E quando o Líder age com Sabedoria e Justiça?

E quando o Líder age com Sabedoria e Justiça?

Você tem sido justo nas suas decisões? Tem decidido com sabedoria?

Olá, líder! Como está a sua equipe?

Você tem conseguido entender quais das suas competências precisam ser desenvolvidas para que os resultados da sua equipe e do seu negócio cresçam?

Que comportamentos precisa mudar?

Você tem sido justo nas suas decisões? Tem decidido com sabedoria?

Lendo a bíblia hoje, especificamente o livro de 1 Reis 3. 16 – 28, fiquei encantado com a sabedoria de Salomão para julgar uma questão desafiante.

Antes de citar a passagem, quero deixar claro que creio abundantemente em Deus, e sei que sem ele eu não consigo ser feliz e muito menos alcançarei grandes resultados.

Porém, respeito a crença de todos, inclusive se você não gosta de religião e muito menos da bíblia, por ter outro tipo de crença, também é bem-vindo.

Peço apenas que interprete a leitura com foco em liderança. Se não crê em Jesus como Salvador, eu respeito, mas jamais poderá negar que ele é um grande Líder, que seus ensinamentos são sensacionais, e que a bíblia é uma fonte de sabedoria inesgotável. “O Livro dos Livros! ”

Mas, vamos ao contexto: 1 Reis 3. 16 – 28:

16Certo dia, duas prostitutas comparecem diante do rei para receber seu veredicto. 17Declarou uma das mulheres: “Ó, meu senhor! Eu e esta mulher moramos na mesma casa e eu dei à luz um filho e ela estava comigo na casa. 18Três dias depois de eu ter dado à luz, esta mulher também teve um filho. Estávamos sozinhas naquele momento; não havia mais ninguém na casa. 19Ora, certa noite morreu o filho desta mulher, pois ela, dormindo, virou-se sobre seu filho e o sufocou. 20Ela então se levantou durante a noite, retirou meu filho do meu lado, enquanto tua serva dormia; colocou-o ao seu lado. E pôs o filho dela, morto, ao meu lado. 21Levantei-me para amamentar meu filho e encontrei-o morto! Mas, de manhã, eu o examinei e constatei que não era o meu filho que eu tinha dado à luz! ” 22Então a outra mulher contradisse: “Não é verdade! Meu filho é o que está vivo e o teu é o que está morto! ” E a outra protestava inconformada: “É mentira! Teu filho é o que está morto e o meu filho é este que vive! ” E assim elas se desentendiam diante do rei.

23Então o rei sentenciou: “Uma mulher exclama: ‘Meu filho é o que está vivo e o teu é o que está morto! ’, a outra mulher afirma: ‘Mentira! Teu filho é o que está morto, e o meu filho é o que vive! ’ 24Ora, trazei-me agora mesmo uma espada! ”, ordenou o rei; e trouxeram-lhe imediatamente uma espada afiada. 25Ele prontamente determinou: “Cortai este menino vivo em duas partes e daí metade a uma mulher e metade à outra! ” 26No mesmo instante, a mulher de quem era o filho vivo suplicou ao rei, porquanto suas entranhas se comoveram profundamente em defesa da vida do filho, e clamou: “Ó meu senhor! Que lhe seja dado o menino vivo, não o matem, por misericórdia! ” Contudo a outra dizia: “Que ele não seja meu nem desta mulher tampouco, cortai-o ao meio! ” 27Então o rei ordenou silêncio e deu seu veredicto: “Não mateis esta criança! Daí à primeira mulher a criança viva, porque ela é a mãe verdadeira! ” 28E todo o Israel ouviu dizer do sábio veredicto do rei e passou a respeitá-lo de todo coração, pois constatou que a sabedoria divina operava em sua pessoa para julgar e fazer justiça.

Fico imaginando a situação que Salomão vivenciou e como ele foi feliz usando sua sabedoria para chegar a um justo veredicto. Ele ouviu a história e propôs que o corpo da criança fosse dividido. Fez isso para identificar quem era a verdadeira mãe, pois esta nunca permitiria tal crueldade. E deu certo! Enquanto uma delas tinha compaixão, a outra era motivada pelo ódio.

Aí penso quantas vezes, como Líder, tomamos decisões sem pensar e “matamos” alguém dentro de nossa equipe, destroçando nossos resultados, seja minando a confiança das pessoas dentro da organização, ou demitindo alguém que poderá ser um colaborador que trará grandes resultados.

Lembro que quase demitia um membro de uma equipe que liderei quando tinha 21 anos. O rapaz era simplesmente o melhor vendedor da loja e eu com apenas 15 dias à frente da equipe, queria demiti-lo.

Sabe por quê? Pelo simples fato de achar que não podia ser contestado.

Ele tinha quase 15 anos de empresa, 13 naquela loja, conhecia muito bem os clientes e os processos, sabia dos gargalos, mais eu não o escutava. Queria sair implantando as minhas ideias e planos sem antes me aceitarem como líder. E como já falei em outros artigos, a sua equipe só aceitará os seus planos e ideias, quando te aceitarem como líder, do contrário, você terá que “empurrar pela goela”, e nós sabemos que desta forma sua liderança terá um prazo de validade, e bem curto.

Voltando ao meu liderado, ainda tinha um agravante: ele estava passando por sérios problema familiares, e a separação com a esposa era iminente. Mas eu, na época, com um EGO elevado e com a crença de que “quem manda aqui sou eu e ninguém pode me contestar”, iria prejudicar ele, a minha equipe, os resultados do negócio e os meus resultados.

E não estraguei tudo graças ao meu supervisor que me orientou e pediu para realizar algumas ações que possivelmente reverteriam a situação, antes de executar a demissão… deu resultado! Este rapaz que seria demitido, passou a ser meu braço direito, liderando a equipe junto comigo e alavancando os resultados do negócio.

Eu não estava sendo justo e muito menos usando de sabedoria. Como Líder eu precisava entender que tinha responsabilidade pelo impacto na vida daquela pessoa, daquele ser humano.

Sua liderança será eficaz quando você chegar ao topo junto com outras pessoas.

Chegar ao topo sozinho é estranho… algo de errado aconteceu.

Líder, baseado em que você tem tomado suas decisões mais desafiadoras? Pensando só em você? Com o ego elevado?

Tem usado sua sabedoria? Ou decide de forma rápida e sem pensar nos momentos difíceis, para simplesmente livrar-se do problema, como eu queria fazer no exemplo supracitado?

Você tem sido justo nas suas decisões?

Repetindo o versículo 28 para finalizar:

28E todo o Israel ouviu dizer do sábio veredicto do rei e passou a respeitá-lo de todo coração, pois constatou que a sabedoria divina operava em sua pessoa para julgar e fazer justiça.

Se você passar a dar veredictos e tomar decisões usando sua sabedoria e procurando ser justo, você encantará seus liderados e terá o respeito de quem te segue, inclusive, conquistando novos seguidores. E mais, formará Líderes que saberão agir com sabedoria e justiça.

Aguarde… em 2016: Líderes Avante!


Fonte: Artigos Administradores / E quando o Líder age com Sabedoria e Justiça?

Os comentários estão fechados.