Inovação: abordagem estratégica com o BSC

Inovação: abordagem estratégica com o BSC

Thomas Edison dizia: “O gênio é 1% inspiração e 99% transpiração. Importante reflexão quando nem se sabia o fim que a inovação teria nas inter-relações com os modelos de gestão atuais. Nada mudou?

A inovação pode incluir, tanto os avanços que quebram paradigmas, como os de melhorias incrementais em produtos ou serviços existentes. Em ambos os casos, uma organização pode articular, alinhar e comunicar como a inovação se encaixa em sua estratégia global através do uso de um sistema integrado via planejamento estratégico e sistema de gestão de desempenho que caracterize pelo mapa de estratégias e o balanced scorecard (BSC: tratado em artigo anterior). Isto assegura que a inovação receba esforços, mantenha o foco e apoio, e que a inovação realmente torne-se integrada com as demais atividades da organização.

Por que inovar?

Toda organização, seja um negócio, sem fins lucrativos, público ou agência, deve inovar. A necessidade de inovar é um fator fundamental nas empresas privadas, como a tecnologia, bens de consumo e serviços. Mas, na verdade, vemos a mesma dinâmica em nossa base de clientes. Organizações sem fins lucrativos devem lidar com as crescentes necessidades do cliente, enquanto lidam com cortes no financiamento e competição pelos recursos filantrópicos. E muitas organizações governamentais, civil ou militar, a partir da federação para o nível local, estão enfrentando ao que os clientes se referem como o imperativo de “transformar ou morrer.” Todas as organizações que trabalham pró clientes estão cada vez mais operando num modo mudança, quer percebam ou não. Deduzindo, devemos inovar pois nossos cientes exigem.

O que é a inovação?

A inovação tornou-se uma daquelas palavras que significam coisas muito diferentes para pessoas diferentes. Os especialistas definem duas categorias principais de inovação:

Innovation Breakthrough: realmente novos produtos, serviços ou modelos de negócios que fundamentalmente “perturbam” clientes, padrões de compra e da concorrência, na indústria ou até mesmo no ambiente operacional. Computadores pessoais, a internet, e nanotecnologia são bons exemplos de inovação revolucionária. A mitologia de inovações normalmente inclui imagens do inventor solitário que trabalha fora ou em uma garagem, ou “Skunk Works“, separado da política de um empresa-mãe. Mas, na verdade, muitos produtos de uso diário que usamos hoje – como a Internet – foram originalmente inovações geradas através de colaborações público-privadas em agências federais como a NASA e o Departamento de Defesa americano.

Support innovation: melhorias incrementais em produtos ou serviços que se estendem ao ciclo de vida ou construção sobre o que um dia foi um grande avanço. A introdução de uma nova versão do Windows seria um exemplo de sustentar inovação, e, antes disso, a introdução anual de novos modelos na indústria automobilística. No setor público, exemplos se incluem na automação de serviços, tais como renovações de carteiras de motorista ou aplicações da Previdência usando a Web – uma nova tecnologia para oferecer serviços obrigatórios de forma mais eficiente e eficaz.

Apoiar a inovação é um processo muito mais “administrável”, e muitas grandes empresas como Microsoft, 3M e Procter & Gamble são excelentes nisso. Inovação revolucionária, por outro lado, é muitas vezes confusa, imprevisível, e até mesmo gerador de conflitos dentro de uma organização e seu avanço interrompe a capacidade instalada de fazer as coisas cada vez melhor.

Muitos argumentam que a “inovação sustentável” não deveria sequer ser chamada de “inovação” em tudo. Em qualquer caso, há uma distinção a ser feita entre os momentos “Eureka” que produzem as grandes idéias inovadoras, e o processo de implementação. Chamá-los-emos de “inspiração” versus “transpiração”.

Mas será que a distinção entre inspiração e transpiração significa que as duas definições de inovação tem que estar em conflito? Acreditamos que um balanced scorecard baseado em estratégia oferece uma maneira de valorizar e incentivar tanto uma como a outra.

Por que Balanced Scorecard?

Um sistema de balanced scorecard baseado em estratégia envolve o desenvolvimento colaborativo de uma empresa.

Estratégia, identifica a conexão entre a capacidade criativa, os processos de desenvolvimento de produtos eficientes, melhorias ao cliente e valor para as partes interessadas, e os resultados financeiros.

O balanced scorecard utiliza quatro perspectivas estratégicas que atuam como lentes para olhar à estratégia organizacional e de desempenho. O uso de perspectivas permite que a organização construa um modelo com os fatores “intangíveis” – criatividade, talento, novas ideias, interação colaborativa com os clientes – a interagir com os fatores “tangíveis” – processos bem definidos, recursos investidos, resultados de vendas – para criar uma organização inovadora e sustentável, que possa se adaptar de forma resiliente à mudança.

São estas as perspectivas: (Já tratadas em artigo anterior)

FINANÇAS ↔ CLIENTE / STAKEHOLDER ↔PROCESSO INTERNO ↔ CAPACIDADE ORGANIZACIONAL

 

  • A Estratégia de “por os pés no chão”:

Em uma abordagem baseada no Balanced Scorecard para o planejamento e gestão de desempenho, nós sempre começamos com a estratégia. Nós não estamos inovando em prol da inovação, mas para a construção de uma capacidade central que nos permite oferecer valor para uma proposição de valor definida pelo cliente.

 

  • Inovação como tema:

Um tema estratégico é um dos principais “pilares” da estratégia que apoia diretamente a realização da Visão e da Missão da organização. Um bom tema contém um conjunto articulado de objetivos estratégicos que tocam em todas as quatro perspectivas do scorecard num sistema de inter-relação. Estes objetivos ligados, contarão a história de como a inovação contribui para a Missão e Visão da organização e constitui a base para comunicar a história estratégica a todos de uma forma consistente.

A inovação se torna estratégica quando está totalmente integrada à estrutura do planejamento organizacional e processo de gestão.

As organizações normalmente têm vários temas estratégicos ou áreas de foco, tais como:

  • Excelência operacional, sustentabilidade, ou parceria estratégica. A inovação pode ser um tema estratégico. Como tema, a inovação pode ser vista através de cada uma das quatro perspectivas do balanced scorecard, por exemplo:

 

  • Do ponto de vista financeiro, a inovação na organização, continua a fornecer o valor – expresso em termos financeiros – para os proprietários, investidores, doadores ou contribuintes, dependendo do tipo de organização.

  • Do ponto de vista do cliente e das partes interessadas, a inovação significa desenvolvimento e implantação de novos produtos, serviços ou modelos de negócios que criam maior valor para os clientes, e abordam as preocupações das outras partes interessadas.

  • Do ponto de vista de processos, a inovação significa a criação e gestão de um processo bem compreendido por avaliar, fomentar e implantar idéias promissoras.

  • Do ponto de vista da capacidade organizacional, a inovação requer uma mistura de liderança e cultura, habilidades e estruturas organizacionais que permitam novas ideias a serem geradas.

    O que o mapa estratégico nos diz?

“Nós vamos construir uma cultura de inovação em que novas idéias e pensamento colaborativo são incentivados entre os nossos funcionários. Além disso, vamos trabalhar com parceiros externos, com pesquisadores acadêmicos, para avaliar como as novas tecnologias podem ser usadas para melhorar nossos produtos. Vamos desenvolver uma melhor maneira de avaliar, priorizar, e desenvolver novos conceitos, integrar essas novas idéias em nosso portfólio de produtos, para que possamos sempre tê-las prontas para serem transformadas em produtos / serviços.”

Um mapa estratégico tema retrata visualmente como objetivos trabalham juntos em uma causa e o seu efeito sequencial integrado, na construção de uma cultura inovadora, comportamento, processos e resultados para o núcleo da organização.

Um típico mapa estratégico para o tema inovação pressupõe inteligência sobre os mercados em que atuamos. Somos co-desenvolvedores de produtos / serviços com os clientes, a fim de garantir que estamos cumprindo as suas necessidades e fornecendo mais valor para eles. Isto levará diretamente para aumento das vendas. Vamos gerir o nosso orçamento de desenvolvimento de produto, de tal forma que seremos capazes de determinar o retorno que receberemos. Ao gerir este processo, o aumento das vendas de novos produtos / serviços, vai sustentar a rentabilidade da nossa organização “.

Normalmente, recomendamos que você desenvolva de 3 a 4 mapas temáticos, e então combiná-los para criar uma estratégia global e um roteiro para a organização. Todos os temas, incluindo a inovação, são fundidos em um mapa principal, que se reforçam mutuamente na estratégia de negócio. Vamos saber mais sobre como temas estratégicos são usados ​​no desenvolvimento de uma estratégia global equilibrada:

Scorecard x Temas estratégicos: como eles são usados ​​e por quê?

  • Medir a inovação:

Em um sistema de balanced scorecard baseado em estratégia, as medidas são um meio, não um fim. Significativas, estrategicamente importantes, medidas só podem ser desenvolvidas na sequencia dos objetivos estratégicos e ligados entre si no mapa estratégico. Entendendo que as medições são verdadeiramente estratégicas vai ajudar você a identificar e priorizar.

Cada objetivo estratégico é apoiado por uma ou mais medidas. Como você pode perceber, a empresa está seguindo uma mistura de indicadores tangíveis e intangíveis que dizem se a cultura é cada vez mais inovadora, quantas novas idéias estão movendo-se através do processo de desenvolvimento, como os clientes se sentem sobre os novos produtos, quanto de retorno não está no investimento em novos produtos e as iniciativas que foram identificadas para melhorar o desempenho nestes objetivos ou seja, a integração da inovação para o resto de sua estratégia.

Conclusão:

Neste artigo, procurei explorar como a inovação pode ser abordada como um tema estratégico, fazendo parte de um balanced scorecard que inclui os outros temas que também são importantes para a organização. Nas organizações em que a inovação (seja a inspiração ou transpiração) é fundamental para o cumprimento da missão e para realizar a visão, esta é uma poderosa abordagem. Quando os mapas temáticos são mesclados, a organização está assegurando que a inovação está totalmente incorporada em uma estratégia global de negócios.

Fonte de pesquisa: Balanced Scorecard Institute


Fonte: Artigos Administradores / Inovação: abordagem estratégica com o BSC

Os comentários estão fechados.