O aliado dos negócios

O aliado dos negócios

A instabilidade e incerteza político-econômica fazem com que o relacionamento com a rede de contatos seja cada vez mais primordial para a sobrevivência no mercado. O conhecido networking é uma ferramenta valiosa na hora de fechar negócios.

O aliado dos negócios

 

*Eliana Dutra

A instabilidade e incerteza político-econômica fazem com que o relacionamento com a rede de contatos seja cada vez mais primordial para a sobrevivência no mercado. O conhecido networking é uma ferramenta valiosa na hora de fechar negócios. Para se ter ideia, eu já consegui uma proposta durante um vôo de ponte aérea. Como? Apenas puxando uma conversa sobre um assunto em comum, como, por exemplo, o espaço apertado entre os assentos. Assim, criei uma oportunidade de diálogo com a pessoa ao meu lado para saber mais sobre o que ela fazia, seus interesses etc.

No momento em que você tira o foco de si mesmo e coloca no outro consegue estabelecer uma relação de empatia e confiança.  Assim, você pode passar uma informação, que vai ser identificada pelo interlocutor como útil para atender a um demanda que ele tem. Se nesta informação você falar sobre seu negócio, sua empresa pode ser que tenha encontrado um cliente em potencial. Já caso, não tenha oportunidade de falar sobre sua empresa dê a informação assim mesmo, você pode ter encontrado um fornecedor ou até, se tiver sorte, um amigo. Enfim, perguntar algo é o primeiro passo para estabelecer um diálogo, ou seja, não tenha medo de tomar a iniciativa.

É preciso entender que o networking é muito mais que um hábito de colecionar cartões de visita e contatos no LinkedIn.  Trata-se de um investimento em longo prazo, da construção de uma comunidade que deve ser constantemente alimentada com a sua intenção de ser útil. Isso porque o networking é uma forma de trabalho colaborativo onde você pode encontrar demandas nas quais pode ajudar como também pode identificar colaboradores para um futuro projeto, por exemplo. Além disso, estar atento as oportunidades é fundamental, já que qualquer lugar é um potencial ambiente para conquistar novos negócios. O problema surge quando você possui mais de 500 nomes na agenda, mas não tem liberdade para fazer um pedido a nenhum deles. Um clássico exemplo que quantidade não é qualidade.

Para resolver isso nada de tentar ativar os contatos de forma desestruturada e mal planejada. É preciso diversificar os contatos que já possui independente do nível hierárquico, procurando agregar na sua rede profissionais das mais diversas áreas e também aproveitar situações como reuniões, viagens, eventos, cursos e até mesmo encontros casuais em salas de espera e elevadores.

Meu herói em networking que me inspira nestes momentos é um coach que conseguiu ganhar um cliente numa viagem de elevador. Ele entrou viu um sujeito com um “pin” de uma associação e puxou conversa sobre a mesma, perguntou o que o sujeito fazia explicou o que era coach e foi contratado.  Tudo isto entre o térreo e o último andar. Parece mentira, mas é verdade e o nome dele é Sandy Vilas. Contudo,  é importante ressaltar que só puxar conversa não é suficiente, ou seja, não basta conhecer alguém e trocar cartão. É preciso também ter uma real vontade de ser util e ser competente, já que só um trabalho de qualidade mantém clientes.

*CEO da Pro-Fit e Primeira Master Coach Certified pela ICF da América do Sul

 

 


Fonte: Artigos Administradores / O aliado dos negócios

Os comentários estão fechados.