicleta, calibramos os pneus e… frustração geral. Em resumo, ele nem sequer tocou no novo brinquedo, voltando seu olhar para o triciclo. Montou sobre ele e saiu pedalando a toda a velocidade, com as pernas abertas, evitando o choque dos joelhos no guidão.

Primeira lição: Para quê substituir o que dá satisfação ao cliente?

Vamos até a esfera nacional, especificamente Brasília. Tramita no cenário político o rito de impeachment da Presidente da República. Não tenho competência técnica para afirmar se procede ou não, mas se levarmos em consideração somente o peso da votação na câmara, a Presidência será impedida de prosseguir.

A questão mais importante: Quem colocar no lugar? A satisfação de milhares de eleitores-clientes depende desta resposta.

Segunda lição: A peça a ser substituída agregará satisfação ao cliente?

Ok, fomos longe demais, além polemizar o artigo. Voltemos ao nosso quintal. Em meados de 2015 meu avô deixou este orbe azul onde vivemos e retornou ao lar celestial. O ciclo se fechou e sua missão fora cumprida.

Até aí tudo bem, afinal de contas, do pó viemos ao pó retornaremos. O fato é que a minha família não tinha calibrado o step. Criou-se um tremendo impasse sobre “o que fazer com a avó?”

Terceira lição: A viagem tem que prosseguir, independente das circunstâncias.

A mudança é a única constante, ratificando Zygmunt Bauman em Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar, quiçá em tempos de Snapchat. Mudar? Sim! Mudar pelo quê é a questão que vale o milhão.

A empresa em que atuava fez algumas trocas semanas atrás. Acabamos nos despedindo, saudosos de bons momentos da viagem que iniciou três anos atrás. Uma coisa é normal – ficou um espaço vazio. Estou revendo as três primeiras lições, o que me levou a uma nova:

 Quarta lição: Viva cada momento como uma oportunidade de significar.

 Busque o significado além das coisas mundanas e desvelará um mundo de oportunidades esperando um “step bem calibrado” para seguir sua jornada.

 


Fonte: Artigos Administradores / Calibre seu step

Os comentários estão fechados.