Enquanto uns choram, outros agem

Enquanto uns choram, outros agem

É muito comum em momentos de crise questionarmos e justificarmos as ações políticas que possam influenciar diretamente nossa economia. Mas como será que estamos agindo diante desta crise? Existem pessoas e empresas que conseguem se destacar diante de um cenário tão preocupante? Esse texto trás algumas coisas interessantes sobre a crise e nos fará refletir sobre o nosso papel diante dela

Não é segredo para ninguém que o nosso país vem atravessando nos últimos tempos um momento um tanto quanto delicado em nossa economia, inflação alta, poder de compra das pessoas cada vez menor, desemprego batendo a casa de 10 milhões conforme dados do IBGE e um cenário de muitas incertezas. Empresários, e especialistas no assunto não veem uma boa perspectiva de futuro. Cálculos realizados por diferentes economistas mostram que quando esta recessão econômica for superada, o PIB anual (Produto Interno Bruto, ou seja, a soma de tudo que o país produziu durante o ano), só conseguirá subir 1% ao ano.

 Através deste cenário, muitos questionamentos são feitos ao atual governo, muitas justificativas como por exemplo os escândalos da Petrobrás, o mascaramento da economia por parte do próprio governo, fazendo a população crer que a economia estava indo de vento e popa e a conta chegando momentos mais tarde (Nesse caso, caso no final de 2014 para cá) enfim, questionamentos e justificativas naturais em um momento tão conturbado que estamos passando.

Em contra partida, existem pessoas e empresas que diante esta situação tão temerosa, veem a crise como uma oportunidade de crescimento. E não pensem vocês que para eles o país não está em crise, muito pelo contrário, para eles essa situação é um momento de oportunidade de crescimento.

O Jornal A Gazeta (Jornal do estado do Espirito Santo) do dia 25/03/2016 fez uma reportagem com cinco empresas que além de sobreviverem a crise estão expandindo os seus negócios. Outro exemplo interessante é uma reportagem do jornal A tribuna (Jornal do estado do Espirito Santo) de uma Auto Escola no mercado há 12 anos que possui sedes em duas cidades no Espirito Santo, até em 2017 quer mais duas filiais em duas cidades do estado e futuramente abranger toda a grande Vitória.

Saindo um pouco do ramo do empreendedorismo, podemos citar pessoas que estão utilizando a crise para se destacar no mercado de trabalho. Segundo especialistas, as empresas em um momento conturbado como este, procuram profissionais versáteis, flexíveis, que demonstrem empenho, vontade de crescer, que tenham ideias inovadoras e que focam em resultados. Assim sendo, as pessoas estão buscando aprimorar essas características para se destacarem no mercado de trabalho e estão colhendo os frutos.  É o caso de um gerente de inovação de uma empresa de tecnologia que conseguiu este cargo após apresentar um produto que garante segurança às empresas que oferecem internet aos clientes e que está em conformidade com o novo Marco Civil da Internet, outro caso e de uma ex-vendedora que após ser demitida devido o fechamento da empresa em que trabalhava, atua hoje como doméstica, em alguns casos a pessoa aproveita a habilidade em determinado ramo para abrir um negócio.

O que podemos analisar através desse cenário é que essas empresas e pessoas têm algo em comum para poderem se destacar durante a crise. Características como, planejamento, visão de futuro, perseverança, foco, busca da inovação e ousadia são nítidas nos que buscam o crescimento e apesar de entenderem e saberem a situação que estamos vivendo procuram trabalhar e crescer tudo claro analisando muito bem o cenário e os riscos.

Enfim, a conclusão que podemos chegar é que a crise existe e não há como fugir dela, nos resta escolher se vamos reclamar ou agir para que esse cenário mude o quanto antes, mesmo que algumas coisas não estejam em nosso alcance.

 Fontes:

Jonal A Tribuna

Jornal A Gazeta

http://g1.globo.com/economia/concursos-e-emprego/


Fonte: Artigos Administradores / Enquanto uns choram, outros agem

Os comentários estão fechados.