Crise: empresas optam por bancos de permuta para quitar dívidas com fornecedor

Crise: empresas optam por bancos de permuta para quitar dívidas com fornecedor

Permuta é uma ferramenta muito utilizada na conciliação entre credores e empresas inadimplentes

Com a crise econômica que abala o Brasil desde o segundo semestre do ano passado, muitas companhias de diferentes portes sofrem a instabilidade do mercado causada pela queda do poder de compra do consumidor. Com vendas de serviços ou produtos abaixo do normal, as empresas ficam com menos dinheiro em caixa e, por isso, precisam equilibrar as contas e, dentro das possibilidades, honrar os contratos já firmados com fornecedores e parceiros.

Segundo economistas, a recessão abalou primeiramente as grandes empresas que são setores indutores de crescimento, como as indústrias e a construção civil, e agora os chamados seguidores da atividade econômica, que são os comércios e os serviços. Desta forma, neste semestre a crise já afeta também grande parte das médias, pequenas e micro empresas destas áreas.

Como as pessoas estão deixando de gastar por causa da crise, a maioria dos setores da economia entram em declínio e as companhias deixam de produzir, porém os empresários precisam buscar alternativas para manter o negócio na ativa. Por isso, para ganhar fôlego diante da recessão, a saída é a negociação e o bom relacionamento comercial, que permita a não utilização de dinheiro de forma total ou parcial e sim créditos na forma de produtos ou serviços.

Muitos desconhecem ou nunca usaram, mas a permuta é mais uma forma de pagamento, que pode facilitar também em momentos em que os pagamentos precisam ser negociados. Por exemplo, uma loja de móveis – cadastrada a uma rede de permutas -, que firmou um contrato para reforma do showroom com um escritório de arquitetura e de repente se viu sem recurso para honrar parcelas pendentes do serviço contratado e já prestado. Para quitar o débito, a empresa, após entrar em acordo com o fornecedor, solicita o cadastro na rede para que desta forma possa quitar a dívida através da permuta.

Essa tem sido uma maneira muito usada por inúmeras empresas de diferentes segmentos e tamanhos, para reduzir a utilização do real (moeda), dando um “respiro” ao caixa da corporação. E no período da crise a rede de permuta também serve para compensar as perdas causadas.

Muitas empresas entram na rede de permuta para receber pendências e acabam permanecendo, pois percebem que é um meio de negócio interessante, que pode ser utilizado como canalizador de novos negócios, com benefícios que auxiliam instituições em seus faturamentos, pagando dívidas ou na aquisição de bens ou serviços necessários com troca. Desta forma, os administradores acabam descobrindo que é lucrativo depositar em um banco de permuta produtos em estoques ou serviços ociosos. Sendo assim também uma maneira benéfica na conciliação entre credores, e empresas inadimplentes.

Porém é importante lembrar que a permuta não pode ser o principal meio de venda ou pagamento de uma empresa, mas pode ser vista como mais uma estratégia de negócios, relacionamentos comerciais e vendas.

Alessandro CandianiPresidente da Permute (http://www.permute.com.br).


Fonte: Notícias Administradores / Crise: empresas optam por bancos de permuta para quitar dívidas com fornecedor

Os comentários estão fechados.