Liderança comportamental: a autoliderança com foco em resultados

Liderança comportamental: a autoliderança com foco em resultados

Você normalmente traz para si a responsabilidade ou sempre encontra algo ou alguém pra colocar a culpa? Na hora da dificuldade você reclama do problema ou busca a solução? Que tal ser o líder de uma das coisas mais importantes que existem? Seja o líder da sua própria vida!

Antes de liderar aos outros,  você deve liderar a si mesmo. Como um pesquisador na área de comportamento humano, acredito que bastaria isso pra resumir o conceito da liderança comportamental – a autoliderança com foco em  resultados. 

O tema da liderança  tem sido tratado com muito destaque principalmente nos últimos anos. Apesar de algumas  historias sobre liderança nos remeterem a milhares de anos atrás, vemos cada dia mais esse tema ganhar força, importância e reconhecimento. Realmente a historia e criada geralmente a partir de um protagonista, um personagem principal. Essa pessoa normalmente é aquele de se destaca da multidão. As grandes transformações da historia da humanidade contaram com a presença deles. Eles Construíram impérios, destituíram tiranos, transformaram o mundo, alguns inspiraram fé e esperança dando inicio a grandes religiões. Outros foram responsáveis por alguns dos períodos mais sombrios da humanidade. Quem  é essa figura tão  poderosa e fascinante chamada de líder? Como desenvolveram essa habilidade? Como desenvolveram a sua liderança?

Temos formas diversas de ver, ouvir, falar e pensar liderança. O que peço a você agora e que possamos juntos retroceder no processo de avaliação desse tema. Como liderar? Posturas condutas,  orientações, regras e atitudes estão sendo abordados por outros autores. Quero conversar com você sobre o que de fato acreditam as pessoas que estão buscando desenvolver a liderança dentro delas. Sim,  no que elas acreditam afinal a primeira coisa que você deve liderar é a si mesmo. Chegamos ao primeiro ponto básico da liderança comportamental.  Talvez possa gerar alguma duvida pra você essa teoria que eu criei:  o que chamo de liderança comportamental.

Vamos esclarecer o assunto. Temos assistido a um verdadeiro universo de definições de liderança. Da situacional a servidora. Da democrática a autocrática. E por aí vamos. Todas têm sua importância e relevância e possa afirmar que todas estão corretas, dependendo do ponto de vista que se observa. Quero apenas reforçar que a liderança comportamental antecede qualquer outra forma de liderança. Não é melhor nem pior, apenas vem antes. Antes de liderar aos outros devemos liderar a nós mesmos. E repetindo esse conceito passo ao ponto seguinte: a liderança comportamental foi criada com base em outro conceito focado em resultado. A inteligência Comportamental humana, a inteligência do sucesso.

Seguindo o caminho descrito por essa teoria que resultou no livro: Inteligência do Sucesso – a inteligência de quem faz acontecer, nossa inteligência esta relacionada a nossa real capacidade de gerar os resultados que estabelecemos. Atingir o alvo. Realizar seus sonhos. Cumprir suas metas. Tendo um objetivo estabelecido, criar a estratégia e fazer acontecer. Mas algo precede mais uma vez isso tudo. Uma decisão tem que ser tomada. A  escolha deve ser feita. A responsabilidade pelas suas escolhas deve ser assumida. Assim começa a formação de um líder. Desenvolvendo seu comprometimento, dedicação e foco baseados nas suas escolhas. Essas escolhas foram feitas baseadas em suas crenças e valores. Chegamos a  essência do conceito. O que é necessário acreditar pra ser capaz de assumir o controle e a responsabilidade pela própria vida. Coragem, ousadia?

Os atributos são tantos e boa parte deles comuns aos lideres em geral. Mas quais são as crenças  e valores que estão por trás desses comportamentos, dessas atitudes. No que essas pessoas acreditam. Como essas crenças influenciam e transformam suas vidas e as vezes de milhões de outras pessoas também. Por isso falo da liderança comportamental. Do comportamento que faz acontecer. Afinal você é aquilo que acredita ser. Suas crenças controlam sua vida, assim como seus valores determinam ate onde  você esta disposto a chegar para realizar aquilo que deseja. Peter Drucker diz que, para resumir: liderança é visão. Visão é ver algo que talvez os outros ainda não consigam enxergar. Liderança é transformar uma visão em realidade. Compartilhar essa visão, influenciar e trabalhar em prol de torná-la real. Antes de existir, ser concreto e palpável alguém ousou sonhar. A liderança não conquista apenas cabeças, ela arrebata corações. 

Tudo isso faz com que fiquemos fascinados  pelo tema e pelo líder. Agora a realidade sobre quem realmente é  esse líder, apensa será evidenciada quando de fato conhecermos verdadeiramente seu caráter, suas crenças e valores. Não estou discutindo certo ou errado, bem ou mal.  Podemos identificar na historia e em nossas vidas lideres construtivos e lideres destrutivos. Lideres Do bem e líderes do mal. Penso ser muito difícil alguém questionar a capacidade de influencia e de realização de Nelson Mandela, Mahatma Gandhi assim como a de Hitler. Líderes são capazes de libertar povos e países e também são capazes de quase dizimar  uma raça. Tudo isso por que acreditam naquilo que defendem.

Suas ações e atitudes fazem com que aqueles que convivem com eles sigam seus passos. São admirados, respeitados e ate invejados. As pessoas os seguem Não porque foram obrigados, mas sim porque foram influenciados e inspirados pelo exemplo, coragem, eloqüência e pelas suas verdades. A crença nada mais é que a verdade que cada um de nós temos. O que acreditamos passa a ser verdade até que se prove o contrario. Muitas vezes mesmo apesar de todas as evidencias,  as pessoas não querem ver. É muito doloroso perceber que as coisas na eram exatamente como se pensava. É necessário muita coragem para mudar uma crença. Cada líder desenvolve atributos gerais, mas é reconhecido por atributos muito próprios, o que acaba por gerar o diferencial de cada um deles. Por exemplo, Mandela foi preso político 30 anos, algum tempo apos  ser libertado tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul colocando fim ao Apartheid. Ganhou o premio Nobel da paz. Inspirou seu povo durante sua injusta prisão a resistir aos abusos compartilhando a crença de que um dia poderiam mudar isso. Não necessariamente com uma luta armada, mas sim com fé e esperança em dias melhores.

Gandhi era capaz de encerrar conflitos étnicos fazendo jejum, pois sendo ele tão respeitado e amado pelo povo indiano, tendo defendido a luta  e a resistência  pacífica pela não violência, derrotou a império inglês, libertando a Índia com serenidade, coragem, amor, compreensão e tolerância. Quando percebia que não era mais ouvido pelas diversas lideranças étnicas, simplesmente se calava e jejuava. Quando pediam a ele para parar com isso, pois iria morrer, dizia as pessoas que com tanta violência e intolerância, perdia a alegria de viver. Se todos conseguissem sentar a mesa e conversar como irmãos, isso o alegraria muito. Isso também é o poder de um líder. A mesma tolerância que é abandonada por alguns lideres capazes de fazer seus seguidores cometerem atrocidades contra dezenas de milhares e ate milhões de seres humanos por diferença de etnia ou religião  e ate mesmo tornar-se um homem bomba morrendo e matando numa “guerra santa”.  

Assumir o controle das suas escolhas de seus caminhos em prol de atingir um resultado estabelecido, mesmo que esse resultado seja simplesmente viver sua missão e propósito de vida. Um dos nosso maiores desafios atualmente nas famílias, nas empresas e na sociedade em geral é desenvolver pessoas que tenham a capacidade de aprender – crescer e mudar. Apesar do pragmatismo e objetividade da liderança comportamental, constantemente procuro questionar as pessoas sobre as suas reais razoes para fazerem o que fazem. Quais são suas intenções mais profundas. Um dito popular diz que: de boa intenção o inferno esta cheio! Então meus amigos não se assustem  se o mal começar a buscar outro lugar para viver, pois a intenção das pessoas diz muito sobre quem elas são. Um dos melhores exemplos disso é uma frase que hoje utilizo em minha vida; Prefiro fazer a coisa errada pela razão certa, que a coisa certa pela razão errada. Se deu errado posso corrigir e dessa forma atingir  o resultado desejado alinhado com minhas crenças e valores construtivos, por outro lado se as razões não forem boas por melhor que seja o resultado será improvável o mérito sempre será questionado. São meus valores, minhas escolhas. Se fosse basear minha vida nos equívocos que cometi, garanto a você que não levantaria pela manha. Mas existe a escolha de continuar, de superar, de aprender e perdoar. A liderança comportamental nos permite construir lideres fabulosos, isso é um fato. Se eles serão construtivos ou destrutivos dependerá exclusivamente das crenças e valores que eles tem.   Qual é o mais poderoso?

Um discípulo perguntou a seu mestre sobre a autoliderança para o bem e para mal.

– Elas  habitam o coração e a mente do homem.

Qual é a mais poderosa

O mestre respondeu:

 São duas feras que constantemente lutam para dominar e ter o poder da decisão.

 Mas mestre qual é o mais poderoso?

Aquela que você alimentar mais…

Suas crenças e valores estão ajudando a construir que tipo de liderança na sua vida?

“A melhor e mais poderosa liderança será aquela que terá sobre a sua própria vida.”

“Quem domina aos outros é forte. Quem domina a si mesmo é poderoso.”

Como um cientista comportamental tenho que definir um conceito técnico e impessoal, como um ser humano tenho a esperança no desenvolvimento de lideres que conduzirão a humanidade há dias melhores.

Desenvolva a sua liderança comportamental, Assuma o controle da sua vida,  aprimore  e alinhe suas crenças e valores de forma a ser capaz de realizar o que deseja com amor, paixão e entusiasmo e ouse fazer de sua vida uma vida  extraordinária.


Fonte: Artigos Administradores / Liderança comportamental: a autoliderança com foco em resultados

Os comentários estão fechados.