Mercado de PCs do Brasil deve encolher quase um terço em 2015, diz IDC

Mercado de PCs do Brasil deve encolher quase um terço em 2015, diz IDC

Segundo o levantamento, as vendas de computadores pessoais no Brasil devem somar 7,4 milhões de unidades em 2015, uma queda de 29% em relação ao ano passado

O mercado brasileiro de computadores deve encolher quase um terço neste ano, afetado pela recessão econômica e valorização do dólar contra o real, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira pela empresa de pesquisa de mercado IDC.

Segundo o levantamento, as vendas de computadores pessoais no Brasil devem somar 7,4 milhões de unidades em 2015, uma queda de 29 % sobre os 10,3 milhões de PCs comercializados em 2014.

“Os números estão abaixo de nossa projeção e as vendas estão bastante estagnadas”, disse em comunicado à imprensa o analista de pesquisas da IDC Brasil Pedro Hagge. Segundo ele, as vendas de PCs no segundo trimestre tiveram queda de 38 % sobre o mesmo período do ano passado, para 1,637 milhão de unidades.

Com o resultado, o Brasil caiu da sétima para a oitava colocação no mercado mundial de PCs, atrás de Estados Unidos, China, Japão, Índia, Reino Unido, Alemanha e França, segundo a IDC.

“A cotação da moeda americana impacta todo o elo de produção de um computador. Com o mercado estagnado como está, muitos fabricantes estão investindo em outras categorias de produtos”, afirmou Hagge.

O gerente de pesquisa da IDC, Reinaldo Sakis, afirmou ainda que a eventual aprovação pelo Congresso da Medida Provisória 690, que prevê que computadores, tablets e outros equipamentos eletrônicos voltem a pagar alíquota cheia de impostos, deverá representar mais um peso para o setor em 2016.

“Não temos dúvida que o mercado será afetado de forma contundente e bastante negativa e a arrecadação extra de 6,7 bilhões de reais que o governo espera com essa medida será menor, pois a expectativa para o ano que vem já é de desaceleração”, afirmou Sakis.


Fonte: Notícias Administradores / Mercado de PCs do Brasil deve encolher quase um terço em 2015, diz IDC

Os comentários estão fechados.