Geração Y: a definição de uma carreira e os desafios

Geração Y: a definição de uma carreira e os desafios

Talvez o grande desafio quando falamos em geração Y, é muito mais da sociedade do que propriamente da geração Y, ou quem sabe estamos falando de uma acomodação num sistema que em nosso trabalho chamamos de ecologia.

O novo gera primeiro um movimento de derruir-e é natural buscarmos o equilíbrio e conforto – que nem sempre vem da forma que esperamos, com a geração Y acontece um ajuste. Mesmo aparecendo uma geração Z agora, ainda falamos da Y.

Acredito que muitos textos tentam explicar as gerações, outros como lidar com as gerações, e eu poderia seguir descrevendo inúmeros textos sobre o tema, porém quero fazer um convite diferente.

O que nos faz ter tantos questionamentos e nas empresas desafios diante da geração Y ou em compreender as escolhas ou gestão da própria carreira?

O conflito de gerações é algo antigo, milenar certamente, por confundirmos a nossa condição como algo estável  e perene, quase uma dicotomia com nossa condição humana, de ser pensante e mutável, que se transforma.

 Talvez a base para compreendermos todas as gerações Y ou Z é observar os movimentos, as descobertas e as possibilidades. Observar verdadeiramente e com interesse genuíno, o jovem e seus questionamentos que em nada difere dos meus e possivelmente dos meus bisavós. Agora, o que é tão diferente?

 Podemos primeiro considerar o posicionamento, hoje temos um geração que se posiciona independente do tempo de experiência, existe uma leitura e essa leitura é traduzida pelo profissional da geração Y como uma percepção que pode ser compartilhada independente das posições e dos cargos.

 E o posicionamento vem de uma serie de experiências vividas ou observadas por esses jovens que refletem sobre suas próprias escolhas e decisões, pensando no impacto de curto, médio e longo prazo.

Diferente do que muitas pessoas falam, vejo parte dessa geração comprometida com seus objetivos e percebo outra parte em busca de objetivo.

Agora, existe uma visão dos impactos maior de uma decisão, por isso percebemos muito jovens tomando decisões de grande impacto mais tarde, como casar, assumir uma determinada posição profissional ou empreendendo.

Isso tudo reflete na vida profissional?

Certamente! Um jovem profissional que avalia com maior rigor as suas escolhas e se permite experimentar para se comprometer é um jovem que irá olhar as oportunidades diferentes de uma geração que busca solidez e segurança ou de uma geração que busca conhecimento.

Quando as empresas perguntam como construir uma estratégia para desenvolver esses talentos e mantê-los, o primeiro passo é pensar em o quanto à cultura da empresa está pronta para lidar com essas culturas diferentes.

Para atender o jovem que quer segurança e o jovem que quer ousadia, empreender e valorização.

A valorização também é algo diferente para cada público e jovem, um pode sentir-se valorizado com um dia de folga, outro com qualidade de vida e  outro com um bônus gigantesco.

Então , quando falo da geração Y, o meu olhar é para a estrutura corporativa que deseja incorporar esse profissional que busca clareza de objetivos e de valores.

Outro aspecto que é valioso nessa contratação e retenção – são os dados – sem esses dados o profissional fica pouco confortável em ser aderente, e muito particularmente existe nessa atitude uma sabedoria de sobrevivência.

Dedicar tempo para algo pouco especificado pode ser desperdiço.

Ouço muito também, que o jovem profissional da geração Y é impaciente, quero aqui convidar os gestores para lembrarem da liderança  situacional, um marco na história da gestão de pessoas, esse jovem profissional quer informação de qualidade. A comunicação é uma das estratégias mais valiosas para lidar com o comportamento de ansiedade do jovem.

Construímos pontes de confiança e transparência com a comunicação.

 Essa geração solicita comunicar, comunicar e comunicar, então se existe pouco interesse em clareza e comunicação, melhor avaliar se realmente a empresa deseja esse profissional.

Assim como um profissional da geração Y quando está em busca de um desafio profissional é importante observar o quanto a empresa está aberta a comunicar-se com transparência, frequência e com metas de futuro claras.

Sim, metas de futuro, esse profissional tem urgência em construir um futuro com qualidade, como disse essa geração é sedenta por explicitar seu propósito.

Identificar o propósito e comunicá-lo é algo essencial, então o futuro desenhado com clareza faz esse jovem ter mais garra  e vontade de cada dia construir esse futuro inspirador!

 Talvez a geração Y traga uma beleza especial para o ambiente profissional, a possibilidade de lidar com a singularidade das pessoas sem fixar a atenção ao cargo, afinal essa geração trouxe a possibilidade de respeito pela forma de pensar independente da idade e gerou valor aos negócios e as ideias.

 Acredito  que caminhamos para uma sociedade corporativa que  valorize a singularidade e competência com o resultado sustentável financeiramente, socialmente e emocionalmente.


Fonte: Artigos Administradores / Geração Y: a definição de uma carreira e os desafios

Os comentários estão fechados.