Campanha relaciona uso do Tinder ao aumento de DST

Campanha relaciona uso do Tinder ao aumento de DST

A campanha cita diretamente o nome dos aplicativos e ainda faz uso indevido de seus logos, o que está gerando polêmica entre as empresas e os seus usuários

Atenção usuários do Tinder e dos demais aplicativos de paquera online: vocês estão mais propensos a terem AIDS e outras DST do que qualquer outra pessoa que não utilizam apps deste tipo.

Bem, ao menos é o que um grupo de combate à Aids — o AIDS Healthcare Foundation — está espalhando por Los Angeles, Califórnia (EUA). A campanha que tenta alertar sobre o aumento das doenças sexualmente transmissíveis está espalhando outdoors e promovendo peças digitais para concientizar a população jovem que os aplicativos de paquera facilitam o “contato físico” e, consequentemente, o aumento da transmissão de doenças.

Na campanha, dois casais de personagens foram carinhosamente batizados de “Tinder e clamídia” ou “Grindr e gonorréia”. Para quem não conhece, o Grindr é uma espécie de Tinder com foco no público gay.

O problema é que a campanha cita diretamente o nome dos aplicativos e ainda faz uso indevido de seus logos, o que está gerando polêmica entre as empresas e os seus usuários.

O Tinder, por exemplo, exigiu que a organização cancelasse imediatamente a campanha. Em resposta, Michael Weinstein — presidente da AIDS Healthcare Foundation, disse que “não se intimida facilmente” e, entre outras coisas, afirmou que vai aumentar a quantidade de outdoors em mais 12 unidades e ainda vai disponibilizar os anúncios em ônibus que rodam por toda a cidade.

Em entrevista ao Mashable, Weinstein também disse que não é contra os aplicativos e que não está querendo tirá-los dos usuários. Porém, “a realidade é que existe uma conexão entre esses apps de paquera e o aumento nos casos de DST.”

O que você acha da atitude da AIDS Healthcare Foundation? E as empresas, devem tomar alguma iniciativa visando proibir a campanha? Opine!

 


Fonte: Notícias Administradores / Campanha relaciona uso do Tinder ao aumento de DST

Os comentários estão fechados.