Independência acadêmica: mudando a mentalidade do mercado com ensino EAD

Independência acadêmica: mudando a mentalidade do mercado com ensino EAD

O ensino EAD (Educação a Distância), é a modalidade que mais cresce no país, incluindo universidades públicas, federais e escolas profissionalizantes, com cursos gratuitos de graduação, profissionalização, MBA, pós-graduação, assim como um número enorme de cursos extracurriculares que são aquela cereja do bolo que falta no currículo.

Não muito tempo atrás, o sonho de qualquer profissional era ter tempo e dinheiro para poder estudar em uma boa univesidade ou algum curso profissionalizante de qualidade, ou ter tempo disponível para concluir uma graduação com êxito em uma renomada universidade federal.

Mas o mercado mudou. A absorção da formação tradicional com certeza ainda é a maior e mais procurada. Apesar de não serem raros estudantes que reclamam que no meio do curso quando conseguem uma boa vaga de trainee, aparecem cada vez menos na instituição de ensino, devido ao grande volume de trabalho e horas extras, dedicação crucial para a futura efetivação, tão crucial quanto o diploma.

O paradoxo citado acima é realidade para quem trabalha e estuda. O mercado atual exige que os profissionais cumpram prazos, sacrifiquem grande parte da sua vida pessoal pela dedicação a orgazinação, sejam organizados, responsáveis, entre outras qualidades de um profissinal dedicado, resiliênte e com postura independente.

Pois bem, como atingir essa perfeição se a graduação massante, com matérias obsoletas, horários longos e obrigação da presença do aluno na universidade, não deixam espaço para respirar entre o trabalho e chegar atrasado na aulas ?

A solução do século para quem não quer sucumbir ao colapso nervoso: o ensino EAD. Isso mesmo, aquela educação à distância que muitas empresas olham com deboche e acham que não tem valor, não tem credibilidade e que o aluno dessa modalidade não estuda de verdade e é considerado relapso.

Par quem não observou, olhe novamente para esse aluno. As principais características não são extamente a preguiça, pelo contrário:

– Dedicado;

– Organizado com prazos para entrega de atividades;

– Organizado com os estudos, se não deu tempo durante a semana, no domingo a tarde acessa as aulas normalmente, sem ter deixado para traz o curso de inglês que antes não tinha horário para fazer;

– Multitarefas: arruma tempo para tudo, e não deixa compromissos para trás para não levar falta naquela aula repetitiva;

– Não precisa sair correndo do trabalho para fazer provas durante duas semanas no meio e depois no fim do semestre, geralmente o EAD as provas acontecem uma ou duas vezes no semestre.

Os alunos dessa modalidade a escolhem pelo horário flexível e preços acessíveis. Essa sim é democratizaçõa do ensino, permitindo que não só que tem um salário alto se formar, os cursos EAD são em média 50% mais barato que o modelo tradicional. Preços acessíveis que não obrigam o aluno a precisar dos pais ajudarem a pagar, ou fazer financiamentos eternos das mensalidades, sem contar a economia do transporte que não fica barato.

Aí estão algumas das características que esse aluno específico precisa ter, são bem parecidadas com as características que as empresas procuram, não são ? O que falta então para o recrutadores perceberem que esse profissional precisa de atenção e merece ser contratado como qualquer outro aluno do ensino tradicional ? 

O mundo mudou, está mais dinâmico e precisa que as organizações percebam isso depressa, pois estão perdendo grandes talentos. 

O ensino EAD (Educação a Distância), é a modalidade que mais cresce no país, incluindo universidades públicas, federais e escolas profissionalizantes, com cursos gratuitos de graduação, profissionalização, MBA, pós-graduação, assim como um número enorme de cursos extracurriculares que são aquela cereja do bolo que falta no currículo.

O diploma oferecido é reconhecido e o curso é aprovado pelo Ministério da Educação, para quem pensa que é um curso desorganizado, pelo contrário. Ensinar e aprender a distância é bem diferente de ter o professor presente todos os dias para tirar dúvidas, é um curso bem mais organizado, estruturado e com os recursos necessários para o aprendizado. 

A esperança para o futuro é que os próximos líderes, surgirão dessa modalidade e conseguirão quebrar a barreira do preconceito do ensino e farão processos de seleção mais justos e de olho nas habilidades e não só no nome que está no papel.


Fonte: Artigos Administradores / Independência acadêmica: mudando a mentalidade do mercado com ensino EAD

Os comentários estão fechados.