Já pensou em ser um nômade digital?

Já pensou em ser um nômade digital?

Conheça outras histórias de pessoas que se tornaram nômades digitais e o outro lado dessa escolha: muito trabalho duro, serviços que pagam pouco, incertezas e riscos

Já pensou em deixar para trás o cinza e o concreto das cidades e trabalhar em um cenário idílico, à distância? Ou em esquecer que precisa bater o ponto no escritório, chutar o balde e fazer os próprios horários de trabalho? O nomadismo digital já não é mais uma moda. Com a ubiquidade da internet, essa nova modalidade de trabalho ficou acessível a um número cada vez maior de pessoas. Mas será que é um estilo de vida que pode ser adotado por qualquer um?

➤ Versão preview | Acesse aqui
➤ Versão completa | Assine o Administradores Premium

Olívia Maria era professora de português, mas sempre questionou o tipo de emprego a que era submetida. “Minha viagem foi uma busca. Juntei dinheiro antes e saí pra buscar outra forma de viver. Encontrei algumas. Descobri formas de viajar sem gastar muito dinheiro, ou mesmo sem gastar dinheiro algum”, explica, na reportagem de capa da edição 39 da Revista Administradores. Tornou-se escritora e já tem vários livros publicados, mesmo vivendo longe dos grandes centros urbanos.

Conheça outras histórias de pessoas que se tornaram nômades digitais e o outro lado dessa escolha: muito trabalho duro, serviços que pagam pouco, incertezas e riscos. No fim, trabalhar e viajar não é uma alternativa muito diferente de qualquer negócio empreendedor. Ambos requerem avaliação de cenário, identificação de clientela, visão de negócios, planejamento e o principal: uma sólida capacidade de escolher o próprio destino.

+Entrevista

Investir em ações durante uma crise como essa pela qual passamos é uma boa ideia? Poucos brasileiros negociam ações na bolsa de valores e poucas empresas têm capital aberto — o volume de negociações se concentra em pouco mais de cem. Porém não existe cenário ruim para investir em ações, segundo o economista Jeremy Siegel. O importante, para ele, é investir pensando no longo prazo.

Siegel defende aquilo que não é tão difícil inferir: se o investidor tiver paciência e uma estratégia razoável, pode fazer uma boa grana com o tempo, esteja o país em crise ou não. “Durante longos períodos de tempo – mais de 30 anos – retornos de ações superaram o retorno dos títulos do governo em todos os países analisados e muitas vezes fizeram isso com menos riscos”, afirma. Leia a entrevista completa na Revista Administradores.

+Pei, buf

Como montar uma equipe perfeita? Não adianta ter um plano de negócios genial, uma ideia inovadora, recursos e investimentos se a equipe designada para o trabalho não está em sua melhor forma. É o trabalho de seus funcionários que determina o sucesso da sua empresa, e a forma como eles estão organizados tem um papel fundamental nisso. Uma equipe perfeita funciona em harmonia, entrega resultados e contribui na produtividade do ambiente de trabalho. Quer saber como construir a equipe ideal? Leia na Revista Administradores.

+Simplificando

Eis que um velho fantasma volta para aterrorizar os bolsos dos brasileiros: a CPMF. Criada nos anos 90 como um imposto sobre movimentações financeiras, seu propósito era financiar a saúde pública durante um período determinado de tempo. Foi extinta em 2005, mas voltou como uma proposta para turbinar o ajuste fiscal proposto pelo [agora] ex-ministro Joaqui Levy. Entenda o assunto e forme sua opinião.

+Inteligência emocional

“Quando eu era pequeno, meu pai gritava comigo e me chamava de estúpido quando eu cometia um erro. Eu sabia que ele me amava, mas isso me deixou sentindo que eu tinha alguma falha mortal oculta”, confidenciou o chefe de uma empresa familiar de sucesso do sul da Europa. Você pode não ter enfrentado uma situação semelhante, mas qualquer trauma pessoal, mesmo pequeno, tem o poder de corroer sua carreira durante vários anos. Saiba como destruir os hábitos comportamentais destrutivos em um artigo assinado por Daniel Goleman.

+Negócios

A solidariedade pode ser um modelo de negócios consistente. O professor do IESE Alberto Ribera Azorín analisa a estratégia da plataforma Teaming e mostra como a dependência da generosidade alheia pode mudar o futuro das pessoas.

+Estratégia

O Google virou Alphabet. E essa jogada pode ter salvado o futuro da companhia bilionária. O professor do IMD Ciryl Bouquet escreve sobre a estratégia da gigante das buscas, compara com a Kodak, e aponta os ingredientes para a longevidade nos negócios: como e quando mudar? “As empresas devem ser capazes de transformar-se significativamente ao longo de suas vidas se quiserem resistir à turbulência da mudança, e permanecer relevantes para os seus clientes, investidores, funcionários e outras partes interessadas”, afirma.

Tenha acesso a esses e outros conteúdos na edição 39 da Revista Administradores.


Fonte: Artigos Administradores / Já pensou em ser um nômade digital?

Os comentários estão fechados.