Credibilidade: é possível reconquistar?

Credibilidade: é possível reconquistar?

O resgate da credibilidade na qualidade das obras executadas pela Prefeitura do Rio de Janeiro para as Olimpíadas de 2016, após a recente queda da ciclovia Tim Maia, em São Conrado, Zona Sul do Rio de Janeiro, exige medidas extremas.

“Um prédio leva anos para ser contruído e segundos para ser implodido. Assim é a credibilidade. O esforço para mantê-la é no mínimo 50 vezes menor do que para ser reconquistada, isso se for possível. Em alguns casos, jamais!”. Flávio Augusto,  empresário brasileiro, fundador da Wise Up.

Há uma história, ocorrida no século XIX, que diz que uma grande fábrica de produtos químicos, localizada nos Estados Unidos, explodiu, trazendo como consequência a morte de muitos trabalhadores e um imenso prejuízo para os seus investidores. O presidente mandou construir uma nova fábrica, porém, a imagem da empresa ficou maculada pelos acontecimentos. Na ocasião, havia o entendimento de que a causa do acidente foi um profundo descaso com a segurança das pessoas e isto gerou uma grande desconfiança em todos. Buscando restabelecer a confiança perdida dos trabalhadores, investidores, população do entorno, órgãos de fiscalização e todos os seus STAKEHOLDERS, o presidente da empresa, como medida extrema, mandou construir dentro das instalações da fábrica uma casa onde ele passou a morar, junto com a sua família. Esta sua atitude de humildade, aprendizado e confiança na engenharia, fez com que a imagem da empresa fosse resgatada e hoje ela é uma referência mundial em segurança industrial.

Hoje, o prefeito do Rio de Janeiro encontra-se na mesma situação daquele executivo e precisa por em prática atitudes extremas para debelar a crise de confiança que se espalhou pelo Brasil e pelo mundo em relação a capacidade do Rio de Janeiro em realizar as Olimpíadas 2016.

Independente de minhas posições político/partidárias, tenho admiração pela capacidade do Advogado e Administrador público Eduardo Paes. Em meio ao naufrágio financeiro do Governo Federal e do Governo Estadual, ele tem conseguido, com grande maestria, manter a Prefeitura do Rio de Janeiro incólume. Tenho certeza que isto está relacionado à sua capacidade de articulação politica e econômica.

Se ele, como prefeito, conseguir reconstruir a ciclovia, destruída pelas falhas de projeto e de montagem, dentro do exíguo espaço de tempo que nos separa do inicio do evento, ainda terá que lidar com a imensa crise de credibilidade atualmente estabelecida.

Quem é o cidadão que vai se arriscar a trafegar nesta ciclovia depois do acontecido?

No meu entendimento, só existe uma pessoa na terra que poderá restabelecer a credibilidade perdida: O Prefeito do Rio de Janeiro,  Sr. Eduardo Paes.

Como? Aproveitando a sua vocação de esportista e tornando-se um usuário diário desta ciclovia em toda a sua extensão.

Se eu estivesse no lugar dele, anunciaria imediatamente que, logo depois da reinauguração, o prefeito será o primeiro usuário da ciclovia e que fará todo o percurso dela a pé ou de bicicleta e que, a partir dai, se tornará um usuário cotidiano dela.

Logo que ela fosse reinaugurada, cumpriria a promessa.

Creio que esta seria uma atitude que contribuiria de forma significativa para o regaste da credibilidade para a nova ciclovia, para as Olimpíadas 2016, para a cidade do Rio de Janeiro e para o Brasil.

 


Fonte: Artigos Administradores / Credibilidade: é possível reconquistar?

Os comentários estão fechados.