Como educar filhos de pais separados

Como educar filhos de pais separados

É preciso: controlar as emoções, definir papéis e manter as regras

Quando um casamento acaba o primeiro pensamento que vem a cabeça de todos é: que pena, quem sofre são os filhos.

Infelizmente é verdade. Por imaturidade e falta de preparo dos pais os que mais sofrem geralmente são as crianças que ficam divididas entre os dois, sem saber que partido tomar e o que realmente se espera delas.

Manter um relacionamento não é fácil. Quando acaba gera tristeza, frustração, raiva e sensação de solidão imensa mas é possível administrar tudo isso sem causar sofrimento aos filhos seguindo alguns passos:

1) Controlar as emoções: geralmente quando um relacionamento acaba é normal sentir raiva do ex ou da ex. Vontade de gritar para os quatro ventos o quanto essa pessoa é desleal, infiel, desonesta e o quanto fez você sofrer. Mas lembre-se: foi você quem escolheu essa pessoa para ser pai ou mãe de seus filhos. A escolha foi sua. Chame uma amiga ou amigo pra conversar fora de casa e longe dos filhos e desabafe toda sua raiva. Jamais fale mal do ex ou da ex na frente das crianças. Crianças não são bolsas ou peças de carro ou algo assim. São seres humanos com sentimentos e embora o relacionamento não tenha dado certo, vocês serão eternamente mães e pais dessa criança. Nunca fale não gosto mais dele ou dela. Explique que o relacionamento acabou mas o respeito continua. Faça com que isso seja verdade. Se precisar discutir algo com seu ex ou sua ex converse em particular e não reproduza essa conversa para seu filho. Em encontros como reuniões escolares ou outros onde seu filho esteja presente mesmo que sua vontade seja metralhar ou decepar a cabeça de seu antigo cônjuge mantenha a educação e cordialidade e trate com respeito aquele ou aquela que sempre fará parte da vida do seu filho. Nunca faça perguntas para seu filho que o coloque em uma situação de ter que escolher entre vocês dois. O amor da criança pelos pais não deve e nem pode mudar.

2) Definir papéis: perante a sociedade, em uma roda de amigos vocês podem ser chamados de ex companheiros, de separados, de divorciados. Perante seus filhos vocês serão sempre pais e mães deles. Por favor, não confundam os papéis. Ambos tem responsabilidades como provedores, mantenedores e bons exemplos para seus filhos. Se esforcem para que nada falte nem materialmente nem emocionalmente. Não se esquivem de seus papéis como pais e mães e assumam juntos perante seus filhos esses papéis. Tomem decisões juntos sobre a educação dos filhos. Jamais, principalmente na frente dos filhos, envolvam brigas pessoais na conversa. Não permitam que sua autoridade fique perdida por conta da separação. Vocês continuam sendo pais e mães e devem ser, ambos, obedecidos e respeitados. Em acordos financeiros deixem a criança fora da conversa. Seu filho não é seu confidente e nem seu amigo, é antes de tudo seu filho. Não comente nem fale sobre os problemas do seu relacionamento mesmo que você ache que seu filho tenha idade pra isso. Antes de tudo é seu filho e você é o pai ou a mãe e seu filho lhe deverá respeito e obediência sempre. Não confundam e nem invertam os papéis pois muitas vezes os pais sem perceberem fazem chantagem emocional com os filhos colocando sobre eles a responsabilidade de suprir a carência deixada pela falta do ex parceiro ou parceira e com isso confundem a cabeça do filho que passam a não aceitar um novo relacionamento.

3) Mantenham as regras: Alguns casais na separação, se sentem culpados por privarem os filhos da companhia do outro e acabam cedendo a todas as exigências dos filhos, tornando-os dependentes, imaturos e irresponsáveis. Até os 12 anos de idade uma criança tem a obrigação principal de estudar, de não faltar as aulas, de tirar boas notas, de ter uma boa alimentação com horários certos, higiene, cuidar de seu material escolar e respeitar hierarquias e os mais velhos. Cobre isso com firmeza e carinho e exija que as regras sejam obedecidas. Depois dos 12 anos uma criança já sabe distinguir o certo do errado, já se torna responsável e pode além de estudar ajudar nos serviços domésticos, assumir responsabilidades, cuidar de si mesma. Além dos estudos os pais podem exigir que tenham outras responsabilidades também não esquecendo nunca de dar bons exemplos. A criança e o adolescente devem respeitar os pais e obedecerem pos quem manda na casa são os pais e um não deve nunca tirar a autoridade do outro. Em caso de pai ou mãe ausente ou que deixou de fazer algo ou cumprir alguma obrigação não deixe que seu filho use isso como argumento para deixar de cumprir suas obrigações também. Não se deixe manipular. Seja firme em suas decisões.

Para que se tornem pessoas de bem, produtivas, responsáveis e felizes as crianças precisam de amor, disciplina, orientação e bons exemplos. Educar, orientar, corrigir e amar devem ser prioridades. Não coloque nunca sentimentos pessoais acima de tão nobre missão que é ajudar a desenvolver seres humanos melhores para nosso futuro.

Errar todos erramos mas devemos nos esforçar para que o nosso melhor sempre vença. Devemos procurar forças dentro de nós mesmos e recursos emocionais para que possamos oferecer o que há de melhor em termos de orientação e exemplos para nossos filhos. A boa semente plantada gerará bons frutos e todo o bem precisa de sacrifícios e determinação para continuar mas tudo isso vale muito a pena.

A intenção de fazer o certo e procurar melhorar por si só já é um dos melhores exemplos que podemos dar e talvez o melhor legado que podemos deixar para aqueles que são a nossa maior herança.


Fonte: Artigos Administradores / Como educar filhos de pais separados

Os comentários estão fechados.