Compre da China: 12 dicas para começar a importar agora!

Compre da China: 12 dicas para começar a importar agora!

Neste artigo, o autor da dicas básicas de como fazer uma importação. Os cuidados que devem ser tomados, documentações necessárias para ter uma importação correta e sem riscos

Com a China cada vez mais próxima do mercado brasileiro, o conceito que fazemos dos produtos chineses tem mudado significativamente nos últimos anos, fazendo com que muitos deles caiam no gosto do consumidor. Por aliarem preços atraentes à boa qualidade, esses produtos apresentam competitividade crescente. Assim, uma boa parcela dos compradores daqui já se habituou a buscar especificamente por eles, o que faz com que a importação do mercado chinês se torne mais necessária para suportar a demanda que cresce constantemente. 

Contudo, como qualquer mercado fornecedor, o chinês também mantem as próprias especificidades e o acesso a ele deve ser feito com atenção. Além disso, com a economia mundial instável, essa atenção deve ser redobrada, sobre tudo para detectar oportunidades de negócio que surgem justamente em épocas como a atual.

Por isso, preparamos uma série de dicas para que você  compre mais da China com segurança. Confira: 

Dólar em alta 

A primeira consideração que temos é para a cotação do dólar, que vem apresentando forte elevação de uns tempos pra cá. Como resultado, é de se esperar que haja uma redução no nível das importações de produtos, uma vez que os custos das operações no mercado internacional também sobem com a alta da moeda norte-americana. Contudo, é curioso perceber que justamente nessa situação que a importação direta da China se torna vantajosa. 

É preciso considerar que, de modo geral, o varejista compra uma importadora. Com o dolár alto, essa importadora terá que repassar para os produtos a variação de câmbio, fazendo com que eles cheguem muito mais caros às prateleiras. Contudo, se o varejista tem boa capacidade de compra, ele poderá fazer a aquisição de produtos diretamente da China, sem a intermediação do importador, o que melhorará a margem de lucro no varejo. Mas, para isso, preciso saber como importar. 

Importação Simplificada 

Geralmente, o comerciante acredita que para atuar na importação é preciso ter uma empresa especializada no comércio internacional, o que exige um longo processo de habilitação no Radar/Siscomex. De fato, essa habilitação é necessária, mas o que nem todo mundo sabe, é que ela poder ser feita na modalidade Importação Simplificada  que permite que qualquer empresa, ou mesmo uma pessoa física compra diretamente de outros países com menos burocracia.

Então, a primeira providência que você deve tomar antes de começar a comprar da China é se cadastrar no Radar/ Siscomex, o que pode ser feito gratuitamente. 

Despachante Aduaneiro 

A próxima etapa é buscar um despachante aduaneiro, o que é o profissional habilitado para ajudar você em todas as etapas da importação, fazendo a liberação e a nacionalização de cargas e o cálculo os impostos, entre outras funçoes. No Brasil, é obrigatório o envolvimento desse profissional nas transações internacionais. Portanto, busque um bom despachante aduaneiro uma vez que ele pode representar um excelente aliado para o seu negócio de importação. 

No site da receita federal, você encontra todas as informações sobre este profissional.

Fique por dentro das exigências legais  

Naturalmente, é preciso que você conheça todas as exigências legais necessárias para que um produto possa ser importado, o que o seu despachante aduaneiro também deve verificar. Certifique-se junto aos vários órgãos nacionais (Inmetro, Anvisa, Ministério do Trabalho, entre outros) se determinado produto precisa de algum tipo de certificação especial para atender às normas brasileiras, o que pode significar algum custo extra para que o produto seja homologado no Brasil.

Nunca acredite nas afirmações de fornecedores de que o produto é certificado em nosso país. Sempre consulte se as certificações que porventura possam ser apresentadas são, de fato, válidas.

Estude o mercado chinês   

Depois de cuidar de todas as etapas que devem ser cumpridas no Brasil, é hora de voltar os olhos para mercado chinês, que passará a ser o seu fornecedor. Procure conhecer os principais exportadores existentes na China, quais são os preços praticados naquele país e as regras próprias da cultura de negócio que eles praticam. Também obtenha informações detalhadas dos produtos (fotos, descrições, especificações técnicas, entre outras) e peça amostra. 

Levante o máximo de informações possíveis, pois isso será fundamental para a próxima etapa. 

Viabilidade econômica 

Para se certificar de que o seu projeto de importação é de fato viável, de posse de todos os dados que você coletou na etapa anterior e junto com seu despachante aduaneiro, calcule todos os custos de importação de impostos que serão cobrados, acrescente seus próprios custos e margem de lucro e verifique se os produtos manterão competitividade em solo nacional. 

Audite os fabricantes 

Saber quais são as condições físicas das fábricas, capacidade de produção e conhecer a documentação dos fabricantes é importante para você saber com quem você estará lidando. Como na China não existem órgãos que fazem a análise financeira da empresa, como SPC e o Serasa, você deve se esforçar para conhecer a situação dos seus fornecedores 

Fechando negócio 

Depois que você ja se cercou de todos os cuidados é hora de estabeleçer os termos e as condições de negócio, após o que você deve solicitar a fatura de pagamento, internacionalmente conhecida como Performa Invoice (PI). Antes de pagar, verifique se toda a documentação está correta, o que muitas vezes não acontece em negociações com fornecedores da China que podem não enviar os documentos solicitados ou envia-los  em caracteres chineses – enquanto o correto seria se estivesse em inglês. 

A documentação deve ser verificada também pelo seu despachante aduaneiro e estar de acordo com as leis brasileiras, pois ela é preliminar para a emissão da Fatura Comercial, ou Commercial Invoice (CI) nos padrões do mercado exterior. 

Inspecione

Fazer inspeções constantes, do início da produção ao embarque das mercadorias, é fundamental para garantir a qualidade dos produtos que você importará. Não basta confiar na auditoria e nem é possível confiar somente nas informações dos fornecedores. A única forma de assegurar que tudo sairá como você pretende é inspecionando.

Frete e seguro

Com a mercadoria pronta, é hora de cuidar da contratação do frete e do seguro dos produtos, que poderá ser feito pelo próprio agente de carga ou diretamente com a seguradora.

Checklist

Como você pôde perceber, é possível buscar boas oportunidades de negócio na China e comprar os produtos diretamente de fornecedores chineses, desde que siga uma série de passos que garantirão o sucesso do negócio. Para tanto, é fundamental manter uma boa organização para que ninguém fique perdido ou que deixe de cumprir etapas importantes. Nesse sentido, um checklist que registre todas as etapas que você deverá seguir funcionará como uma ferramenta de segurança para que o seu investimento no comércio internacional aconteça.

Informe-se constantemente

Por fim, é sempre bom dizer que buscar uma consultoria sobre a importação da China, ler e fazer cursos sobre o assunto sempre são iniciativas saudáveis para quem busca abrir os horizontes para o comércio internacional.

Você pode começar este caminho assinando nossa newsletter! Acompanhe nossas dicas e informações sobre o mercado da China e tenha um negócio de sucesso!

Publicado originalmente em http://chinagate.com.br/compre-da-china-12-dicas-para-comecar-a-importar-agora/


Fonte: Artigos Administradores / Compre da China: 12 dicas para começar a importar agora!

Os comentários estão fechados.