Jovem brasileiro aprovado em cinco universidades dos EUA publica teste na web

Jovem brasileiro aprovado em cinco universidades dos EUA publica teste na web

Gustavo Torres é nascido e criado no bairro do Capão Redondo, periferia na Zona Sul de São Paulo

Você já ouviu falar no personal statement? Trata-se de algo essencial para quem quer estudar em uma instituição de ensino fora do Brasil. Para quem não sabe, o PS é uma redação onde o candidato responde uma simples questão: conte-nos sobre você. E foi através deste teste, somado aos resultados de outros, como TOEFL, por exemplo, que o estudante Gustavo Torres, de 17 anos, foi aprovado em nada menos que cinco instituições de ensino nos Estados Unidos (Columbia, Duke, Harvard, MIT e Stanford). Vale salientar que elas estão entre as mais disputadas e rigorosas instituições de ensino do mundo.

Torres, nascido e criado no Capão Redondo, bairro da periferia na Zona Sul de São Paulo, disponibilizou a sua redação na íntegra para o Estudarfora.org.br.

Veja abaixo o texto dele, disponível na íntegra e em inglês:

PROPOSTA: Some students have a background or story that is so central to their identity that they believe their application would be incomplete without it. If this sounds like you, then please share your story. (Word limit: 650)

I like to compare life to a jigsaw puzzle. We are constantly looking for pieces to complete the inside of our borders, which are the values we define as our guidelines. While looking at my story, I learned that my community, Capão Redondo, had an essential impact on the way I pieced my life’s puzzle together. The adversities I faced in Capão Redondo ultimately inspired the persistence I needed to overcome challenges and define my own values.

During the ‘90s, the UN considered Capão Redondo one of the most dangerous neighborhoods in the world. Although things here have improved, it’s still not a paradise. When I leave home at 5:30am to go to school, I often see men smoking marijuana next to my door. On the street, I have to keep a fast pace to avoid getting mugged. Drug trafficking, poor educational opportunities and, most notably, lack of dreams plague the community and create an environment where bad influences prevail. Surrounded by such an atmosphere, I realized early on that only perseverance would allow me to find the right pieces to expand my puzzle.

In 2010, I was awarded a scholarship to one of the best private schools in São Paulo through ISMART, an NGO that invests in talented young students. The school’s labs, pools and gyms contrasted significantly with the poor infrastructure of my previous school, where the majority of ceilings, desks and windows were broken. Against all odds, I flourished in this newfound environment and in the process, found a new set of puzzle pieces with which to work.

Although this school offered unique academic opportunities, it also provided a new social challenge. I entered a wealthy world, where people traveled abroad during vacations, went to beach houses on the weekends and celebrated parties at expensive venues. I didn’t exactly fit in there. While private chauffeurs drove my peers to school, I faced a two-hour long bus ride every day. As time passed, however, I adapted to that world and learned how to balance the contrasts between the two opposing realities I lived in.

The perseverance I learned from Capão and the opportunities ISMART offered me filled me with courage, drive and goals to succeed in a vastly different context. All of this culminated in one of the greatest experiences I have ever had in my life: participating in a summer program at Yale University. When I first learned about the program, I thought I would never be selected from such a competitive pool of applicants from all around the world. However, a few days later, I decided I couldn’t let such an opportunity slip through my fingers simply because I felt insecure. I applied and was accepted into the program with a full scholarship. After earning this scholarship and excelling in the program, my effort made me realize that there are no boundaries to my potential.

Puzzles are about trying to make sense of the pieces. Similarly, life is a constant effort to find the experiences that fill our existence. Capão placed a set number of pieces in front of me with which I was not satisfied, so I decided to look for more in other places. Studying, discovering new worlds, and achieving what seemed to be improbable were some experiences that broadened my horizons. However, I want to do more than just build my own story; I also want to enable others to do the same. As I continue gathering pieces, I want to share everything I learn and accomplish along the way in order to empower my peers and my community to overcome challenges, expand their borders and thus produce a dazzling picture for society’s puzzle.

Abaixo você confere a tradução da redação para o português do Brasil:

Proposta: Alguns alunos possuem histórias que são significativas e centrais em suas identidades e acreditam que sua candidatura estariam incompletas se as deixassem de fora. Por favor conte sua história.

Gosto de comparar a vida a um quebra-cabeças. Nós estamos constantemente procurando peças para completar a parte de dentro das nossas bordas, que são os valores que definimos para nossas vidas. Quando olho para minha história, vejo que meu bairro, o Capão Redondo, teve um impacto essencial na forma em que tenho montado meu quebra-cabeça. As adversidades que enfrentei no Capão Redondo me deram a persistência que eu precisava para superar desafios e definir meus próprios valores.

Nos anos 90, a ONU considerou o Capão Redondo um dos lugares mais perigosos do mundo. Mesmo que as coisas tenham melhorado por aqui, ainda não é paraíso algum. Quando saio de casa às 5:30 da manhã para ir para a escola, frequentemente vejo um pessoal fumando maconha do lado de casa. Na rua, preciso andar rápido para evitar ser assaltado. Tráfico de drogas, poucas oportunidades de estudo e, principalmente, falta de sonhos infectam a comunidade e geram um ambiente onde más influências prevalecem. Cercado por tal atmosfera, percebi cedo que somente perseverança me permitiria encontrar as peças corretas para desenvolver o meu quebra-cabeças.

Em 2010, recebi uma bolsa para estudar em uma das melhores escolas em São Paulo pelo ISMART, uma ONG que investe em jovens talentos. Os laboratórios, a piscina e o ginásio da escola contrastavam significativamente com a precária infraestrutura da minha antiga escola, onde a maioria dos tetos, carteiras e janelas estava quebrada. Contra todas as chances, eu me desenvolvi neste novo ambiente e no processo encontrei novas peças para trabalhar.

Apesar de a escola me oferecer oportunidades acadêmicas únicas, ela também me trouxe um novo desafio no âmbito social. Eu entrei em um mundo de ricos, onde as pessoas viajavam para o exterior nas férias, iam para suas casas de praia nos finais de semana, e celebravam aniversários em lugares caros. Eu não me encaixava muito bem. Enquanto motoristas particulares levavam meus colegas para a escola, eu enfrentava duas horas dentro do ônibus todos os dias. Entretanto, com o tempo, eu me adaptei àquele mundo e aprendi a balancear os contrastes entre as duas realidades em que vivia.

A perseverança que aprendi no Capão e as oportunidades que o ISMART me ofereceu me encheram de coragem, motivação e objetivos para ter sucesso em diferentes situações. Tudo isso se materializou em uma das melhores experiências da minha vida: participar de um programa de verão na Universidade de Yale.  Quando soube do programa, achei que nunca seria selecionado em meio a tantas pessoas talentosas do mundo todo que estavam competindo. Porém, depois de alguns dias, decidi que não podia deixar uma oportunidade dessas escapar pelas minhas mãos simplesmente porque me sentia inseguro. Eu me candidatei e fui aceito no programa com tudo pago. Depois de ganhar essa bolsa e me sair bem no programa, meu esforço me fez perceber que não existiam barreiras para o meu potencial.

Quebra-cabeças envolvem tentar dar sentido às peças. Similarmente, a vida é um esforço constante para encontrar experiências que completem nossa existência. O Capão colocou uma série de peças na minha frente com as quais eu não estava satisfeito, então decidi procurar por outras em lugares diferentes. Estudar, descobrir novas realidades, e conquistar o que parecia improvável foram algumas experiências que ampliaram meus horizontes. Entretanto, quero fazer mais do que construir minha própria história; também quero permitir que outros façam o mesmo. Enquanto continuar juntando peças, quero compartilhar tudo que eu aprender e conquistar nesse caminho para empoderar meus colegas e minha comunidade a superar desafios, conhecer novas possibilidades e, assim, construir uma imagem deslumbrante para o quebra-cabeça da sociedade.

 

 


Fonte: Notícias Administradores / Jovem brasileiro aprovado em cinco universidades dos EUA publica teste na web

Os comentários estão fechados.