Desafios da sociedade do conhecimento

Desafios da sociedade do conhecimento

Durante o processo econômico mundial, o Brasil passou por diversas transformações sociais e econômicas ao longo do período República Velha (1889-1930), tivemos a evolução de uma economia essencialmente agrícola para a industrial.

A partir da década de 80, devido transformações organizacionais, alguns paradigmas foram quebrados e a forma como víamos as carreiras foram transformadas (Dutra, 1996).

As mudanças tecnológicas contribuíram com as alterações nas organizações e no ambiente de trabalho. Nos dias atuais, podemos identificar um novo modelo econômico denominada “economia do conhecimento”, uma vez que, o indivíduo que a tem acesso à informação pode tanto dominar setores como desenvolvê-los (Andriani & Zomer, 2002).

Esta economia fundamentada em conhecimento e arrasta a linha da riqueza e do desenvolvimento de setores industriais tradicionais (mão-de-obra, matéria-prima e capital) para setores onde os produtos, processos e serviços são baseados em tecnologia e conhecimento.

Enquanto na economia industrial o foco era voltado para a produção em grande escala, produzindo produtos em grande quantidade com a finalidade de obter um produto com o preço de venda mais baixo; os consumidores de hoje (em sua grande maioria) buscam produtos e serviços customizados, que vão ao encontro de suas expectativas individuais; este é um o modelo de produção é baseado na flexibilidade.

Dessa forma, podemos considerar que o profissional dos dias de hoje deve ter características como, flexibilidade, criatividade e para a atividade, ele deve “aprender a aprender” para manter-se constantemente atualizado.

Segundo Douglas Aldrich (Dominando o mercado digital, Makron Books, 2000), os indivíduos anseiam “fazer as coisas cada vez mais rápido e numa intolerância cada vez maior com o que consideram desperdício de tempo”.

Na sociedade do conhecimento, valoriza-se o profissional empreendedor e que tenha a capacidade de inovar. Enquanto no entendimento tradicional de carreira o indivíduo deve adaptar-se as oportunidades postas pelas organizações, os principais componentes residem no cargo, senioridade, sistema escalar de remuneração, na visão atual as organizações devem (ou deveriam) aceitar e oferecer as condições necessárias para realização das expectativas e demandas dos empregados, seus principais componentes situam-se na: valorização da habilidade,  consideração do valor agregado e na flexibilidade da remuneração.

Uma vez que a inovação é decorrente de “pessoas”, o ser humano passa a ser a peça chave da estratégia para a empresa, traçando assim, o principal diferencial competitivo frente ao mercado.

Portanto a busca constante por um processo de gestão de pessoas eficaz faz parte da organização que visa aumentar sua performance e otimizar seus resultados. 


Fonte: Artigos Administradores / Desafios da sociedade do conhecimento

Os comentários estão fechados.