Governo de SP paga R$ 301 mil pela divulgação de seis fotos em redes sociais

Governo de SP paga R$ 301 mil pela divulgação de seis fotos em redes sociais

Comandado por Geraldo Alckmin, o governo estadual também está sendo acusado de superfaturar campanhas publicitárias a favor da editora do empresário e pré-candidato João Doria Jr., também do PSDB

Segundo uma série de documentos e reportagens divulgados pelo jornal Folha de S. Paulo, o governo do estado de São Paulo realizou um pagamento no valor de R$ 301 mil à agência de propaganda, marketing e eventos Lumi5, pertencente ao empresário Paulo Borges. Até aí, tudo bem. O problema é que, segundo a reportagem, todo esse valor foi pago por apenas algumas postagens em redes sociais, mais precisamente três fotos no Facebook, três no Instagram, dois anúncios e um banner no site da São Paulo Fashion Week.

O pagamento foi feito em dezembro de 2014, um mês após o evento de moda em São Paulo. Segundo a prefeitura, as fotos e os banners dizem respeito ao trabalho de alunos de escolas técnicas e do Centro Paula Souza.

Para efeitos de comparação, a Folha cita que uma propaganda de duas páginas completas na revista ‘Época’ (Editora Globo) – uma das mais vendidas no país, custou bem menos que as postagens nas redes sociais: R$ 71 mil.

Segundo a agência Lumi5, os dois anúncios tiveram 8.191 ‘impressões’ (métrica comum utilizada na publicidade da web).

O governo, por sua vez, relatou que “a ação planejada pela agência de publicidade não se resumiu a veiculação na internet” e que “o valor [R$ 301 mil] também incluiu um intercâmbio entre alunos do Centro Paula Souza que fazem cursos ligados a moda e profissionais do SPFW”.

Porém, nada disso é mostrado nos documentos obtidos pela Folha. O material aponta somente a contratação de postagens e anúncios.

Outro pagamento de campanhas de publicidade envolvendo o governo de São Paulo também chamou a atenção após ser tornado público pela Folha. O governo do Estado realizou um pagamento de R$ 1,5 milhão à Editora Doria, que pertence ao empresário João Doria Jr., pré-candidato à prefeitura de São Paulo pelo PSDB, mesmo partido do atual governador, Geraldo Alckmin. Os valores foram pagos através das agências Mood e Propeg, entre 2014 e abril de 2015.

Em um dos casos apontados pela Folha, um anúncio de nove páginas na revista “Caviar Lifestyle”, que circula com apenas 40 mil exemplares, custou ao governo estadual R$ 501 mil. Segundo as denúncias do jornal, há ainda vários outros casos de valores menores pagos por publicações similares em revistas e sites maiores, mas que não pertencem ao grupo da Editora Doria.

Segundo a Folha, João Doria é filiado ao PSDB desde o ano de 2001.

O empresário já foi secretário de Turismo na prefeitura de Mário Covas (1983-1986) e apoiou Alckmin na campanha do ano passado.

Sobre as acusações do jornal, o governo do Estado de São Paulo disse que a “filiação partidária não foi, é ou será o critério que condiciona a escolha de veículos de comunicação que vão divulgar as campanhas publicitárias da administração paulista”.

Além disso, a nota à imprensa diz que o governo está recomendando que as agências de publicidade não incluam veículos e programas de pré-candidatos nas propagandas que divulgam as campanhas do governo estadual.

“O planejamento de propaganda do governo do Estado é elaborado com base em critérios técnicos, de forma a alcançar diretamente o público-alvo para cada campanha, garantindo o bom uso do recurso público”, diz a nota.

A Doria Editora, por sua vez, afirmou via nota que “não divulga valores de faturamento dos seus clientes, sejam eles públicos ou privados”.


Fonte: Notícias Administradores / Governo de SP paga R$ 301 mil pela divulgação de seis fotos em redes sociais

Os comentários estão fechados.