Causa e efeitos

Causa e efeitos

O grande problema do país, das empresas e de nós mesmos é atuarmos sempre focando nos efeitos de um problema, tomamos decisões com base no momento atual, dessa maneira os efeitos logo recomeçam…

Em momentos de crise, é evidente que se inicie uma caça às bruxas, rapidamente é preciso encontrar algo para gerar um impacto e fazer a mudança necessária. Times de futebol demitem técnicos, empresas demitem colaboradores, mudam estruturas, cortam custos, nós individualmente achamos algo ou alguém para culpar.

Acreditamos que o impacto gerado pela mudança irá mudar toda a situação, que os problemas da noite para o dia irão acabar, pura e simplesmente com um fato, um ato.

Na prática em alguns casos isso pode ocorrer, mas com o decorrer do tempo a tendência é que tudo volte a ser como antes, o impacto gerado é momentâneo, não possui qualquer característica baseada na origem do problema, é apenas um paleativo. É o mesmo que diante de febre tomarmos um antitermico, a temperatura irá voltar ao normal, mas até quando essa auto-medicação surtirá efeito sem saber o motivo da alteração já éoutro problema.

Então o que fazer quando um projeto não produz os efeitos desejados, ou o momento requer mudanças drásticas ? Diante desse quadro o correto é analisar o que é o efeito e qual sua origem, suas causas. Devemos então verificar o projeto inicial de maneira coerente e lógica, utilizando o ciclo PDCA como base de análise:

Planejamento – Verificar a descrição do projeto inicial com a visão da organização, mercado, metas, carteira de clientes, situação contábil, estratégias e organograma;

Desenvolvimento – Verificar o treinamento e divulgação do projeto em todos os niveis da organização, histórico do desenvolvimento e os dados coletados, os quais irão alimentar planilhas e gerar indicadores;

Controle – Verificar todas as informações relativas a indicadores, metas, desempenhos, atas e reuniões relativas a essas análises, etc;

Ação – Verificar as ações tomadas nos períodos de análise, se esses períodos eram adequados, e principalmente se foram tomadas as ações necessárias para ajustar a organização de acordo com aqs análises e relatórios gerados.

Se a análise for feita dentro desses parâmetros a causa será identificada, o que faz com que as decisões possam ser tomadas com bases correta e concreta. Não iremos perder tempo com o efeito “cortina de fumaça”, sobre o qual falamos anteriomente.

Ao analisarmos de maneira coerente uma organização por exemplo, poderemos encontrar resultados negativos nas vendas e rever metas, objetivos ou equipes,encontrar falhas financeiras ou contábeis que oneram os custos da organização, índices de rejeição além das metas, onerando a empresa e colocando em risco a carteira de clientes.

São várias as possibilidades e probabilidades, mas dessa maneira poderemos tomar as ações mais corretas na raiz de cada um deles. E caso a organização não possua um planejamento é o momento adequado para implantar.


Fonte: Artigos Administradores / Causa e efeitos

Os comentários estão fechados.