E do limão que se faça uma caipiroska!

E do limão que se faça uma caipiroska!

Entenda abaixo como a analogia propõe uma mudança no comportamento do líder

Longe de estar incentivando o consumo alcoólico, quero convidar você para me acompanhar numa lógica que vai nos levar à compreensão do título e talvez ao entendimento do que acontece com a falta de bom humor nos nossos dias como líderes.

Esta expressão que originalmente é usada para nos dar o recado que mediante acontecimentos desastrosos devemos ser capazes de encontrar boas saídas, nesta minha versão, ganha um complemento que eu acredito ser essencial para você cativar a sua equipe de trabalho.

Vamos começar do começo.

Parafraseando um amigo: eu não bebo para ficar bêbado, quando eu bebo é para ficar com aquela sensação de alegrinho!

Já sentiu essa sensação?

Pois é. A bebida, bem controlada, muitas vezes nos leva a dar uma risada mais gostosa, a ter momentos de sinceridade inquestionáveis e também nos coloca dispostos a expor nossas opiniões com uma franqueza e determinação quase indescritíveis.

Ela também nos deixa mais sociáveis e permite que consigamos transmitir nossos sentimentos sem nos preocupar muito com as críticas que irão nos fazer por sermos pessoas que gostam de GENTE!

Insisto em colocar limites nesse exemplo, pois todos sabemos que se uma pessoa perde o senso de quanto está consumindo de álcool, ela passa do agradável ao insuportável em poucos segundos. Portanto, vamos explorar o lado bom desta experiência.

Cientistas que analisam nossos comportamentos, alegam que um ser humano só é capaz de replicar um sentimento quando ele já vivenciou uma situação e experimentou a sensação.

Se formos lembrar de como os artistas constroem seus personagens é muito comum ouvirmos que eles fizeram um laboratório antes de gravarem ou se apresentarem. Isso é feito, para que eles possam ter a chance de sentir na “pele” as sensações e sentimentos de um determinado personagem, sendo capazes de replicar com autenticidade esta vivência.

Chegou a hora de cruzarmos as informações e da mesma maneira que os artistas, buscarmos nas nossas sensações o que podemos aproveitar de algo que já vivemos.

Vamos lá?

Lembrando da Caipiroska, rsrsrs.

Imagine então, que ao pensarmos em resolver um problema mesmo que o mesmo nos pareça de difícil solução, possamos incrementar às nossas atitudes uma certa quantidade de:

 Uma risada bem gostosa, para demonstrar a quem está do seu lado que você pode encarar os problemas com todo o profissionalismo que te cabe, fazendo isso de uma maneira leve e convidativa, levando sua equipe a ter prazer em solucionar o problema;

Momentos de sinceridade inquestionáveis, fazendo com que as pessoas que te rodeiam possam confiar em você a qualquer tempo, já que o desespero não te leva a cometer atos que deponham contra a sua integridade, mostrando a todos que a sua palavra é mantida mesmo sobre pressão;

Dispostos a expor nossas opiniões com franqueza, mostrando uma transparência para os que convivem com você e precisam identificar no seu comandante sempre os mesmos valores, tanto nos momentos fáceis como nos difíceis;

Pessoas que gostam de gente, compreendendo que você valoriza o ser humano com quem trabalha, sendo capaz de demonstrar estes sentimentos e encorajar outras pessoas que façam o mesmo, elevando o entendimento de todos em relação a fragilidade da equipe e das possíveis formas de se lidar com isso.

Parece totalmente maluco trazer um momento de descontração e lazer para situações onde existe um problema a ser resolvido. Agora reforço o meu convite para que você seja um líder motivacional para a sua equipe nos momentos difíceis, já que esta é uma forma espetacular de encontrar mais rápido a solução desejada.

Para se manter como motivador eu acredito que podemos ter inspiração nas nossas próprias vidas, trazendo para os momentos mais delicados nosso jeito de ser quando nos encontramos comemorando, confraternizando e nos divertindo.

É claro que temos a responsabilidade de resolver os problemas que são apresentados no dia a dia, como também é lógico que não podemos fazer de nosso ambiente de trabalho uma festa descabida.

Podemos sim, sermos pessoas cativantes, trazendo uma maneira contagiante de termos nossos líderados ao nosso lado.

Com essa prática, bem provável que você consiga chegar no fim do mês com vontade de brindar junto com todo o seu pessoal.

Tim Tim!

Abraço!


Fonte: Artigos Administradores / E do limão que se faça uma caipiroska!

Os comentários estão fechados.