Caso Buffalo Grill: churrascaria trava guerra com feministas por causa de promoção

Caso Buffalo Grill: churrascaria trava guerra com feministas por causa de promoção

Com ajuda de mulheres que não se sentem representadas pelo feminismo e também de internautas que não têm vergonha de falar merda, empresa fez sucesso em “contra-ofensiva”

Esse caso ainda deve dar muito o que falar nos próximos dias. Uma churrascaria de Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, resolveu lançar, no dia 22 de agosto, uma promoção: mulheres pagam menos que homens pelo rodízio de carnes nos sábados à noite e nos domingos ao meio dia. Justo. Nós, do sexo masculino, geralmente, comemos feito animais em restaurantes que servem nesse formato. Elas – salvo raras exceções – comem menos. Num momento em que o brasileiro tem ido menos a restaurantes, esse tipo de ação faz todo sentido, para atrair clientes. Mesmo assim, o post anunciando a iniciativa no Facebook despertou a ira de feministas de todo o Brasil. Por quê?

Ao anunciar a promoção na rede social, a Buffalo Grill chamou as feministas para a briga. Não porque queria, de fato, brigar. Mas – me arrisco aqui a chutar – porque sabia que polemizar daria o que falar. E, se não sabia, descobriu rapidinho. No ringue do Facebook, onde há sempre dois lados armados, dispostos a se enfrentarem a qualquer hora, por qualquer coisa, e, em alguns casos, com as armas mais pesadas e golpes mais baixos possíveis, costuma ganhar quem provoca a briga, depois sai de fininho e fica olhando de fora, esperando para se abraçar com o vencedor.

Primeiro, veja o print do post da Buffalo Grill (apagado pela churrascaria depois do primeiro round):

Agora, vamos ao contexto: a churrascaria anunciou a promoção e alfinetou as feministas no texto da publicação. Elas se sentiram ofendidas, acusaram o restaurante de ridicularizar sua luta e resolveram partir para cima. Simpatizantes da causa feminista se uniram para dar notas baixas à Buffalo Grill no sistema de avaliações do Facebook, mesmo sem nunca terem ido lá. Resultado: a média do estabelecimento caiu para quase a metade do que tinha antes.

Segundo round

A Buffalo Grill, aparentemente, não resistiu ao ataque massivo e resolveu cancelar a promoção na noite desta quinta-feira (11), com a seguinte justificativa:

Ok, atendendo a pedidos cansamos de tentar explicar o post, cancelamos o desconto as mulheres. Deletamos, pois a casa está lotada, o objetivo de divulgar foi sucedido e não temos tempo de fiscalizar os comentários. Se um grupo de mulheres prefere pagar o mesmo que os homens, mais caro, melhor pra nós. Elas têm todo direito de querer pagar mais caro. E já que o país está em crise, melhor pra nós. Abraços e acabou o mimimi! (sic)

Post no Facebook.

O anúncio do cancelamento da promoção despertou a ira de, pelo menos, dois grupos que podemos delimitar de maneira mais clara: 1) as mulheres que não se sentem representadas pelas feministas:

2) os homens e mulheres que estão sempre dispostos a escrever em comentários a primeira merda que vem à sua cabeça.

Some a esse cenário o ingrediente chave da descontextualização/fragmentação da informação: as pessoas pegam uma história pela metade, a absorvem como se fossem o todo e em poucos segundos já estão com opinião formada, bandeira em punho e sangue nos olhos.

Nocaute

Seis horas depois de anunciar o fim da promoção, a Buffalo Grill a reativou, alegando o seguinte:

Em respeito às mais de 8 mil curtidas na promoção de que tivemos que deletar anteriormente e as quase 2 mil curtidas e comentários de mulheres pedindo pelo retorno do desconto. Optamos por honrar com nossa palavra e cavalheirismo, oferecendo este voucher de desconto às mulheres. Lembrando que só participa do desconto quem achar justo ganhar, afinal, mulheres comem menos carne do que os homens e entendemos isto e apoiamos medidas que confortem às famílias nesta crise, principalmente aos pais de família que somando os gastos da esposa e filhas acabam muitas vezes deixando de participar do almoço de confraternização, apenas pelo preço. Somos confiantes de um futuro melhor para o país, com um novo governo, onde todos tenham acesso ao lazer e não precisem ficar trancados em casa, por conta de uma crise financeira que o Brasil está passando. As mulheres que quiserem, basta imprimir ou apresentar esta imagem no caixa. Paz e amor no coração de vocês! (sic)

Post no Facebook.

As mulheres que não se sentem representadas pelas feministas se sentiram prestigiadas. Os homens e mulheres que estão sempre dispostos a escrever em comentários a primeira merda que vem à sua cabeça falaram ainda mais merda. Todos saíram do ringue com a sensação de vitória. Mas o cinturão ficou mesmo com a Buffalo Grill, que está com a casa cheia e ainda mais popular perante o público que lhe interessa e que resolveu tomar “suas dores” e está mobilizado, agora, para devolver a média positiva ao restaurante no sistema de avaliações do Facebook.

Frank Underwood ficou com inveja.


Fonte: Artigos Administradores / Caso Buffalo Grill: churrascaria trava guerra com feministas por causa de promoção

Os comentários estão fechados.