Formalize-se

Formalize-se

A formalização das MPs não traz benefícios somente ao empreendedor, mas a toda sociedade.

Microempresas e empresas de pequeno porte são sociedades empresárias, a sociedade simples, o empresário devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas. Basicamente diferenciando, as microempresas são aquelas que possuem receita bruta anual igual ou inferior a R$ 360.000,00. Já as empresas de pequeno porte possuem receita bruta anual superior a R$ 360.000,00 até R$ 3.600.00,00.

De fato, com a crise que vivenciamos no país, muitas pessoas começaram a abrir seus negócios. Mas esta postura não surgiu agora. As pequenas e médias empresas são responsáveis por maior parte da riqueza do Brasil e, sua sobrevivência no mercado foi favorecida pela formalização e auxílio da Constituição. Apesar de existirem empresas de grande porte, muitas das pequenas e médias empresas possuem produtos/serviços inovadores, permitindo que sejam diferenciadas no ambiente em que atuam. Podemos pensar que empresas de grande porte possuem uma tecnologia intensificada, onde a mão de obra humana é substituída pelo uso de sistemas. O mesmo não acontece com MPs. Estas usam da T.I. (até mesmo porque é quase impossível uma empresa não viver sem tecnologia), mas a intensidade é diferente, o trabalho operacional, braçal é constante. Isso permite geração de emprego no país.

Realmente, há anos atrás a situação para as MPs era difícil. Hoje, apesar de existir uma legislação que as favoreça, ainda há muitas outras microempresas que vivem na informalidade, não conhecem os benefícios da regularização.

Mas vamos fazer uma análise: Se hoje as MPs geram grande riqueza para o país, por que nem todas as MPs existentes atuam na formalidade ? Isso ocorre pela falta de conhecimento ou até mesmo pela ignorância, por assim dizer, dos empreendedores. Os benefícios decorrentes da formalização não favorece apenas ao microempreendedor, mas toda a sociedade.

Para quem não sabe, a lei que rege as Micro e pequenas empresas é a Lei Complementar 123/2006 e estabelece seu tratamento diferenciado e a isenção de impostos junto ao SIMPLES NACIONAL.

O principal benefício oferecido é o da criação do Sistema Nacional de Garantias de Crédito, que tem como objetivo facilitar o acesso das MPs ao crédito e a demais serviços junto a instituições financeiras.

No entanto, antes de se aventurar no mercado competitivo empresarial, é necessário que os empreendedores conheçam o ambiente do negócio em que desejam atuar. Deverá ser realizado o plano de negócio, analisar as preferências dos consumidores, conhecer os deveres nos quais estarão submetidos pela legislação e, ainda, possuir capital para abertura do empreendimento.

Felizmente, esses pequenos empresários podem receber orientações de instituições como o SEBRAE, que busca capacitar os empreendedores melhorando seu desempenho operacional na gestão e incentivando a produção de micro e pequenas empresas no país.

Logo, para que esses pequenos empreendedores recebam recursos e propiciem sua inclusão social no Brasil, é necessário que deem o primeiro passo – a formalização. São passos simples e acessíveis que, com a persistência e habilidades do empreendedor, um pequeno negócio pode se transformar em um grande potencial no mercado corporativo.

Microempresas e empresas de pequeno porte são sociedades empresárias, a sociedade simples, o empresário devidamente registrados no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas. Basicamente diferenciando, as microempresas são aquelas que possuem receita bruta anual igual ou inferior a R$ 360.000,00. Já as empresas de pequeno porte possuem receita bruta anual superior a R$ 360.000,00 até R$ 3.600.00,00.

De fato, com a crise que vivenciamos no país, muitas pessoas começaram a abrir seus negócios. Mas esta postura não surgiu agora. As pequenas e médias empresas são responsáveis por maior parte da riqueza do Brasil e, sua sobrevivência no mercado foi favorecida pela formalização e auxílio da Constituição. Apesar de existirem empresas de grande porte, muitas das pequenas e médias empresas possuem produtos/serviços inovadores, permitindo que sejam diferenciadas no ambiente em que atuam. Podemos pensar que empresas de grande porte possuem uma tecnologia intensificada, onde a mão de obra humana é substituída pelo uso de sistemas. O mesmo não acontece com MPs. Estas usam da T.I. (até mesmo porque é quase impossível uma empresa não viver sem tecnologia), mas a intensidade é diferente, o trabalho operacional, braçal é constante. Isso permite geração de emprego no país.

Realmente, há anos atrás a situação para as MPs era difícil. Hoje, apesar de existir uma legislação que as favoreça, ainda há muitas outras microempresas que vivem na informalidade, não conhecem os benefícios da regularização.

Mas vamos fazer uma análise: Se hoje as MPs geram grande riqueza para o país, por que nem todas as MPs existentes atuam na formalidade ? Isso ocorre pela falta de conhecimento ou até mesmo pela ignorância, por assim dizer, dos empreendedores. Os benefícios decorrentes da formalização não favorece apenas ao microempreendedor, mas toda a sociedade.

Para quem não sabe, a lei que rege as Micro e pequenas empresas é a Lei Complementar 123/2006 e estabelece seu tratamento diferenciado e a isenção de impostos junto ao SIMPLES NACIONAL.

O principal benefício oferecido é o da criação do Sistema Nacional de Garantias de Crédito, que tem como objetivo facilitar o acesso das MPs ao crédito e a demais serviços junto a instituições financeiras.

 

No entanto, antes de se aventurar no mercado competitivo empresarial, é necessário que os empreendedores conheçam o ambiente do negócio em que desejam atuar. Deverá ser realizado o plano de negócio, analisar as preferências dos consumidores, conhecer os deveres nos quais estarão submetidos pela legislação e, ainda, possuir capital para abertura do empreendimento.

 

Felizmente, esses pequenos empresários podem receber orientações de instituições como o SEBRAE, que busca capacitar os empreendedores melhorando seu desempenho operacional na gestão e incentivando a produção de micro e pequenas empresas no país.

 

Logo, para que esses pequenos empreendedores recebam recursos e propiciem sua inclusão social no Brasil, é necessário que deem o primeiro passo – a formalização. São passos simples e acessíveis que, com a persistência e habilidades do empreendedor, um pequeno negócio pode se transformar em um grande potencial no mercado corporativo.


Fonte: Artigos Administradores / Formalize-se

Os comentários estão fechados.