Marketing infantil no Brasil: quem são os responsáveis?

Marketing infantil no Brasil: quem são os responsáveis?

Quem regula as ações publicitárias no Brasil?

As novidades para as crianças cresceram tanto, que nós não conseguimos acompanhar muitas vezes este processo de desenvolvimento, principalmente, quando se tratam de novas tecnologias.

A globalização, tema muito debatido por Milton Santos, em seu livro “Por Uma Outra Globalização”, tem na sua perspectiva três tipos de globalização: “A globalização como Fábula – o mundo tal como nos fazem crer”, “O mundo como ele realmente é – a globalização como perversidade” e “O mundo como pode ser – uma outra globalização”. O mundo depois das revoluções industriais, sem dúvida se tornou muito mais desenvolvido tecnologicamente, porém acentuou também as desigualdades já existentes.

O desejo desenfreado por produzir e por vender a qualquer custo, nos põem (administradores) muitas vezes em situações difíceis, vivendo esse dualismo constantemente. Quando esse processo de vender a qualquer custo se impõe ao público infantil, se torna muito mais difícil. Observando que atualmente as crianças ficam fascinadas com o novo Tablet recheado de jogos, em que os pais nem entendem muito bem como manusear o aparelho, eles já estão sabendo. Essa é a geração Hightec. Ou se voltando para o âmbito alimentício, aquele fast- food com um boneco daquele filme. Como resistir? Existe um órgão que regula as publicidades, ou seja, as formas de publicar um produto para o público infantil, este é o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR). Muitas marcas como Coca – Cola, já tiveram seus comerciais suspensos por incentivarem de forma incisiva o consumo de um produto para as crianças, ele veta o uso do apelativo e imperativo como “compre” ou ”peça aos seus pais”.

Acreditando que a publicidade é algo que deve existir, até para que se possa divulgar qualquer produto para com o consumidor, se entende também, que para as criança se torna necessário um rigor maior, pois elas não têm ainda a capacidade cognitiva de saber o que realmente querem e o porquê, além disso, podem se sentir excluídas por não ter algo que os outros amigos têm o que poderá provocar depressão e outros traumas que o acompanharão para a fase adulta.

Essa educação é necessária em casa, pelos pais, é um exercício de: Por que você quer isso? Ou Você gosta disso? E explicar o porquê ela não pode ter aquilo no momento, acredito no impor limites, as crianças têm o direito de brincar e quererem seus brinquedos, jogos, enfim são crianças. Mas com orientação dos pais é com certeza muito melhor. Pois as crianças de hoje, serão os adultos de amanhã.

Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/12/1384903-conar-ja-puniu-179-campanhas-de-publicidade-voltadas-para-criancas-veja-frases-proibidas.shtml.


Fonte: Artigos Administradores / Marketing infantil no Brasil: quem são os responsáveis?

Os comentários estão fechados.