Driblando a crise: como dar a volta por cima e prosperar

Driblando a crise: como dar a volta por cima e prosperar

O princípio da solução da crise passa pela nossa atitude mental diante dela, medo ou fé, o que vamos alimentar?

Há mais ou menos 30 anos atrás conheci um próspero empresário que residia com sua família em uma cidade do interior do nosso país. Era uma típica família patriarcal do interior, onde o pai sustentava a família e a esposa se dedicava a criação de seus dois pequenos filhos. A esposa não sabia nada sobre os negócios e não conhecia nada sobre isso. Tudo ia bem com este arranjo até o dia em que uma terrível crise se abateu sobre a empresa dirigida pelo marido. Ele, homem orgulhoso e vaidoso, na tentativa de manter o padrão de vida, sem saber lidar com a situação, não pediu ajuda e se afundou em dividas. Quando chegou no fundo do poço, bateu o desespero e o medo tomou completamente o coração daquele homem. Não vendo solução para os problemas, isolado pelo seu orgulho, incapaz de reverter o quadro, ele decide se suicidar e dá cabo da própria vida.

Deixou uma viúva, dois filhos pequenos e um monte de contas para se pagar. Aquela mulher tinha duas opções: Suicidar-se ou assumir o controle de sua vida e da vida de seus dois filhos.

Seu marido, além da enorme dívida, deixou o vazio emocional produzido pelo suicídio. Ela estava completamente destruída financeira e emocionalmente! Mesmo assim, ela resolveu acreditar em um futuro melhor, até porque, como mãe, não poderia abandonar seus filhos no meio daquela imensa crise. Arregaçou as mangas e foi trabalhar! Acreditou que as coisas impossíveis se materializariam, caso continuasse crendo.

Como não entendia nada da empresa e dos negócios do marido, vendeu tudo o que tinha disponível e usou a liberdade de escolher trabalhar em qualquer área que lhe agradasse. Assim fez, conversou com um, conversou com outro, ouviu muitas ideias e sugestões e lá pelos idos do início do ano 1990, iniciou um micro negócio de informática em uma pequena cidade do interior do Brasil.

Nos últimos 26 anos, sua empresa cresceu a taxas bem superiores as taxas de crescimento da maioria das empresas do setor e hoje ela é uma grande empresária neste ramo de negócios. Seus filhos cresceram e se tornaram homens de sucesso. Um deles se graduou e se especializou em administração de empresas e é o CAO da empresa criada pela mãe. O outro, mais moço, se especializou na área médica e atualmente é professor, com pós-doutorado, em HARVARD, uma das melhores universidades americanas e do mundo. Ela voltou para sala de aula, estudou e se formou em administração. Já viajou pelo mundo todo. Enfim, sucesso total!

O marido desta mulher não viveu para ver isto tudo acontecer, apesar de ter, na ocasião, muito mais capacidade de realização do que ela.

Por que com ela deu certo e com ele não? Me parece que a resposta é óbvia. Ele se deixou levar pelo medo e este medo levou-o a morte. Ela se deixou levar pela fé e está fé levou-a ao sucesso.

Diante de nós estão estes dois caminhos: O caminho da vida e o caminho da morte!

O caminho da morte é trilhado pelos que se deixam soterrar pelo medo. O medo, quando alimentado, é capaz de suplantar o amor pelos nossos filhos, nosso cônjuge e por nós mesmo. O medo mata nossos sonhos, nossos projetos, nossas expectativas, nosso futuro e as nossas esperanças. O medo, quando bem alimentado, é capaz até de nos levar a morte!

O caminho da vida é trilhado por aqueles que têm fé e acreditam que somos capazes de reescrever a nossa própria história, independente das circunstâncias que nos cercam. São aqueles que, mesmo abatidos, não se entregam. Pessoas que aproveitam o mar agitado da vida para surfar o máximo de ondas possíveis, esperando a onda perfeita, aquela que lhes trará o resultado que almejam.

Estamos diante de uma grande crise que tem abalado o nosso país. São mais de 11 milhões de pessoas desempregadas, recessão, inflação, instabilidade política, instabilidade econômica, empresas “quebrando”, enfim, um quadro bastante desolador.

Como podemos dar a volta por cima e prosperar?

Há muitos trabalhos teóricos disponíveis falando a respeito deste tema, livros excelentes e testemunhos fantásticos nos estimulando a caminhar em busca da virada, porém, a essência de tudo está em nossa decisão sobre aquilo que vamos alimentar: o medo ou a fé.

Se alimentarmos a fé, matamos o medo de fome. Se alimentarmos o medo, matamos a nossa fé. Estas duas forças são excludentes.

O caminho da vida ou da morte inicia-se na nossa decisão sobre aquilo que vamos alimentar.

O medo é alimentado pelas notícias ruins e pelo crédito pessoal que damos a elas. É mais ou menos assim: Muita gente pensa que se o país está em recessão e esta recessão nos alcançou, só vamos sair da nossa recessão pessoal quando o pais, como um todo, sair da recessão global. Desculpe-me, mas, esta afirmação não é verdadeira, apesar de muitos acreditarem nela. A história registra que a crise propicia o ambiente ideal para o afloramento de ideias criativas, inovadoras e lucrativas. O medo, pelo contrário, nos sobrecarrega emocionalmente, nos impossibilita o pensamento criativo e nos torna incapaz de ver outra coisa que não seja o problema. O medo nos amargura, nos entristece, nos engana, nos enche de autocomiseração e por fim, nos destrói. Apesar disto tudo, alimentar o medo é a opção da maioria.

A fé é a opção racional no meio da crise. A decisão de crer em si e em seu potencial é o primeiro passo em direção a vitória. À medida que vamos crendo, passamos a ter uma visão espacial da crise, como se não fizéssemos parte dela e sim da sua solução. Ela não nos aprisiona, mas nos incomoda, fazendo com que queiramos mudar de posição, sair da zona de conforto.

A fé, assim como o medo, precisa ser alimentada, porém, são alimentos diferentes. A fé é alimentada pelos estímulos positivos provocados através da boa leitura, dos testemunhos positivos e do compartilhamento das experiências.

a)      Boa leitura – O tempo é um ativo precioso, preencha-o da forma mais produtiva possível, lendo livros, artigos, revistas, jornais, etc… coisas que agreguem valor ao seu projeto pessoal, ainda que você não saiba muito bem qual é o seu projeto pessoal. Pode ser que a oportunidade da sua vida esteja escrita ou descrita em algum lugar. Procure ler textos que alimentem a sua fé. 

b)      Testemunhos – No meio de bilhões de habitantes que vivem em nosso planeta hoje, há alguns milhões de pessoas que, mesmo no meio das adversidades, têm conseguido alcançar o sucesso pessoal. Geralmente, estas pessoas são generosas e compartilham seus testemunhos. Falam das dificuldades e dos métodos criativos que desenvolveram, implantaram e alcançaram o seu objetivo. Não tente inventar a roda, aperfeiçoe-a. Você ouve os testemunhos, aprende com eles e implanta seus ensinamentos em sua vida pessoal e nos seus negócios. A bíblia diz que a fé vem pelo ouvir, procure ouvir testemunhos que alimentem a sua fé. 

c)      Compartilhamento de experiências – A bíblia diz que na multidão de conselhos reside a sabedoria. Compartilhe com as pessoas os seus problemas, ouça o que elas dizem, escolha as melhores sugestões e coloque-as em prática. Converse muito, ouça mais ainda, aproveite a sabedoria dos outros e crie um bom networking, isto lhe será útil pelo resto da vida. Não ceda à tentação do egoísmo, seja gentil com todos, solicito, agradável, amigo e também, bom ouvinte. Cerque-se de gente que compartilhe dos seus sonhos e ideais e que alimentem a sua fé!

 Se praticarmos isto, certamente conseguiremos driblar a crise, dar a volta por cima e prosperar!

 

 

 

 

 


Fonte: Artigos Administradores / Driblando a crise: como dar a volta por cima e prosperar

Os comentários estão fechados.