Como pagar o valor correto pelo acesso à Internet

Como pagar o valor correto pelo acesso à Internet

O valor pago pelo seu plano de banda larga é justo? Iremos verificar que nem sempre recebemos aquilo pelo que estamos pagando para acessar a Internet. Vale a pena ficar atento para não desperdiçar seu precioso dinheiro.

Estamos conectados. Não é mais uma escolha, mas praticamente uma obrigação. Seja no trabalho, no shopping, em lojas, e principalmente em casa. Nos atentamos tanto para o fato de estarmos ligados ao mundo WWW, que não paramos para pensar: será que meu plano de banda larga me entrega o que estou contratando? Muitas pessoas estão tão focadas em ver seu smartphone ou notebook “navegando” que não se atentam que podem estar sendo vítimas de uma prestação de serviços ruim. E o que fazer diante disso? É que veremos abaixo.

Nosso país ainda é muito atrasado no que diz respeito à conectividade. O que chamamos de “banda larga” aqui, em países como o Japão, por exemplo, não passa de um acesso bem comedido à grande rede de computadores. Por conta disso tenha certeza de que você nunca recebe da prestadores aquilo que contrata, pelo menos não o tempo todo.

Vejamos o seguinte exemplo: A empresa “X” oferece um plano de 10 Mbps para sua residência, ou seja, 10 Megabits por segundo. Esse valor, 10 Mbits, é o mesmo que 10.000 Kbits. Como 8 bits compõe 1 byte, logo para saber qual a taxa de transferência que um plano de 10 Mbps deve ter, se faz a seguinte conta:

10.000 (Kbits) dividido por 8. Chega-se ao resultado de 1.250 kilobytes por segundo, ou 1,2 MBps (perceba que agora é M maiúsculo). Resumindo: ao contratar 10 Mbps para uma taxa de transferência de 1.2 MBps, que é aquele valor que fica alternando sempre que se faz um dowload qualquer. Na teoria, pois na prática é bem diferente.

Devido a várias questões técnicas e problemas de infraestrutura do Brasil, a Anatel dá uma “colher de chá” para as empresas, que não tem a obrigação de entregar essa taxa de transferência 100% do tempo. No entanto,nos últimos anos a Anatel tem sido mais rigorosa quanto aos limites mínimos de velocidade da banda larga.

Através da Resolução nº 574, de 28 de outubro de 2011, desde o dia 1º de novembro de 2014, a Anatel determinaque as prestadoras garantam mensalmente, em média, 80% da velocidade contratada pelos usuários, e 40% de transmissão instantânea. Na prática, significa que o plano de 10Mbps utilizado acima, deve entregar no instante da medição 4Mbps (40%) e na média do mês 8Mbps (80%) do contratado.

Para ajudar os usuários, a Anatel indica o site www.brasilbandalarga.com.br para as medições de banda larga fixa e móvel. Nos casos de banda larga fixa, a ferramenta de teste encontra-se em www.brasilbandalarga.com.br/index.php/speedtest. Nesse teste, ao clicar em “Iniciar”, aguarde pelo teste que dará 3 informações: velocidade de download, velocidade de upload e latência. Atenção em especial à velocidade de download, que no ato do teste deve ser de no mínimo 4 Mbps. E se fizer esse mesmo teste várias vezes por mês, a velocidade tem que ficar na média 8 Mbps. Maiores informações, clique aqui.

E se ficar abaixo desses valores? A resposta está em registrar uma reclamação na Anatel, seja ligando para 1331, ou 1332 para deficientes auditivos, ou lançar mão daquilo que tem se mostrado mais eficiente para este autor: criar um cadastro no sistema FOCUS na Anatel (https://sistemas.anatel.gov.br/sis/cadastrosimplificado/pages/acesso/login.xhtml?i=0&codSistema=649) e registrar ali a reclamação. Obs: A Anatel orienta sempre a tentar resolver primeiramente a questão com a empresa, portanto é bom priorizar ligar para o atendimento da contratada e anotar o número de protocolo, o qual pode ser solicitado no momento de reclamar à agência reguladora.

O resultado disso é que a empresa contratada deve dar alguma compensação ao usuário. Sempre que reclamo para a Anatel, a empresa me liga dando desconto nas faturas, afinal o serviço não foi prestado adequadamente. Portanto, é indicado fazer esses testes regularmente a fim de não desperdiçar dinheiro.

Qualquer economia que se faça nesse sentido, por menor que seja, vai ajudar a pagar outras contas.

Fica a dica!


Fonte: Artigos Administradores / Como pagar o valor correto pelo acesso à Internet

Os comentários estão fechados.