O layout como um aliado do fator desempenho

O layout como um aliado do fator desempenho

O arranjo físico ou layout deve ser pensado para além das necessidades atuais da organização.

O arranjo físico ou simplesmente layout é um fundamento vital para operacionalização de qualquer espécie de negócio. Afinal, há de se saber como, quando, quanto e onde serão necessários dispor os recursos físicos e tecnológicos dentro do ambiente organizacional, sejam departamentos, seções, escritórios, células produtivas, depósitos, processos, atividades, etc, ou seja, o que será necessário fazer para que as atividades essenciais do negócio sejam processadas de forma adequada e efetiva. Mais ainda, o layout não se limita às operações internas do negócio, vai além. Para ser efetivo, esse conceito precisa ser elevado para além dos limites internos da organização, ou seja, deve ser estendido para toda a cadeia de valor do negócio.

Isso inclui parceiros de negócio, infraestruturas de escoamentos básicas, fornecedores, intermediadores, clientes, consumidores e, inclusive, concorrentes. O layout deve priorizar os meios de suprimentos e acesso às áreas de armazenamento de materiais e de serviços, num alinhamento sinérgico que se relaciona com o fluxo de atividades do negócio e com a rede de trabalho. Ao combinar uma força de trabalho com as características físicas do ambiente de negócio, a organização passa a trabalhar no sentido de produzir mais e melhor. A produtividade de que falo não se restringe à produção de bens e serviços propriamente dita. A produtividade vai além disso: qualidade nos produtos e qualidade no ambiente laboral, inclusive no social, pois os recursos são utilizados de forma mais racional.

Sendo um dos objetivos básicos do layout fazer com que ocorra uma fluidez adequada de informações por todos os sistemas e subsistemas da empresa – num fluxo racional, continuo e limpo -, pois para que ocorra êxito em sua operacionalização se faz necessário um sistema corrente, o quesito flexibilidade é tanto quanto fundamental, pois em um mercado cada vez mais veloz e dinâmico se faz necessário estar preparado para possíveis e iminentes ações de correção e de ajustes produtivos e administrativos por parte dos gestores. Outros objetivos importantes residem em questões de previsibilidade, racionalidade, qualidade, controle, medição, conforto e segurança.

Todas essas questões abordadas orbitam por entre os recursos físicos, de capital e de pessoal. Como dito, tais questões não se limitam a isso ou àquilo. E a responsabilidade da disposição desse arranjo é sempre conjunta, do setor operacional e do setor administrativo. Necessidades e disponibilidades devem ser discutidas de forma clara e objetiva, no sentido de equilibrá-las como recursos organizacionais que devem ser. Economia , continuidade, flexibilidade e integração devem ser termos condicionantes na escolha de determinado arranjo físico. Por outro lado, se faz necessário medir muito bem quando se decide por esse ou aquele modelo de arranjo físico, pois os custos envolvidos nesses casos podem ser impensáveis. Tão importante quanto questionar qual é o nosso negócio?, é imprescindível questionar sobre como deveria e o que deverá ser o nosso negócio?

Portanto, tais perguntas são fundamentais. Elas não só elucidam os gestores sobre a realidade de suas empresas, mas auxiliam no sentido que vislumbrar necessidades e possibilidades até então adormecidas. E o arranjo físico ou layout é tão importante como as demais áreas, setores, processos ou atividades organizacionais. Um adequado layout é um importante aliado do fator desempenho.


Fonte: Artigos Administradores / O layout como um aliado do fator desempenho

Os comentários estão fechados.