Como vencer os obstáculos do meio digital e facilitar a colaboração dos estudantes?

Como vencer os obstáculos do meio digital e facilitar a colaboração dos estudantes?

Com as tecnologias digitais cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas e o comportamento em constante adaptação, os métodos educacionais precisam de uma abordagem para integrar esse comportamento com a tecnologia, envolvendo aluno, professor e escola

A internet vem transformando a comunicação desde que foi disseminada na década de 1990, como o modo das pessoas se comportarem e se interligarem, permitindo o desenvolvimento de plataformas de ensino a distância, portais educacionais, utilização de e-mails para trabalho, além de mudança nas atitudes no aprendizado.

Ao contrário da maioria dos sistemas colaborativos atuais, com processos de criação iniciados pelos recursos tecnológicos, é necessário primeiramente entender o comportamento das pessoas ao se comunicarem para depois adaptar recursos tecnológicos aos diferentes níveis de socialização.

Além disso, é fundamental compreender o ambiente no qual os estudantes estão inseridos e as influências na assimilação do conhecimento, como aspectos cognitivos, educacionais e tecnológicos, referentes à integração das pessoas no cotidiano e no processo de aprendizado.

Em cursos para adultos, como Graduação e Pós-Graduação, os estudantes geralmente não têm muito tempo para encontros presenciais em equipe, devido à atividades profissionais ou distância.

Com isso, o desenvolvimento de sistemas colaborativos online mais assertivos se tornam cada vez mais importantes para o aprendizado moderno para elaboração de trabalhos, conferências e também para o acompanhamento e avaliação das instituições de ensino.

Para entender melhor as influências no comportamento dos estudantes em ambientes colaborativos online, é necessário abranger os seguintes aspectos:

 

1. Ensino-Aprendizagem
O processo de ensino-aprendizagem acontece quando um indivíduo transmite e outro recebe uma informação, havendo, portanto, colaboração e transformação. A aprendizagem colaborativa compreende um olhar sistêmico na percepção e interpretação dos acontecimentos, buscando a sinergia das partes e as colocando como indispensáveis para alcançar objetivos conjuntos.

2. Formação de Equipes
Para a formação de uma equipe eficaz é preciso um comprometimento de todos e
uma coordenação dos esforços em busca dos resultados. Outros fatores, como o número de pessoas, divisão de papéis, liderança e clara visualização das etapas do projeto, também podem influenciar o sucesso ou fracasso na busca dos objetivos.

3. Tecnologia na Educação
A transformação tecnológica não implica somente em apresentar a tecnologia, mas em mudanças sociais, culturais e educacionais. É preciso compreender como as pessoas reagem às informações e como isso influencia a cognição e aprendizado para poder criar sistemas que potencializem as inteligências individuais e as façam interagir entre si de maneira coordenada.

4. Comunicação Online
De acordo com Jennifer Preece, renomada especialista em design de interação e interação homem-computador, a maneira como a informação é transmitida pode ser caraterizada de três formas: conversação, coordenação e percepção.

Os recursos de Conversação são para transmitir informações e arquivos com o auxílio de texto, áudio ou vídeo. Os de Coordenação, para gerenciar atividades conjuntas em documentos compartilhados e alterados simultaneamente. Já os de Percepção, para notificar sobre o andamento, divisões e relatórios das tarefas.

Portanto, com o avanço da tecnologia e crescimento de sistemas colaborativos online, o desafio é integrar as formas de transmissão da informação a fim de melhorar a comunicação, a articulação e o andamento das atividades. 

Em pesquisa realizada com estudantes de tradicionais instituições de ensino da cidade de São Paulo e região, pôde-se comprovar as hipóteses sobre fatores que influenciam os trabalhos colaborativos no ambiente online:

A pesquisa foi direcionada à todos os cursos de Pós Graduação e MBA das instituições Anhembi Morumbi | BSP, Belas Artes de São Paulo, ESPM, FAAP e FGV, para observar o comportamento dos estudantes em relação ao tema abordado.

Dos estudantes que participaram da pesquisa, 60% estão entre 20 e 30 anos de idade, recém-formados ou em início de carreira, 29% estão entre 31 e 40 anos, e 11% possuem mais que 40 anos, mostrando presença relevante de estudantes mais velhos, que também estão cada vez mais conectados, segundo recente pesquisa do IBGE, com aumento de mais de 200% de pessoas com mais de 50 anos utilizando a internet, de 2005 a 2011.

Além disso, a pesquisa com os estudantes também retrata que 41% são homens e 59% mulheres, demonstrando que idade e sexo devem ser levados em consideração no desenvolvimento de interfaces digitais para atender diferentes níveis de interação, costumes e percepções. Vejam abaixo a análise completa da pesquisa:

1. Fatores que contribuem para o fracasso de uma equipe:

Em uma escala crescente em que 5 é o indicador de maior contribuição para o fracasso, os fatores com apontamentos em maior porcentagem nos indicadores 4 ou 5 foram: má distribuição de tarefas (43%), falta de participação dos integrantes (33%), falta de método para guias as atividades (29%) e falta de tempo para reuniões presenciais (37%).

Esses apontamentos demonstram que os métodos e a comunicação no meio digital para trabalhos em equipe ainda são ineficientes, já que 90% dos estudantes utilizam sistemas online para se comunicarem e realizarem trabalhos, conforme demonstrado no gráfico a seguir.

2. Como são realizados trabalhos em equipe:

Apenas 10% dos estudantes realizam trabalhos somente com reuniões presenciais, demonstrando a importância das reuniões online para a comunicação.

3. Grau de importância da reunião online:

Observa-se um equilíbrio entre as opções essencial e muito importante, com 84% das escolhas, o que reforça a importância de sistemas colaborativos online.

4. Sistemas online mais utilizados pelos estudantes:

Nenhum dos sistemas apontados utiliza recursos de percepção, como notificações sobre o andamento ou divisão das tarefas, demonstrando uma aversão a sistemas com mais controle das ações pela falta de adaptação aos costumes dos estudantes.

5. Recursos para transmitir a mensagem nos sistemas utilizados:

Mais da metade (52%) utiliza sistemas com recursos primários de transmissão, como e-mail e skype, que apresentam dificuldade em direcionar as ideias e organizar o conteúdo, além de misturar facilmente informações de diversão e trabalho.

6. Percepção dos estudantes sobre a divisão e andamento das tarefas:

A maioria (59%) apontou ter um controle parcial sobre o andamento das tarefas conjuntas, que somados aos 11% que apontou não ter nenhum controle, 70% dos estudantes encontram algum ou total grau de dificuldade na coordenação do conteúdo com os sistemas utilizados.

7. Sobre a necessidade de sistemas que recursos de coordenação:

O fato de 98% apontarem para uma necessidade de mudança, comprova a importância do desenvolvimento de sistemas com recursos que se adequem às necessidades da comunicação e colaboração online e à realidade dos costumes e aprendizado atuais. 

Para atender os estudantes neste modelo comportamental do século XXI, os sistemas online devem oferecer uma experiência simples e intuitiva.

De maneira geral, a pesquisa realizada com estudantes mostra a utilização de sistemas que apresentam mais familiaridade aos costumes de comunicação atuais, mesmo apresentando certa dificuldade de coordenação das atividades e pouca assertividade na articulação das ideias para objetivos conjuntos.

Ainda segundo Preece, para que essa dificuldade seja minimizada, é necessário integrar as formas de transmissão da informação: conversação, coordenação e percepção, somadas à linhas educacionais, métricas do comportamento comportamental e cognitivo.

Com tecnologias digitais como parte do aprendizado, os estudantes aprendem e compartilham informações de forma rápida e natural, porém, sem haver ainda uma abordagem que integre educação e tecnologia para o envolvimento de estudantes e professores.

A mediação do professor auxilia o acompanhamento adequado das atividades e uma avaliação eficaz em trabalhos conjuntos. Em cursos de curta duração, base da pesquisa deste estudo, a avaliação tradicional pode levar a resultados insatisfatórios no aprendizado, sem que haja tempo para uma readequação.

Portanto, os sistemas online atuais devem apresentar recursos adequados a contexto colaborativo da educação, como área de acompanhamento das atividades e conversa com o professor, entre outros aspectos sistêmicos que permitam o a clara divisão das tarefas e andamento de projetos, além de permitir a avaliação adequada do aprendizado.

Contudo, as instituições de ensino precisam estar envolvidas para incentivar os alunos a desenvolverem suas novas habilidades de colaboração e se sentirem estimulados em compartilhar o conhecimento, pois, por melhores que sejam os sistemas desenvolvidos, ainda serão ferramentas facilitadoras do processo no qual o elemento principal serão sempre as pessoas.

REFERÊNCIA

ALMEIDA, Murilo Teixeira de. Metodologia para Sistema Colaborativo Online. São Paulo, 2013. Trabalho de conclusão de curso (Pós Graduação em Gestão do Design) – Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, São Paulo, 2013. [Orientadora: Profa. Ma. Leila Rabello de Oliveira].


Fonte: Artigos Administradores / Como vencer os obstáculos do meio digital e facilitar a colaboração dos estudantes?

Os comentários estão fechados.