Eu tive um pai!

Eu tive um pai!

Certo, todo mundo tem ou teve um pai, mesmo aqueles que nunca chegaram a conhecê-lo mas eu tive um Pai/Coaching

Certo, todo mundo tem ou teve um pai, mesmo aqueles que nunca chegaram a conhecê-lo.

Porém, eu tive um grande pai, o que talvez seja, também, o caso e a opinião de muitos.

Então vamos lá: eu tive um Pai/Coaching que estaria completando hoje 79 anos e que ensinou-me as coisas mais importantes para minha vida.

Após 21 anos de sua partida, quero compartilhar parte de nossa história, os ensinamentos que meuPai/Coaching deixou mesmo sem perceber.

Meu pai me ensinou a tolerância às frustrações quando viveu e enfrentou a alternância entre riqueza e a pobreza com a mesma dignidade: foi humilde na abastança e digno nos tempos de escassez.

Ensinou-me que crédito e credibilidade são coisas que se devem preservar a qualquer preço e me explicou que fama, sociedade e fortuna são três impostores que nos abandonam sem aviso. Assim, aprendi sobre lealdade, dignidade e honestidade.

Meu pai me ensinou que livros são tão importantes para o desenvolvimento de uma criança quanto amor e alimento e, por isso, fez de seus filhos grandes leitores por toda a vida e nos ensinou sobre o valor de estudar e aprender sempre.

Meu pai me ensinou o amor à arte. Fui apresentado ao Teatro São Pedro em Porto Alegre aos dez anos de idade entre uma consulta medica e outra e assisti a matinés de grandes companhias de teatro e visitei grandes museus antes dos doze. Isso fez uma grande diferença na construção de meu senso estético e musical.

Ele me ensinou que “coisas” não valem nossas lágrimas quando, diante de meu choro por ter algumas limitações físicas, aos nove anos, contou-me que naquela mesma fase da vida chorava de medo e incertezas ao ser enviado a um colégio interno de monges beneditinos franceses mas engoliu choro e foi a luta e se tornou grato pelo homem que ele se formou dentro daquelas paredes. Isso eu nunca mais esqueci. Nesse dia, aprendi sobre o que realmente tem valor na vida.

Meu pai ensinou que não importa o papel que você represente na sociedade ou no trabalho. O que importa é que você o faça sempre da melhor maneira. Ainda me pego a ouvir sua voz sonora e calma, dizendo: “Faça como se os destinos da humanidade dependessem daquilo que você faz.” Foi assim que aprendí sobre responsabilidade e comprometimento.

Meu pai me ensinou a ver beleza nas coisas simples:

  • No amor desinteressado dos bichos de estimação;
  • Na alegria de brincar à beira-mar;
  • Na paz de um pôr-do-sol de outono a beira do Rio Uruguai,
  • Na explosão de cores de um amanhecer de primavera.

Dessa forma, meu pai me ensinou sobre o que realmente traz felicidade.

Compartilho com vocês 10 lições que só hoje descobri que aprendi com ele mesmo sem ele perceber:

1) Um gesto vale mais de mil palavras. Demonstre através do seu comportamento. Se você acha que uma pessoa é importante na sua vida, não basta somente dizer isso; faça algo de concreto.

2) Cada um tem o próprio jeito de expressar o amor. Não existe um jeito mais justo que o outro. Seja você mesmo e compreenda a forma do outro. Há quem saiba dizer “gosto de você” sem grande emoção enquanto há os que fazem isso com um sorriso, com os olhos brilhando. Há quem te dê um abraço de paz e quem, com uma frase simpática, te dará uma tapinha nas costas. Receba o amor na forma na qual é dado. O seu coração saberá reconhece-lo sempre.

3) Falência não existe. Vá além! No final, você simplesmente descobre o que não quer e o que não funciona.

4) Todos os problemas têm solução. Eu aprendi que para um problema há três soluções, cabe a você escolher a certa. Use o problema como uma oportunidade para crescer, aprender e melhorar dia após dia.

5) Seja curioso. Aquela curiosidade que te faz sentir vivo e apaixonado, te faz ver o mundo a cores e te deixa descobrir mil lugares. Leia, leia e leia ainda mais. Seja apaixonadamente curioso. Existem tantas coisas na vida a serem descobertas!

6) Caímos, mas podemos levantar novamente. Lembro muito bem quando aprendi a andar de bicicleta. Meu pai queria me ensinar, mas eu era bem desastrado. Era difícil manter o equilíbrio e acabava sempre no chão, geralmente em lágrimas, com as roupas sujas e os joelhos ralados. Lembro que meu pai me colocava novamente na bicicleta e, cada vez que eu dizia “não consigo”, ele respondia “você consegue”; a cada meu choramingar de dor, ele falava “passará”. Os machucados físicos passam, mas as lições são aprendizados para sempre.

7) A opinião dos outros não deve plasmar o que você é. As pessoas continuarão a te criticar em qualquer coisa faça. Em vez disso, pergunte-se qual é o primeiro passo que pode dar agora para criar a vida que deseja e ser feliz. Não se sacrifique pelos outros! Nunca!

8) Não existe luz sem sombras. Isso quer dizer que você não é perfeito nem nunca será, mas poderá ser perfeitamente você mesmo com a luz e as suas sombras. As pessoas verdadeiras da sua vida te amarão por tudo aquilo que você é. Com as outras, não se preocupe.

9) A coragem de fazer uma escolha. Você sabe que faz uma escolha quando renuncia a outra. Explore novas oportunidades, mude de ideia, mas escolha sempre! Seja o protagonista de sua vida.

10) Seja presente com as pessoas que você ama. Há momentos em que a vida é mais dura e outros nos quais você coloca tudo a perder. Haverá dias nos quais os joelhos ficarão doloridos, a dor será mais intensa e a vontade de deixar tudo será forte. Momentos nos quais terá desesperadamente a necessidade de um abraço, de sentir aquela voz que te deixa seguro e que te acalma. Aquela presença que te traz paz. Lembre-se: conseguimos receber o amor que somos capazes de doar. Esta é a lição que aprendi do meu saudoso pai, porque, no fundo, a capacidade de doar amor é a coisa mais bonita que existe.

Hoje me dou conta de que durante todos aqueles anos meu pai me ensinava sobre a importância de estabelecer metas para minha vida e sobre o quanto aquilo que se aprende no processo pode ser mais importante do que o próprio objetivo em si.

Meu pai me ensinou muitas coisas: coisas que já aprendi, e muitas outras que continuo tentando aprender a mais de vinte anos após a partida de meu grande mestre.

Uma partida cedo de mais…

Parabéns ao meu amado mestre pelos seu 79 anos.

Seu legado permanece comigo e isso basta!


Fonte: Artigos Administradores / Eu tive um pai!

Os comentários estão fechados.