Lições de administração com o PT

Lições de administração com o PT

Quando você olhar para qualquer instancias dos governos petistas, não olhe como uma coisa pessimista ou um show de horrores, veja sempre como uma lição o que você não deve fazer em uma empresa ou na vida

Por incrível que pareça, o PT (Partido dos Trabalhadores), nos trás grandes lições de administração a aqueles que querem abrir um negocio próprio e que por ventura, não sabem como administrar uma empresa. Vamos a elas:

1. ética e convicção:

Todos nós temos nossas convicções e nossa própria ética diante da vida e vamos sempre seguir essa ética, ninguém está livre de mudar, mas mudar seu foco só quando os resultados não são aqueles que esperávamos. Se temos uma empresa de telemarketing, por exemplo, temos que dar o serviço de telemarketing e não de telemensagem. Porque quem nos contrata quer o serviço de telemarketing e não de telemensagem e é isso que o PT faz, nós contratamos para administrar um país ou uma cidade com o nosso voto, eles dão o serviço de “mãe”, “pai” e “professor” como se o Brasil ou São Paulo fosse um grande MOBRAL (movimento brasileiro de alfabetização).

Ética vem do grego “ethos” que quer dizer caráter e todos nós temos algum caráter diante de nossas ações, então, essa caráter deve ser mantido com a conviccao que ele foi moldado. Se acredita em uma ideologia, se deve seguir essa ideologia, se foi colocado para um serviço é para fazer esse serviço e não tem outro a fazer. A administração é clara nesse aspecto, se você administra é para levar a empresa a atingir um fim ultimo, esse fim ultimo é atender dentro das especificações que ela foi contratada. Se você faz uma comida ruim em um restaurante, por exemplo, não haverá cliente e se o cozinheiro não serve, se deve dispensar o cozinheiro.

2. gerentes não são chefes.

Etimologicamente, gerente vem do latim “gerens” que quer dizer “aquele que administra”. O que vimos e talvez é difícil dos políticos (seja de esquerda ou de direita) é que não somos mais uma nação de engenhos e que o povo deve eleger senhores desses engenhos. O que se esquecem é que estão em um país com democracia – “demo” = povo “kratos” = poder, domínio – e não somos mais uma monarquia (mono = um arkhé = comando). Por que isso? Somos um povo que temos uma grande carência de não ter um monarca e isso é claro, os americanos não tem essa carência, nós temos. Então, o indivíduo entra na administração publica, pensa que é um monarca e começa a nomear duques, condes e etc.

Ora, para começar não se nomeiam pessoas que se sintam chefes, mas pessoas que se sintam gerentes, porque gerencia tem a ver com gerir. As pessoas tem que gerenciar uma determinada área ou uma repartição publica e não chefiar uma repartição publica. O chefe é o cabeça, aquele que coloca em linha reta, mas não temos mais de delegar uma pessoa dentro e que não aceita nada, um gerente geri uma administração e pode levar muito mais longe, ainda mais, quando essa repartição é publica, ou seja, que leva algum serviço ao publico. Nós não sabemos ainda o que é democracia e muito menos o que é gerencia, pois confundimos gerencia como chefia, com o rei ou o duque que cuidava das terras distantes do designo do rei. Não temos reis ou rainhas, temos administradores que elegemos e se elegemos deve administrar para quem o elegeu.

Um voto é uma assinatura do contrato e queiramos ou não, se votou assinou o contrato, porque não somos um povo que suportamos as percas. Talvez, por passarmos por muito mais ditaduras do que governos democráticos, ainda não aprendemos o processo e não aprendemos que mesmo quando não votamos no indivíduo (é um ser heideggeriano e não é um desdem irônico), temos o direito de cobrar dele. Mesmo que não apoiamos a sua politica, temos que apontar os erros e se não toma as medidas cabíveis, dai se recorre ao MP (Ministério Publico). Mas dentro da democracia se derrota por votos – mesmo que não concordamos, é o regime que está ai – e o melhor que se pode fazer e votar bem, mas aquele que administra com melhores gerentes e melhor visão do que realmente se precisa.

3. economia.

Goste ou não, o mundo é construído sobre a economia monetária e se você quer administrar tem que ler ou saber pelo menos o básico de economia. Mesmo que se tenha ministros e secretários da economia, não podemos ser prefeito, governador e presidente sem saber o básico de teorias econômicas, mesmo as teorias de Karl Marx. Em um empreendedorismo, seja até ongs ou movimentos sociais, se não entra recurso não se pode dar o retorno desejado, ou seja, não se pode dar o trabalho que é destinado. A lição que fica da administração petista é que o gasto da administração publica está alto, mais do que a arrecadação – por isso os rombos das empresas estatais como a Petrobrás – gerando deficit perigosos que geram a falência dos recursos.

Projetos sociais não são errados, mas devem visar muito mais do que uma sustentação vitalicia. Porque você tira dinheiro de algo que não tem que tirar – como educação e saúde – para colocar em gastos “supérfluos”, como comprar paletós, como comprar tablets e smarthphones e etc. Pois gastos se corta na rais em terceirizar o funcionário publico, pagar somente os salários aos senhores políticos, diminuir as assessorias dos políticos, diminuir ministérios e secretarias e diminuir privilégios inúmeros. Pois já pensou se uma empresa vai e gasta milhões só na administração da empresa? Já pensou o que seus sócios vão dizer se um administrador tem que ter computador, tablet, celular, smarthphone e etc? Como é publico e ninguém fiscaliza – nós deveríamos fiscalizar como os norte-americanos – os abusos são inúmeros.

Bolsas deveriam ser temporárias e não são. Bolsas são investimentos que se faz para as pessoas terem chance de crescer, mas que há uma confusão nesse sentido. Mesmo os movimentos sociais – não as federações que recebem recurso do governo – não podem dar coisas se não é uma doação, pois há um recurso e ele deve ser trocado. Tudo no universo é assim e se você acha que deve receber de graça, não entende a lei do investimento e do retorno desse investimento, porque o mundo não pode ficar estagnado. Empresas devem investir e deve ter o retorno desse investimento, movimentos devem investir e ter um retorno nesse investimento, ONGs devem investir e devem ter retorno desse investimento e essa é a regra universal, não tem como fugir. Mesmo uma escola, por exemplo, há um investimento nas crianças e nos jovens e deve ter o retorno desse investimento e isso os petistas erraram e feio.

4. conclusão.

Quando você olhar para qualquer instancias dos governos petistas, não olhe como uma coisa pessimista ou um show de horrores, veja sempre como uma lição  o que você não deve fazer em uma empresa ou na vida. Porque temos que ter caráter e convicção daquilo que acreditamos e somos, temos que tomar cuidado com quem puxa o saco demais e quer ser gerente da nossa empresa e não podemos gastar mais do que gastamos. Assim, como muitos por ai, vamos prosperar sempre como bons e notáveis administradores.

 


Fonte: Artigos Administradores / Lições de administração com o PT

Os comentários estão fechados.