Importância do planejamento estratégico dentro das organizações

Importância do planejamento estratégico dentro das organizações

As pequenas empresas não costumam planejar, os empreendedores precisam desenhar a estratégia com o foco no objetivo. Empresas bem sucedidas praticam a arte de planejar!

Atualmente, no Brasil, é impressionante o número de empresas que aproveitam algum modismo ou oportunismo de mercado existente. Essas companhias esquecem, não sabem ou simplesmente resolvem não aplicar uma das ferramentas mais importantes em qualquer organização ou empreendimento de sucesso: o planejamento. A busca desesperadora pelos lucros é tão grande que elas próprias nascem esquecendo ou deixando de lado fatores importantíssimos. Se a empresa está buscando lucros, sobrevivência, retorno sobre investimento, metas de crescimento ou participação de mercado, isso deve estar bem definido em qualquer negócio.

O planejamento estratégico é o processo que realmente mobiliza as pessoas e a empresa para construir e escolher que tipo de futuro deseja. Ele não pode ser ignorado tão facilmente como está acontecendo hoje. O estabelecimento da visão do negócio ocorrerá quando estratégias não convencionais, desconhecidas e contra intuitivas forem consideradas. Para que isso não ocorra é preciso implantar uma política de planejamento e que medidas estratégicas sejam adotadas na organização, utilizando-se ferramentas de apoio. 

Nas  empresas competitivas verifica-se que, uma importante condição para sua manutenção no mercado, está ligada à clara definição de seus objetivos e ao traçado antecipado dos possíveis caminhos a serem seguidos para atingi-los. Segundo Drucker (1987, p. 47) “Quando a empresa traça objetivos e metas, e busca alcançá-los, ela tem claramente definido do porque ela existe, o que e como faz, e onde quer chegar”. Essas são os questionamentos básicos para a elaboração e implementação dessa ferramenta. 

Muitos acreditam que só é necessário em empresas de grande porte, mas ao contrário do que se pensa, planejar e estabelecer metas organizacionais não só é necessário em grandes empresas, se faz também para toda e qualquer organização, seja ela de pequeno, médio, ou grande porte, pois, dificilmente uma organização permanecerá competitiva no mercado se não houver planejamento. Segundo Kotler (2000, p. 67) “o segredo das empresas bem sucedidas no mercado se deve ao fato de praticarem frequentemente a arte do planejamento estratégico”. Diante da importância do planejamento em uma organização, o objetivo desse trabalho é alertar os gestores e estudantes da área para a grande importância dessas ferramentas no cenário atual.

Outro fator que dever receber atenção de novos negócios e de  empreendedores é que eles  precisam saber planejar suas ações e desenhar as estratégias da empresa a ser criada ou em crescimento. É preciso traçar estratégias, para conseguir alcançar as metas e os objetivos traçados, dessa forma a implantação do plano de negócios é uma ferramenta essencial, pois o mesmo promove um planejamento e desenvolvimento inicial e continuo da empresa.

O plano de negócio movimenta todos os aspectos do novo empreendimento. Ele representa um levantamento exaustivo de todos os elementos que compõem o negócio, sejam internos – o que deverá ser produzido, como, onde, quanto – sejam externos – para quem produzir, qual é o mercado, quais são os concorrentes etc. (CHIAVENATO, 2007).

Sendo assimo plano de negócios é um documento essencial para o inicio de um novo negócio. Nele está contida a descrição do negócio, dados sobre o estudo de mercado, plano de marketing, financeiro, dentre outros, ele é “um documento que descreve a visão para a sua empresa e suas projeções financeiras.” (PESCE, 2012, p. 87) Tudo isso ira desenvolver uma melhor estrutura do planejamento estratégico da empresa seja ela uma empresa grandes ou micro e pequenas empresas, pois estas devem estar preparadas para a competitividade do mercado. Por isso “Construir uma empresa é como andar em uma montanha-russa: há muitos altos e baixos. Ter uma estrutura que o oriente e chame atenção para as coisas certas pode ser extremamente valioso.” (PESCE, 2012, p. 45) Com a empresa já em andamento seus processos devem ser melhorados e com isso seus custos serão reduzidos uma forma de fazer isso é a implantação de ferramentas uma delas é o 5s, pois.

Uma organização que zela pelos seus colaboradores demonstra a seus clientes, fornecedores e á sociedade que está em busca permanente e sincera da qualidade. Colaboradores trabalhando em um ambiente mais agradável tendem ser mais saudáveis, cuidadosos, autovalorizados, repercutindo automaticamente na qualidade do produto ( bem ou serviço). (RIBEIRO, 2006, p.239). Para isso o bom planejamento é fundamental na implantação dessa ferramenta sendo ela uma estratégia de que melhora e apresenta benefícios para vários âmbitos da organização, como melhor organização do espaço, limpeza adequada, layout, maior cuidado com as instalações da empresa, autodisciplina, entre outras questões, pois “nas organizações, já é comum a introdução de programas estratégicos visando melhorar a performance.” (RIBEIRO, 2006, p.25). Objetivos do mesmo, que consistem em melhorias nos processos organizacionais em que todos devem cooperar para que a estratégia do 5S seja implantada com sucesso dentro da organização.

Com toda a modificação de mercado as empresas estão se inserindo na web 2.0, “A maioria das ferramentas da Empresa 2.0, porém, realmente exige tanto mudanças comportamentais quanto mudanças tecnológicas e, portanto, é um produto de implantação demorada.” (McAFEE, 2010, p.169) e as organizações que conseguirem explorar de forma eficiente essa ferramenta conseguirão obter uma fatia maior do mercado. E para conseguir isso é preciso um bom planejamento pois para aplicar essas ferramentas é preciso tempo e conhecimento sobre a mesma, Segundo CHIAVENATO & SAPIRO (2003, p. 39) o planejamento estratégico está relacionado com os objetivos estratégicos de médio e longo prazo que afetam a direção ou viabilidade da empresa.

Empresas que não praticam esse planejamento podem ate entrar em situações que venham a comprometer toda a estrutura da empresa, pois a comunicação entre empresa e cliente se torna rápida e exposta a todos  e segundo Mcafee, (2010, p.175) “O valor desses ativos intangíveis deriva de sua capacidade de ajudar a organização a implantar sua estratégia… Ativos intangíveis como conhecimento e tecnologias raramente tem impacto  direto nos resultados financeiro, tais como aumento das receitas redução dos custos e ampliação dos lucros”

Nos conceitos tradicionais e ultrapassados, encontrando enormes dificuldades de gestão, sendo engolidos pelos concorrentes, no qual os gestores com esse perfil desconhecem ou desconsideram conceitos fundamentais para o exercício da gestão, criando assim diferentes maneiras de gerir a empresa dando a sua identidade a empresa que segundo Barros e Pompeu (2013, p. 59) “Identidade é algo que só importa para nós mesmos, em uma clara operação do pensamento humano.” Isso é o que vai caracterizar a estrutura da organização na qual Batista (2005) propõe um modelo de planejamento estratégico, no qual considera fundamental em sua análise identificarmos conceitos determinantes ao planejamento como: a filosofia institucional; as atribuições institucionais; a missão e valores institucionais; análise dos ambientes; o pensar estrategicamente; a implantação do planejamento. Tudo isso deve ser planejado com os pés no chão e o líder quem deve desenvolver isso pois ele tem o poder dentro da organização e “O poder é algo que se conquista e se mantém com muito esforço. Não é uma dádiva natural, como os discursos legitimadores fazem crer. É preciso uma grande disposição de espírito para ser vitorioso no jogo da dominação.”( BARROS e POMPEU. 2013, p. 83). Ele planeja e faz acontecer quando a suas condições são aceitas, pois as suas regras quando estipuladas consegue impor a outros, induzindo e dominando o outro ou a um grupo de pessoas.

A importância é o maior conhecimento na gestão tributaria que “Entende-se por tributo toda prestação pecuniária compulsória, ou seja, como função obrigatória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, constituído em lei e cobrada mediante atividade administrativa, plenamente vinculada.” (ABREU, 2008, p. 02),além de ‘ter a preocupação com todos esses fatores aqui expostos, é preciso ter um amplo conhecimento sobre a tributação que deve ser recolhida, pois o não pagamento ou o conhecimento indevido pode acarretar em prejuízos para a organização, pois existe muitos conflitos e diferentes normas e assim “Os conflitos entre normas constitucionais são meramente aparentes, competindo ao interprete buscar restabelecer a harmonia das normas invocadas no conflito concreto.” (PORTO, 2009, p.149). Por isso deve ser aprofundado o conhecimento de  como deve funcionar a área tributária das empresas, um setor estratégico de uma organização, pois o conhecimento tributário pode influenciar nas melhores decisões, como, por exemplo, na formação de preço dos produtos, incentivos fiscais, planejamento tributário, controle de contingências entre outro.

Portanto o planejamento estratégico diz respeito a atividades que levam à definição da missão da organização, e dos objetivos e ao desenvolvimento de estratégia que possibilitem o sucesso no seu ambiente. Tá ai a importância de planejar para conseguir os objetivos seja eles de forma de alcançar metas ou ate mesmo de implantação de ferramentas que venham a aumentar a lucratividade da organização e sendo assim nos próximos anos, as empresas que não forem capazes de ter um planejamento e visão clara de como se diferenciar uma das outras e serem únicas no que fazem, serão facilmente aniquiladas pelos concorrentes. Dessa forma podemos concluir que diante de tantas transformações que estão ocorrendo nestes últimos anos no mercado, qualquer empresa que deseja ter sucesso, terá de ajustar seu perfil e não se esquecer que planejar é preciso, pois o importante não é apenas abrir e fechar a empresa, e sim planejar. 

REFERÊNCIAS:

ABREU, Andréia. Gestão Fiscal Nas Empresas: Principais Conceitos Tributários e sua Aplicação. São Paulo: Atlas, 2008.

BARROS-FILHO, Clóvis de; POMPEU, Júlio. A Filosofia Explica as Grandes Questões da Humanidade.1ª Ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra; São Paulo: Casa do Saber, 2013.

BATISTA, M.V. O Planejamento Estratégico na Prática Profissional. São Paulo:Ed. Makron Books, 2005.

CHIAVENATO, I.; SAPIRO, A. Planejamento Estratégico. 7 reimpr – Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor:

empreendedorismo e viabilidade de novas. 2.ed. rev. e atualizada. São Paulo: Saraiva

DRUKER, Peter Ferdinand. Inovação e espírito empreendedor. Editora Pioneira, 1987.

KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. Trad. Bazán Tecnologia e Lingüística. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

McAFFE, Andrew. Empresas 2.0: a força das mídias colaborativas para superar grandes desafios empresariais. Elsevier, Rio de Janeiro, 2010.

PESCE, Bel. A menina do vale: como o empreendedor pode mudar sua vida. Rio de Janeiro: Casa da palavra, 2012.

PORTO, Éderson Garin. Estado de Direito e Direito tributário: norma limitadora ao poder de tributar. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2009.

RIBEIRO,A. A bíblia do 5S, da implantação à excelência. Casa da qualidade. Salvador. 2006.


Fonte: Artigos Administradores / Importância do planejamento estratégico dentro das organizações

Os comentários estão fechados.