O fantástico profissional camaleão

O fantástico profissional camaleão

Precisamos ser flexíveis e adaptáveis igual ao camaleão. E a flexibilidade deve começar com a nossa imagem.

Os camaleões estão entre os animais mais fascinantes do planeta Terra. Os mesmos conseguem mudar de cor de acordo com o ambiente, habitam tranquilamente florestas ou desertos, conseguem enxergar em luz ultravioleta e em 360°. Além de tudo isso, são bem raros e só podem ser encontrados em partes da Ásia, América do Norte, Europa e África, sendo que, das 80 espécies catalogadas, 59 estão no último continente citado, mais precisamente na ilha de Madagascar (isso mesmo, aquela onde o Rei Julien mora – eu me remexo muito, eu me remexo muito, remexo, MUITO)!

Joseph, é um artigo sobre carreira ou um programa do Discovery Chanel? É sobre carreira sim, porque esses bichinhos super flexíveis e polivalentes podem nos ensinar muita coisa e, parafraseando Mahatma Gandhi, “reparem a natureza, pois a mesma trabalha continuamente e em silêncio!”. O camaleão muda de cor constantemente, o que o protege de possíveis predadores, uma vez que, ao mudar de cor, o mesmo se camufla no ambiente. Essa mudança de cor não é aleatória, ela é pensada estrategicamente para que o camaleão sobreviva. Agora imagine você, profissional, que lê esse texto, que a mudança de cor do réptil citado equivale à capacidade que nós profissionais devemos ter de mudar a nossa própria imagem. Foi-se o tempo em que existia apenas um tipo de empresa. Hoje a segmentação de mercado é uma das primeiras características que as organizações desenvolvem para manterem-se relevantes e, se as empresas segmentaram-se e mudaram as suas imagens, o mesmo deve acontecer com os profissionais. Precisamos ser flexíveis e adaptáveis igual ao camaleão. E a flexibilidade deve começar com a nossa imagem. Nossa sociedade se tornou, através dos tempos, essencialmente visual e materialista, e vender uma imagem que passe confiança e que se comunique com o público-alvo das empresas se tornou prioridade para um profissional que não quer se tornar presa fácil no mercado.

Esse réptil, além de se camuflar, também consegue viver em um deserto escaldante e aberto ou em uma floresta úmida e fechada. Ele se torna forte por conseguir se adaptar e resistir, não só mudando a sua cor, mas também preparando o seu corpo e mente para as mudanças de ambiente. Isso nos mostra que não adianta mudar a imagem se junto com mudança não vier uma modificação consistente de conteúdo. Mudar de cor e não se adaptar ao frio não adianta. Do mesmo jeito que mudar a imagem profissional e não se aperfeiçoar não vai trazer ganhos positivos para a sua carreira, muito pelo contrário: o profissional pode acabar sendo visto como alguém pouco consistente. Comparo sempre os profissionais com boa imagem e conteúdo ruim àqueles bolos de noiva que as nossas mães esperam até o fim da festa de casamento para experimentar: são lindos por fora, porém têm gosto de qualquer outra coisa, menos de bolo. São enormes e pomposos, mas a fatia não sacia a fome de ninguém.

Os camaleões também enxergam em luz ultravioleta, adaptam a sua visão ao novo. Vivemos uma crise econômica generalizada que assola o mundo inteiro e que nos faz pensar, por exemplo, que a Grécia tem sua economia gerenciada por uma criança de três anos de idade. Estamos em um deserto frio e precisamos enxergar através da luz forte que a areia desse deserto reflete. O que mais venho escutando de alguns meses para cá é que tudo é culpa da crise, seja a instabilidade da nossa política, a extinção dos desenhos infantis da programação da TV aberta ou a morte de Jon Snow na quinta temporada de Game Of Thrones.

Enxergar mais e melhor em tempos difíceis e situações adversas, leva o profissional a ganhar larga vantagem em relação aos demais. Enquanto muitos cegam diante das dificuldades de nosso cenário atual, você pode enxergar alvos que ninguém mais vê e catapultar sua carreira para patamares nunca alcançados. Ainda sobre a visão dos camaleões, eles veem em 360 graus, observam duas direções ao mesmo tempo e analisam o que cada direção pode trazer, entre vantagens e desvantagens. Isso nos leva a refletir que muitas pessoas vivem uma carreira de pouca visão, sempre buscando a comodidade de um caminho óbvio e esquecendo que várias estradas podem ser percorridas e atalhos, como muitos defendem, não são ruins, pelo contrário: os atalhos que buscamos podem nos tornar mais eficientes diante do mercado de trabalho. Por todas as características que carrega, esse réptil se torna raro e difícil de achar. Tudo que é raro se torna valioso e alvo da cobiça de muitos. Escolher ser camaleônico torna o profissional um capital intelectual que toda empresa quer possuir. Ser um profissional raro eleva o valor do seu passe, aumenta o seu prestígio e o principal: te faz sobreviver em tempos difíceis. Faça limonada com os limões que a vida te dá, enxergue fora da caixa e comece a ser mais camaleão. A sua carreira agradece.


Fonte: Artigos Administradores / O fantástico profissional camaleão

Os comentários estão fechados.