Crise? Onde?

Crise? Onde?

Cada dia que passa, nos deparamos com informações e mais informações dando conta de que o momento é delicado, de que os números estão atingindo patamares negativos, de que o país está parado, de que ninguém não está vendendo nada, ou não tem dinheiro para nada

A Cada dia que passa, nos deparamos com informações e mais informações dando conta de que o momento é delicado, de que os números estão atingindo patamares negativos, de que o país está parado, de que ninguém não está vendendo nada, ou não tem dinheiro para nada.

As perspectivas não andam nada boas quanto a um futuro próximo: Dólar na casa de R$4,00; Inflação ultrapassando os 9% no fim de 2015; Queda do produto interno bruto na casa de 2 a 3% ao final de 2015; Taxa de desemprego apontando para 2 dígitos a partir de 2016; Além da famigerada taxa SELIC, na casa dos 15%….

Acredito que até então, todas as informações que te passei são conhecidas, porém, vou lhe passar uma nova informação: SÓ SENTE OS EFEITOS DA CRISE QUEM NÃO ESTÁ PREPARADO PARA ELA!

Os indícios eram conhecidos desde o início de 2014.

Mas a ótima notícia é que mesmo que você esteja sentindo os efeitos da crise, é possível minimizá-los. Veja algumas situações das quais você pode se auto ajudar:

  • Aperte os cintos: Nada de comprar a médio e longo prazo, com muitas parcelas. A hora é de paciência.Pergunte sempre se o gasto é urgente, se não for, relaxe e não concretize esse gasto.
  • Compras complexas nem pensar!!!: Carro, Casa,… nada de adquirir agora, principalmente se for financiar. Os juros estão caríssimos.
  • É hora de zerar o cheque especial: Se você estiver no cheque especial, caia fora. Se não tiver como pagar, apele para um empréstimo consignado, os juros são mais baixos.
  • Nada de financiar o saldo do cartão de crédito: São os juros mais altos do mundo. Se não tem dinheiro para pagar a fatura integral, é simples: NÃO COMPRE!!!
  • Desenvolva planilha dos seus gastos: A chave para isso é ter disciplina. 1 vez ao dia coloque em uma planilha todos os gastos diários, e assim, no fim do mês, estará sabendo onde está o “vazamento” de seu dinheiro, lhe possibilitando que realize algumas mudanças nos gastos.
  • Corte gastos supérfluos: Almoça em restaurante todo fim de semana, mude para 1 vez ao mês; Viaja todo mês, mude para 1 viagem ao semestre; Bebe todos os dias, mude seus hábitos; Troque o cinema pelo conforto de sua casa, com um bom filme no DVD ou na TV a cabo.
  • Tenha um plano B: Para o caso de algum contratempo, alguma doença na família, algum gasto que não está no orçamento, tenha sempre um plano B, ou seja, uma reserva, uma possibilidade de renda extra, etc…
  • Faça isso por você e por sua família: Tudo que você venha a fazer nesse período, faça por você e sua família, não por modismos. Tenha a convicção de que isso é o melhor a fazer, não faça por que os outros estejam fazendo.
  • Revise as suas despesas: faça uma análise de suas despesas mensais, e corte o que for necessário. Um cafezinho diário pode ter o mesmo gasto, no fim do mês, que uma fatura de celular. O que é melhor, passar a tomar café em casa, ou cortar o celular?

Lembre-se: Todas as dicas acima não são fáceis, mas é o que você tem de fazer, para o seu bem e de toda a sua família.      QUEM DESENVOLVE ESSA CARTILHA,NÃO ESTÁ COM PROBLEMAS NESSE PERÍODO, pois fez o dever de casa, se controlou, e agora pode passar por esse período de maneira menos turbulenta.

Posto isso, você provavelmente deve ter tido as suas dúvidas respondidas. Fato é que de vez em quando, passávamos  por alguns amigos, comentávamos da crise, e ouvíamos a seguinte resposta:

CRISE? ONDE?


Fonte: Artigos Administradores / Crise? Onde?

Os comentários estão fechados.