CPMF e outros "presentes"

CPMF e outros “presentes”

O governo nos impõem variáveis não influenciáveis e qual será a nossa reação?

Ontem o governo brasileiro anunciou um pacote de medidas econômicas que se mostram tardias e oneram novamente ao povo brasileiro em especial a classe empresarial, as medidas visam redução do deficit pelo aumento da arrecadação através da recriação da CPMF, que segundo o ministro Levi, deve durar“somente”  quatro anos, deixando a cargo do próximo governo a extinção ou manutenção das mesmas. O montante a ser economizado e arrecadado é de 64,9 bilhões de Reais para atingirmos um superavit primário no PIB de 0,7% e deste montante 26 bilhões de Reais serão de cortes nos gastos públicos conforme segue:

  • Adiar o reajuste dos servidores, R$ 7 bilhões;
  • Suspender concursos públicos, R$ 1,5 bilhão;
  • Eliminar abono de permanência para servidores aposentados, R$ 1,2 bilhão;
  • Implementar teto remuneratório do serviço público, R$ 800 milhões;
  • Reduzir custeio administrativo, R$ 2 bilhões
  • Mudar fonte de investimentos no PAC – Minha Casa Minha Vida – R$ 4,8 bilhões;
  • Mudar fonte de investimento no PAC, exclusive Minha Casa Minha Vida – R$ 3,8 bilhões;
  • Cumprir o gasto constitucional com Saúde, R$ 3,8 bilhões;
  • Rever estimativa de custos com subvenção agrícola – R$ 1,1 bilhão.

Todas as medidas são impopulares e dependem de vontade da classe politica, todavia, o remédio pode ser amargo, mas é necessário. Tempos trabalhosos virão por ai e a incerteza que ronda o mercado preocupa, pois a falta de dinheiro leva a inercia econômica impedindo que a roda gire.

Várias lições podemos tirar deste momento:

  1. Não deixe os ajustes que você deve fazer hoje para amanhã, pois amanhã ele será mais caro e doloroso (eles deixaram);
  2. Austeridade  é uma palavra feia, mas de grande valia, seja austero em seus negócios gastando com sabedoria (não fazia parte do vocabulário deles);
  3. Se não sou capaz de administrar tudo, contrato quem possa me ajudar (só depois que o S & P rebaixou a nota que eles descobriram oportunidades?);
  4. Como não podemos tributar a terceiros, podemos economizar no valor que somos tributados (eles podem);
  5. Inove na sua capacidade de gerar valor ao teu negócio, acredite em Deus e em si mesmo (acho que até isto falta a eles).

Convido-os a participarem de grupos de dscussão como o “Governança Tributária” onde em conjunto com pessoas da área discutimos os melhores caminhos para condução do processo tributário nas empresas, sempre objetivando cumprir a lei e pagar somente o justo tributo.

Boas reflexões e que Deus nos ajude hoje e sempre.


Fonte: Artigos Administradores / CPMF e outros “presentes”

Os comentários estão fechados.