O coaching como aliado na difícil escolha da profissão

O coaching como aliado na difícil escolha da profissão

Escolher qual profissão seguir está entre os momentos mais importantes da vida dos jovens, saiba como o coaching pode ajudá-los

A grande maioria dos jovens tem muitas dificuldades no momento dessa escolha quando estão concluindo os estudos no 2º grau. E muitos acabam errando nessa escolha. Segundo dados do MEC, de 25% a 30% dos alunos aprovados anualmente nos vestibulares já declararam ter iniciado antes um curso superior e o valor que as faculdades perdem todos os anos com a evasão universitária é algo em torno dos 9 Bilhões de reais. São muitas opções de cursos e os jovens são cobrados por seus amigos e familiares

É importante se conhecer muito bem para tomar essa decisão. Saber quais são suas crenças, interesses, valores, forças, fraquezas, motivações, habilidades e competências. É necessário conhecer qual o nível da maturidade vocacional. Ela é dividido em 7 c’s, que são:

  • Conhecimento de si mesmo;
  • Conhecimento realista das influências;
  • Consciência da necessidade de escolher e decidir;
  • Consistência das preferências vocacionais;
  • Composição de uma carreira (começo, meio e fim);
  • Conhecimento da realidade educacional;
  • Conhecimento realista do sistema econômico e macrotendências.

É importante também identificar também a “vocação profissional”. O jovem tem que tentar responder as seguintes perguntas:

  • O que faço com prazer, sem que as pessoas me peçam?
  • O que faria por alguém, mesmo sem receber nada em troca? 
  • O que faço sem esforço e que as outras pessoas admiram e têm dificuldade de realizar?

            E como um coach pode contribuir com os jovens nessa difícil escolha? Primeiro, é preciso explicar o que é essa ferramenta de desenvolvimento humano.

Em 1972, o americano Timothy Gallwey, hoje com 77 anos, plantou a semente do coaching. Com o livro “The inner game of tennis” (“O jogo interno do tênis”), publicado naquele ano, ele apresentou uma adaptação para o mundo corporativo do que aprendera nas quadras, como técnico do esporte, ao desenvolver uma forma inovadora de ensinar. Segundo ele, Coaching é uma relação de parceria que revela, liberta o potencial das pessoas de forma a maximizar o desempenho delas. É ajudá-las a aprender ao invés de ensinar algo a elas…

O Coaching tem como base ciências, como: psicologia, sociologia, neurociências, programação neurolínguistica – PNL e que usa técnicas da administração de empresas, gestão de pessoas e dos esportes.

A diferença entre coaching e terapia (dúvida de muitas pessoas), é que o 1º é uma prática mais recente, não tem caráter clínico, o foco é no futuro e o olhar está sobre a solução de um determinado problema/desafio do coachee. Já a terapia tem o foco no passado, procura detectar um problema, é realizado exclusivamente por um profissional de psicologia e possui caráter clínico.

O processo de coaching é conduzido por um profissional denominado “Coach” e o seu cliente é intitulado “Coachee”. Ele pode ser aplicado tanto em âmbito profissional, como também no desenvolvimento de aspectos da vida pessoal.

Alguns resultados que o coaching pode promover para um jovem:

  • Capacidade de aprendizagem constante;
  • Autoconhecimento e autoconsciência;
  • Melhora da autoestima;
  • Equilíbrio em todas as áreas da vida;
  • Maior organização do tempo;
  • Ajuda no planejamento e foco de atuação.

A estrutura de um processo de coaching vocacional (um dos nichos existentes) é dividido, segundo Maurício Sampaio do Instituto MS Coaching de Carreira, assim:

  • 1ª fase: Autoconhecimento;
  • 2ª fase: Planejamento e ação;
  • 3ª fase: Pesquisa;
  • 4ª fase: Avaliação do processo.
  • 5ª fase: Autonomia (capacidade do coachee reiniciar o processo sozinho).

No final do processo, o jovem fica mais empoderado para realizar essa difícil escolha e potencializa os resultados positivos decorrentes da mesma.


Fonte: Artigos Administradores / O coaching como aliado na difícil escolha da profissão

Os comentários estão fechados.